Death: Relançamento de álbum essencial em versão tripla

Resenha - Sound of Perseverance - Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Lançado originalmente em 1998, pela Nuclear Blast Records, este maravilhoso álbum do DEATH, e que foi o “canto do cisne” da banda, é relançado agora em 2011 em duas versões (duplo e triplo), pela Relapse Records, com uma arte revigorada e uma belíssima embalagem digipack, além de uma uma nova mixagem.
4951 acessosMetal Extremo: os 25 melhores álbuns de todos os tempos5000 acessosAndre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"

Para quem não conhece o DEATH, se é que existe alguém, trata-se de uma das mais influentes bandas da história do metal, sendo uma das responsáveis pela criação do death metal, e possuindo na figura de seu falecido líder, Chuck Schuldiner, um dos maiores gênios do metal extremo.

A banda, que começou tocando um death metal mais podrão e tratando de temas doentios no início de sua carreira, passou, a partir do seu quarto álbum, “Human” (1991), a deixar seu som mais intrincado e complexo, realçado-o com mais melodias, além de passar a tratar de temas mais introspectivos, e daí em diante, lançaram clássicos atrás de clássicos (“Human”, “Individual Thought Patterns”, “Symbolic” e este “The Sound of Perseverance”). Não que os álbuns anteriores fossem ruins, muito pelo contrário, mas foi nestes lançamentos que a banda encontrou seu estilo próprio de criar death metal, tornando-se uma das maiores referências do estilo.

E este "The Sound of Perseverance" não foge à regra. Chuck sempre foi um músico talentosíssimo, tanto nas guitarras, com riffs e solos muito criativos, como nos vocais. Alias, no quesito vocal, este lançamento segue a linha dos dois álbuns que o antecederam, sendo que Chuck passou a utilizar vozes mais rasgadas do que guturais, como no começo de carreira. Além disso, as melodias, vezes mais soturnas, vezes mais belas, criadas pelo músico são de arrepiar, daquelas que se ouve uma vez e não se esquece jamais.

Além disso, neste trabalho, Chuck está muito bem acompanhado. Embora esta não seja a melhor formação que a banda já teve (a formação de “Individual Thought Patterns”, que contava, além de Chuck, com Andy LaRocque – guitarra, Steve DiGiorgio – baixo e Gene Hoglan – bateria, chega até a ser covardia), os músicos que fazem parte das gravações são muito competentes, e fizeram um trabalho muito marcante.

O álbum conta com alguns clássicos absolutos da banda, como a maravilhosa faixa de abertura “Scavenger of Human Sorrow”, com muita técnica e um peso absurdo, em que todos os instrumentos se destacam pela precisão, e Chuck não deixa pedra sobre pedra com seus vocais destruidores, e possui um dos refrões mais legais da história da banda. Além destas, temos outros clássicos como a complexa “Bite The Pain”, com solos com melodias soturnas impressionantes, além de uma bateria avassaladora e um baixo muito técnico; e as quebrada “Spirit Crusher” e “Flesh and the Power It Holds”.

E todas as demais faixas do trabalho são excelentes, destacando-se um dos melhores covers de que se tem notícia para a clássica “Painkiller”, do JUDAS PRIEST, em que o destaque absoluto é Chuck, com seus vocais ultra rasgados, e solos precisos. As letras das faixas também tratam de temas muito profundos, e apenas ressaltam ainda mais toda a genialidade de Chuck.

Acerca da nova arte, em meu ponto de vista ficou melhor que a original, mas sem muitas inovações, mas o digipack realmente ficou belíssimo. Já sobre a nova mixagem, poucas foram as mudanças, tendo em vista que a original já era bem satisfatória.

Trata-se, portanto, de um disco clássico, essencial para qualquer apreciador do death metal e do heavy metal em geral.

Como dito, infelizmente, este foi o último trabalho do DEATH, tendo em vista a trágica morte de seu líder e idealizador Chuck Schuldiner, em 13 de dezembro de 2001, devido a um tumor cerebral. Mas sua obra e sua genialidade serão lembradas para sempre com sua música, que foi capaz de transcender sua própria existência.

The Sound of Perseverance - Death
(2011 – Relapse Records – Importado)

Formacão:
Chuck Schuldiner - Guitar, Vocals
Richard Christy - Drums
Scott Clendenin - Bass
Shannon Hamm - Guitar

Track List:

CD 1: The Sound of Perseverance
1. Scavenger of Human Sorrow
2. Bite the Pain
3. Spirit Crusher
4. Story to Tell
5. Flesh and the Power It Holds
6. Voice of the Soul
7. To Forgive Is to Suffer
8. A Moment of Clarity
9. Painkiller (Judas Priest cover)

CD 2:
1. Spirit Crusher (1998 Demos - No Bass)
2. Flesh and the Power it Holds (1998 Demos - No Bass)
3. Voice of the Soul (1998 Demos - No Bass)
4. Bite the Pain (1998 Demos)
5. A Moment of Clarity (1998 Demos)
6. Story to Tell (1998 Demos)
7. Scavenger of Human Sorrow (1998 Demos)
8. Bite the Pain (1997 Demos)
9. Story to Tell (1997 Demos)

CD 3:
1. "Bite the Pain" (from 1996 demos)
2. "Story to Tell" (from 1996 demos)
3. "A Moment of Clarity" (from 1996 demos)
4. "Bite the Pain" (from 1996 demos, Paul Payne on vocals)
5. "A Moment of Clarity" (from 1996 demos, Paul Payne on vocals)
6. "A Moment of Clarity" (from 1996 demos, Chuck on vocals)
7. "Story to Tell" (from 1996 demos, Chuck on vocals)
8. "Bite the Pain" (from 1996 demos, Shannon Hamm on vocals)
9. "A Moment of Clarity" (from 1996 demos, instrumental)
10. "Bite the Pain" (from 1996 demos, instrumental)
11. "Story to Tell" (from 1996 demos, instrumental)
12. "Voice of the Soul" (from 1996 demos, instrumental)
13. "A Moment of Clarity" (from 1996 demos, instrumental)

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Sound of Perseverance - Death

3904 acessosDeath: Descanse em paz, Chuck Schuldiner!

Metal ExtremoMetal Extremo
Os 25 melhores álbuns de todos os tempos

283 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Death"

Gene HoglanGene Hoglan
"Os bateristas pegam todas as garotas"

Bruno SutterBruno Sutter
"The Dance of Eternity" do Dream Theater no baixo fretless

DeathDeath
"Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Death"

Andre MatosAndre Matos
"Eu não estava preparado para cantar no Maiden!"

MetallicaMetallica
"Master of Puppets" é eleito o álbum de metal mais influente

CreedCreed
Música salva garoto de ataque de lobos na Noruega

5000 acessosFotos de Infância: Slayer5000 acessosHard Rock - Aqueles que ficaram para trás - Parte 15000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn5000 acessosSlash: Assista cover de "Ace of Spades" em tributo a Lemmy5000 acessosGosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempre5000 acessosGuns N' Roses: exigências para os shows no Brasil

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online