Anaal Nathrakh: Fundindo Death, Grind e Black Metal

Resenha - Passion - Anaal Nathrakh

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Mesmo não tendo como prioridade as apresentações ao vivo, o britânico Anaal Nathrakh passou a contar com uma crescente legião de admiradores pelos quatro cantos do globo desde que começou a liberar seus registros, lá pelo final da década de 1990. Agora, dando continuidade ao caos em formas de ondas sonoras, está chegando ao mercado seu sexto álbum, com o sugestivo título "Passion".

Os dez maiores picaretas da música internacionalSexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexual

Temas sobre assassinatos, estupros, torturas e outras amenidades que se adaptem aos refinados delírios masoquistas de Irrumator e V.I.T.R.I.O.L. - ou Mick Kenney e Dave Hunt para os íntimos - são utilizados, tendo como trilha sonora basicamente os mesmos ingredientes dos trabalhos anteriores, fundindo Death, Grind e Black Metal em uma massa sonora compacta, que se torna ainda mais disforme e sinistra pelo uso de efeitos muito bem encaixados.

Porém, mantendo a mesma fórmula, mesmo que consagrada, é inegável que o Anaal Nathrakh começa a dar indícios de estar adentrando em certa zona de conforto. Se a atordoante "Drug-Fucking Abomination" consegue ser o grande destaque pela versatilidade de suas estruturas; ou ainda "Volenti Non Fit Iniuria" e "Paragon Pariah" continuarem, mesmo com o uso de vocalizações limpas, a disparar rajadas de ódio, há várias outras ocasiões que se revelam familiares e (quase) monótonas. Como dito, meros produtos de uma fórmula.

"Passion" é um bom trabalho, mas não consegue acrescentar muito à discografia do grupo, em especial por ser o sucessor do bombástico "In The Constellation Of The Black Widow" (09). Apesar dos pesares, os pouco mais de 35 minutos continuam sustentando uma insanidade tão palpável que o Anaal Nathrakh continua inimitável e no rol das maiores potências do Heavy Metal extremo.

Contato: www.myspace.com/anaalnathrakh

Formação:
V.I.T.R.I.O.L. (Dave Hunt) - voz
Irrumator (Mick Kenney) - guitarra, baixo, programação e bateria

Anaal Nathrakh - Passion
(2011 / Candlelight Records - importado)

01. Volenti Non Fit Iniuria
02. Drug-Fucking Abomination
03. Post Traumatic Stress Euphoria
04. La Diabolique Est L'Ami Du Simplement Mal
05. Locus Of Damnation
06. Tod Huetet Uebel
07. Paragon Pariah
08. Who Thinks Of The Executioner?
09. Ashes Screaming Silence
10. Portrait Of The Artist




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Anaal Nathrakh"


Os dez maiores picaretas da música internacionalOs dez maiores picaretas da música internacional
Os dez maiores picaretas da música internacional

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Chinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaChinese Democracy
De 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

Joey Ramone: em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'RAC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?Bill Ward: explicando saída do Heaven & Hell em 2006Guns N' Roses: Slash e DJ Ashba, as semelhanças

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.