Resenha - Retaliatory Strike - At War

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Fundado em 1983 em Virginia (EUA), o At War nunca alcançou sucesso comercial, mas com o passar dos anos atingiu o status de 'cult' pelo velho headbanger e até mesmo a nova geração passou a respeitar seus trabalhos. Assim, alguns meses após liberar o primeiro disco do At War, "Ordered To Kill" (86), o selo Heavy Metal Rock dá continuidade à missão de resgatar importantes obras oitentistas e coloca no mercado o sucessor "Retaliatory Strike", lançado originalmente em 1988.

Exemplos: 10 músicos com deficiências ou problemas de saúdeMetallica: os segredos de "Enter Sandman"

Novamente contando com os generais Paul Arnold (voz e baixo), Shawn Helsel (guitarra) e Dave Stone (bateria), "Retaliatory Strike" é sensivelmente mais rápido e pesado, o que potencializava ainda mais toda a já conhecida agressão sonora da banda. O At War parecia possuir um estoque ilimitado de munição e idéias para tantos arranjos básicos, além de uma verdadeira saraivada de solos cheios de energia primitiva.

Era o At War com sua veia Speed e Thrash Metal que tanto foi - e ainda é - definido como um cruzamento de Motorhead e Venom, mas com a imensa melhoria do áudio resultante da produção de Alex Perialis e Rob Hunter (Raven) no Pyramid Sound de New York. Tudo soava mais poderoso se comparado com o antecessor "Ordered To Kill", como já fica claro desde "Conscientious Object" até a derradeira "The Example", em aproximadamente 30 minutos de bombardeio ininterrupto e sem misericórdia que devem ter aberto muitas rodas durante as apresentações da época.

A edição brasileira conta com a versão de capa original de "Retaliatory Strike", com helicópteros militares atacando um alvo inimigo notadamente no Oriente Médio (a situação não mudou muito entre os EUA e essa região ao longo das últimas três décadas, certo?), ao contrário da versão alternativa toda camuflada que o selo californiano New Renaissance já havia apresentado em algumas edições deste álbum.

Lá pelos meados dos anos 90 a indústria fonográfica havia mudado consideravelmente e a relação entre o At War e a New Renaissance não progrediu. Desde então, o trio passou a se dedicar à família e empregos 'normais', mas nunca encerrou oficialmente suas atividades, tanto que em 2009 pegou muita gente de surpresa ao lançar seu terceiro álbum, "Infidel". Mas isso é história para ser contada futuramente... Por ora, basta saber que este registro é imperdível aos simpatizantes de Sacred Reich, Slayer, DRI, Rigor Mortis, Motorhead e Venom.

Contato:
http://www.atwartheband.com
http://www.myspace.com/atwartheband

Formação:
Paul Arnold - voz e baixo
Shawn Helsel - guitarra
Dave Stone - bateria

At War - Retaliatory Strike
(1988 / New Renaissance Records - 2011 / Heavy Metal Rock - nacional)

01. F.Y.I.
02. Conscientious Object
03. Creed Of The Sniper
04. Covert Sins
05. Crush Your Life
06. Guiltless Sympathizer
07. Church And State
08. Felon's Guilt
09. Thinkin'
10. The Example




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "At War"


Exemplos: 10 músicos com deficiências ou problemas de saúdeExemplos
10 músicos com deficiências ou problemas de saúde

Metallica: os segredos de Enter SandmanMetallica
Os segredos de "Enter Sandman"

Axl Rose: Afinal de contas, o que houve com sua voz?Axl Rose
Afinal de contas, o que houve com sua voz?

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollAC/DC: Brian foi demitido como se fosse vendedor do Wal-Mart, diz amigoMasterplan: segundo Grapow, Jorn Lande nunca fez nada pela banda

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.