Amorphis: Entregando material de extrema qualidade aos fãs

Resenha - Beginning Of Times - Amorphis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Durr Campos
Enviar Correções  

8


Desde a entrada do vocalista Tomi Joutsen, em 2005, os finlandeses do Amorphis continuam numa crescente, algo que já ocorria em seus primórdios, mas o lançamento do álbum Eclipse (2006) de fato agregou à discografia do sexteto um "algo mais". Certamente os predicados vocais de Tomi são ingredientes essenciais nesse sucesso, mas Esa Holopainen (guitarrista) & Cia. arregaçaram, literalmente, as mangas e só entregaram material de extrema qualidade aos seus fãs. Com The Beginning of Times, lançado este ano, cada palavra acima se confirma.

Amorphis: banda fará shows comemorativos de 30 anos via streamingPresença de Palco: dicas para iniciantes

Álbum conceitual baseado na história de Väinämöinen, personagem principal no folclore da Finlândia, o Amorphis retoma – para a alegria dos saudosistas – a temática focada no Kalevala, livro de poemas do escritor Elias Lönnrot baseado nas velhas lendas da "terra dos mil lagos". São treze temas muito bem construídos e cheios de personalidade, marca registrada em se tratando de grupos escandinavos. A bolachinha inicia com a épica "Battle for Light" e só melhora com a seguinte, "Mermaid", ambas de autoria do tecladista Santeri Kallio, que simplesmente assina quase a metade do track-listing.

"My Enemy", outra grande canção, mantém a empolgação e parece bem colocada ao lado do primeiro single, a ótima "You I Need". Os timbres de Kallio são belíssimos, bem como o refrão grudento e as harmonias simples. Em contrapartida, as intrincadas "Song of the Sage" e "Three Words" nos remetem ao estilo progressivo do clássico álbum Elegy (1996), especialmente pelos riffs certeiros de Holopainen e Tomi Koivusaari. Outro que merece aplausos é o baterista Jan Rechberger, sempre com viradas certeiras e um peso fora do comum nos tambores.

A versatilidade de Tomi Joutsen é enaltecida nas inspiradas "On a Stranded Shore", a soturna "Escape" e em "Crack In a Stone", uma das minhas favoritas. Seu estilo calcado no doom e vozes agressivas fazem dela candidata a integrante fixa dos próximos set-lists do Amorphis. "The Bignning of Times", a música, encerra com maestria o álbum. Quem vem acompanhando os passos da banda desde sempre pode ouvir sem receios; aos mais ortodoxos já não tenho certeza se posso dizer o mesmo.

Amorphis - The Beginning of Times
Nuclear Blast/Rock Brigade Records/Laser Company - 2011

Line-up:
Tomi Joutsen – Vocal
Esa Holopainen – Guitarra
Tomi Koivusaari – Guitarra
Niclas Etelävuori – Baixo
Santeri Kallio – Teclado
Jan Rechberger – Bateria

Track-list:
1. Battle for Light (05:35)
2. Mermaid (04:24)
3. My Enemy (03:25)
4. You I Need (04:22)
5. Song of the Sage (05:27)
6. Three Words (03:55)
7. Reformation (04:33)
8. Soothsayer (04:09)
9. On a Stranded Shore (04:13)
10. Escape (03:52)
11. Crack in a Stone (04:56)
12. Beginning of Time (05:51)


Outras resenhas de Beginning Of Times - Amorphis

Resenha - Beginning Of Times - Amorphis



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Amorphis: banda fará shows comemorativos de 30 anos via streamingAmorphis: turnê com Nervosa e Entombed A.D. cancelada

Arte Gráfica: Designer brasileiro cria versões para clássicosArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal


Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay


Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin