Death: Sound Of Perseverance foi uma despedida inesperada e marcante

Resenha - Sound Of Perseverance - Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Death foi uma das maiores bandas de metal extremo da história. Desde os primeiros lançamentos, a técnica sempre esteve presente nas composições, mesmo nos momentos mais brutais. E quem é fã, sabe que a banda mudou muito seu som ao longo do tempo, passando de um death metal cru para um som mais trabalhado, com elementos até mesmo do prog metal. Toda essa evolução técnica pode ser conferida em "The Sound Of Perseverance", lançado em 1998, e que acabou sendo o último disco da banda.

Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalFrances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fã

"The Sound Of Perseverance" mantém a mesma linha técnica de seus antecessores, os conceituados "Human, "Individual Thought Patterns" e "Symbolic".

Desde os primeiros segundos da música que abre o álbum, "Scavenger of Human Sorrow", pode se notar como a estrutura da música é complexa, tendência essa que é a tônica do disco.

Outros grandes momentos do álbum ficam por conta de "Spirit Crusher" (que acabou se tornando um dos grandes sucessos da banda), "Story To Tell" e"Flesh And Power It Holds" (QUE RIFF!). Sobrou espaço até mesmo para uma instrumental, a ótima e tocante "Voice Of The Soul", que mostra toda a genialidade o feeling de um dos maiores gênios do mundo da música, Chuck Schuldiner. Vale ressaltar também o ótimo cover que a banda gravou para "Painkiller", do Judas Priest.

Todas as músicas do disco apresentam mudanças no andamento, velocidade, peso, e muita técnica por parte de todos os instrumentistas, todos excelentes, por sinal. Resumidamente, em um universo paralelo onde o Death se juntasse com o Dream Theater, talvez o som fosse parecido com o apresentado em "The Sound Of Perseverance".

No fim das contas, "The Sound Of Perseverance" é um ótimo disco, que é uma continuação do processo de mudança e evolução que começou nos primeiros álbuns. As letras, as melodias, a produção do disco são excepcionais. Não há uma música ruim.

Infelizmente, Chuck faleceu anos depois em decorrência de um câncer no cérebro, e "The Sound Of Perseverance" acabou se tornando o último registro de Chuck com o Death. Um registro inesquecível e digno de nota. Uma despedida que veio repentinamente, sem aviso, porém, é genial como tudo que Chuck compôs em sua curta vida.

Para quem não conhece o trabalho da banda, uma ótima porta de entrada. Para quem conhece, uma obra prima que merece ser ouvida e reverenciada.

Faixas:

1 - "Scavenger of Human Sorrow"
2 - "Bite The Pain"
3 - "Spirit Crusher"
4 - "Story To Tell"
5 - "Flesh and the Power It Holds"
6 - "Voice Of The Soul"
7 - "To Forgive Is To Suffer"
8 - A Moment Of Clarity"
9 - "Painkiller"

Formação:
Chuck Schuldiner - vocal/guitarra
Scott Clendenin - baixo
Shannon Hamm - guitarra
Richard Christy - bateria


Outras resenhas de Sound Of Perseverance - Death

Death: Descanse em paz, Chuck Schuldiner!Death: registro histórico e clássico de um ícone do Death MetalDeath: Relançamento de álbum essencial em versão tripla




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Death"


Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalÍdolos imortais
Chuck Schuldiner, o padrinho do death metal

Gene Hoglan: Os bateristas pegam todas as garotasGene Hoglan
"Os bateristas pegam todas as garotas"

Fora do Armário: Ex-membros do Death se assumem como gaysFora do Armário
Ex-membros do Death se assumem como gays

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL


Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Sepultura: Pavarotti gravou uma versão de Roots Bloody Roots?Sepultura
Pavarotti gravou uma versão de "Roots Bloody Roots"?

Huntress: foto pelada após um caso brutal de infecção alimentarGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloTed Nugent: Para ele, Sebastian Bach é estúpido e inconsequenteRichard Christy: "Foi difícil deixar o Iced Earth, amava a banda!"

Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGooILQ