Benighted in Sodom: Para fã de Metal com cabeça mais aberta

Resenha - A Resplendent Starless Darkness - Benighted in Sodom

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pierre Cortes, Fonte: Heavy Nation
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É impressionante observamos o crescimento das bandas de metal nos últimos tempos. Surgem aos montes e dos mais variados cantos do mundo. E quando fazemos uma observação mais atenta, conseguimos perceber que o BLACK METAL é um dos gêneros no Metal que tem demonstrado maior evidência. Incrível vermos as diversas ramificações dentro deste estilo, que vão desde o tradicional, mais rápido e bastante agressivo, até o Black Metal com letras depressivas e de andamento mais lento e pesado e que, em alguns momentos, apresenta trechos atmosféricos através do uso dos sintetizadores.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Muito bem, a banda americana BENIGHTED IN SODOM se enquadra perfeitamente no último modelo mencionado. Óbvio que não somente nele, mas há também aqui algumas variações e uma tendência mais alternativa na composição da sonoridade. Para aqueles que ainda não a conhecem, é interessante mencionarmos que a banda possui vasto material. São vários álbuns, algumas demos e EPs, sendo que este "A Resplendent Starless Darkness" já é o segundo trabalho lançado em 2011. Trata-se de um artefato bastante diferenciado, apresentando um BLACK METAL que certamente poderá não agradar a todos, em especial aos fãs mais radicais do gênero.

A enigmática e misteriosa "Kranker Maschinen Schrei" abre o álbum, uma instrumental que tem uma introdução com som de vento e é composta toda por teclados. "Heroin Is A Reason To Be Happy" é a faixa que vem a seguir, também instrumental (há guitarra, baixo e bateria aqui), e possui quase 12 minutos de duração. Uma música com boa variação de ritmos e que mais próxima do final assume uma velocidade maior. "Mecha-Elohim", novamente sem a presença de vozes, começa com uma bateria super rápida, demonstrando uma pegada um pouco mais extrema. "Children of A Lesser God", cuja abertura traz uma criança falando, é uma música bem tranquila, com vocal muito diferente do que geralmente encontramos nas bandas deste gênero, já que a voz gutural e urrada perde espaço para as vocalizações limpas, inclusive chegando até a lembrar algo de grupos góticos. "Cryonic Burial Aesthetic" e "Æthertopia" tem um ligeiro flerte com música eletrônica e o álbum encerra com a música "Deus Ex Machina", instrumental (de novo!), em seus mais de 20 minutos de variações rítmicas, muito teclado e instrumentos tradicionais/folk.

"A Resplendent Starless Darkness" não é um disco repleto de músicas excepcionais, mas traz uma proposta bem diferente e que acaba de uma forma ou outra, sendo no mínimo interessante e mostrando que o BENIGHTED IN SODOM possui originalidade e identidade. Se você é fã de música pesada e, acima de tudo, possui uma cabeça mais aberta às novidades, certamente é um álbum bastante recomendado.

Banda: Benighted in Sodom
País de Origem: Estados Unidos
Título do álbum: A Resplendent Starless Darkness
Ano: 2011
Estilo: Black Metal
Gravadora: Independente

Track-list
1. Kranker Maschinen Schrei
2. Heroin Is A Reason To Be Happy
3. Mecha-Elohim
4. Children of A Lesser God
5. Cryonic Burial Aesthetic
6. Devour The Stars
7. Præternatural
8. Æthertopia
9. Deus Ex Machina

Line-up:
Matron Thorn - Voz e Instrumental
Gionata Potenti - Bateria

Sites:
http://www.myspace.com/benightedinsodom
http://aderelictheaven.blogspot.com/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Benighted In Sodom"


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

As regras do New Metal/Nu-metalAs regras do New Metal/Nu-metal
As regras do New Metal/Nu-metal

Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasTradução - Dark Side Of The Moon - Pink FloydUnisonic & Edguy: Michael Kiske trollando Tobias SammetGuns N' Roses: "último show foi em 1990", diz ex-empresário

Sobre Pierre Cortes

Pierre Cortes, paulistano, bacharelado em Publicidade e em Cinema, amante da fotografia e escrita, apreciador do Heavy Metal e todas as suas subdivisões desde o início dos anos 80, colaborador do Whiplash.Net desde 2011, Twitter - @pierrecortes.

Mais matérias de Pierre Cortes no Whiplash.Net.