Dimmu Borgir: "Abrahadabra" é difícil de ser digerido

Resenha - Abrahadabra - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A., Fonte: Som Extremo
Enviar Correções  

publicidade

7


A Dimmu Borgir há tempos deixou de fazer black metal... ou somente black metal. Aliás, eles mesmos já afirmaram que não estão limitados ao estilo. Os noruegueses o transcenderam e hoje, verdade seja dita, estão mais para um heavy meio atmosférico (!) em que o teclado parece ser o instrumento mais importante do trabalho. É o que se pode constar nesse disco, lançado no Brasil em 2010 pela Laser Company.

Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeoReligião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo

E toda essa modernidade trouxe mais um estilo de vocal, que já era dominado pelos rasgados e melódicos: agora, as vozes têm efeitos eletrônicos em determinados momentos, o que, convenhamos, ficou meio bizarro.

E quem acompanha o conjunto (já acompanhei, mas desisti no caminho) percebe o quanto o grupo foi modificando seu som durante os anos. Assim sendo, a ideia aqui é se desligar de qualquer outro trabalho da Dimmu e analisar "Abahadabra" como um álbum isolado (tudo bem, para mim, é mais fácil me desvencilhar, já que, como falei aí em cima, estava por fora dos últimos trabalhos da banda). Do contrário, posso afirmar que "Abrahadabra" é um disco difícil de ser digerido.

Dessa maneira, o que temos aqui é um trabalho preciso, rico, belo e profundo, movido pelos já citados teclados e pelas levadas cadenciadas na maior parte do play. As guitarras não têm aquele peso absurdo, mas apresentam bons riffs nas composições. Só os vocais, hora rasgados, hora melódicos, hora com efeitos, e por vezes misturado aos coros, parecem ter perdido um pouco a direção em "Abrahadabra".

Vale destacar também que quem tocou bateria no álbum foi o ex-Vader Daray, que realizou um trabalho bastante técnico, como manda o figurino. Não é para menos: o rapagão é uma máquina programada para matar. Mesmo assim, chamam a atenção as faixas "Born Treacherous", que ainda possui toques black; "Gateways" com seus bumbos duplos marteladores e uma melodia hipnótica; "Ritualist" com sua velocidade e refrão pegajoso; e a melhor e mais direta (mas nem tanto) – "A Jewel Traced Through Coal", no auge da agressividade do disco.

O encarte mantém a beleza e a alta qualidade de sempre, duas características da Dimmu Borgir que milagrosamente ficaram intactas, ainda bem. O papel luxuoso reforça esse elogio.
Além das 10 faixas que compõem o CD, a versão nacional traz o clipe de "Gateways", que pode ser visto aí abaixo.

E não tem jeito. A Dimmu Borgir é uma banda que, à sua maneira, se expande a cada álbum. Cada vez mais ecléticos e criativos, a banda causa sempre uma surpresa em seus lançamentos. Diante disso, as reações dos fãs ficam extremamente divididas, mas no final, quem realmente curte a banda, "aceita" as novidades do conjunto.

Dimmu Borgir – Abrahadabra
Laser Company – 2010 – Noruega
http://www.myspace.com/dimmuborgir

1. Xibir 02:50
2. Born Treacherous 05:02
3. Gateways 05:10
4. Chess with the Abyss 04:08
5. Dimmu Borgir 05:35
6. Ritualist 05:13
7. The Demiurge Molecule 05:29
8. A Jewel Traced Through Coal 05:16
9. Renewal 04:11
10. Endings and Continuations 05:58
11. Gateways (Video) 05:05


Outras resenhas de Abrahadabra - Dimmu Borgir

Resenha - Abrahadabra - Dimmu BorgirResenha - Abrahadabra - Dimmu Borgir

Resenha - Abrahadabra - Dimmu BorgirResenha - Abrahadabra - Dimmu Borgir

Resenha - Abrahadabra - Dimmu BorgirResenha - Abrahadabra - Dimmu Borgir


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeo

Dimmu Borgir: um clipe estrelado por Ronald McDonaldDimmu Borgir
Um clipe estrelado por Ronald McDonald

Dimmu Borgir: Somos uma banda satânicaDimmu Borgir
"Somos uma banda satânica"


Religião: Top 10 citações sobre Deus e o DiaboReligião
Top 10 citações sobre Deus e o Diabo

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin