Cavalera Conspiracy: Deve causar alvoroço em todo planeta

Resenha - Blunt Force Trauma - Cavalera Conspiracy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se você é daqueles que sente saudades daquela sujeira e peso de discos como “Arise” e “Chaos A.D” (clássicos da banda mineira Sepultura), talvez consiga matar um pouco desta nostalgia na audição do pesadíssimo “Blunt Force Trauma”.
294 acessosPra conhecer: Death Metal latino americano5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Quando Max e Iggor (mais o primeiro do que o segundo) não ficam fazendo cavadinha para uma reunião que “celebraria” a formação original do SEPULTURA (esquecendo o Jairo não é sr. Max?) conseguem produzir um disco com força e autenticidade.

Max é um dos artistas de metal que em minha opinião consegue demonstrar todo seu DNA e talento (ou seja demonstrar suas marcas de composição) e mesmo assim soar contemporâneo e forte como se o tempo não tivesse passado. E volto a dizer: é muito melhor ver o músico e vocalista ocupado com seu projeto + sério e fazendo dele um disco para se prestar atenção em 2011 do que vê-lo em notinhas cuspindo fogo em seus ex-companheiros.

Enquanto o mundo parece ter “dado um tempo” nas demonstrações alegre/afetivas para sons mais calcados no neo-punk e o som emocore tenha perdido parte da sua força consolidada em 2010, o CAVALERA CONSPIRANCY lança CD com cara de boa época em que o som porrada não era apenas uma expressão chula para identificar uma banda na prateleira mas sim diferenciar bandas pesadas de bandas MUITO pesadas.

O single "Killing Inside" dava provas cristalinas que a dupla Cavalera (que ainda conta com Marc Rizzo nas guitarras e Johny Chow no baixo) não vinha para brincar de passado ou inventar moda. O CD tem toda a agressividade que um bom disco de metal precisa e sugere, com passagens de thrash muito interessantes como na faixa "Thrasher", que mescla guitarras rasgadas e boas doses de velocidade e ritmo.

Existem alguns aspectos interessantes em BFT como a mescla de guitarras mais tradicionais que lembram MEGADETH e TESTAMENT com outras mais ‘dolorosas’ que lembram MACHINE HEAD ou BLACK LABEL SOCIETY. A faixa "I Speak Hate" não é uma conservadora canção de metal, mas tem todos os ingredientes que o fã do estilo gosta de encontrar na camada sonora de um bom disco de rock.

"Target" tem até solo de guitarra… E pode parecer ridículo salientar esta informação, uma vez que, é quase uma convenção do rock, de maneira geral, que as canções apresentem o momento ‘estrelar’ do guitarrista solo. O que ouvimos na faixa são excelentes momentos de Rizzo/Cavalera com peso e excelentes ideias musicais.

"Burn Waco" traz uma parede de distorção em uma envolvente e veloz saraivada de riffs. Há quem torça o nariz pela ausência de conssonância (ou em menor escala, na falta de melodias mais apuradas) mas é impressionante o vigor de Max em canções deste timbre, mesmo após 26 anos de carreira (contados a partir do lançamento de "Bestial Devastation", 1985). Em "Rasputin", a áspera forma del e’cantar’ as canções remetem até mesmo ao black metal, o que não é de todo um desconhecido para os irmãos Cavalera, uma vez que o disco de estreia do SEPULTURA é um ode ao black e thrash metal.

"Blunt Force Trauma" – a canção que dá título ao disco – não poderia ser diferente. Com riffs pesados e até aqui, contrastando com o ‘q’ de atonalidade apresentado pelos músicos, apresenta opções interessantes, para uma banda que toca com o pé no acelerador do início ao fim.

O disco encerra com "Warlord" e mostra como a banda está madura e tem fogo para queimar muita lenha sem mudar um milésimo da sua filosofia sobre como um disco de metal deve soar.

Talvez o pormenor seja um mais comedido Iggor Cavalera. Não que esteja aquém do que o músico pode compor, mas parece que o baterista optou em fazer arranjos mais redondos e menos tribais, o que pode ser uma prova de que o baterista está longe de repetir maneiras e trejeitos e que busca, na economia, um som mais encorpado e em favor da canção.

Dos melhores que ouvi este ano, BFT faz MUITO barulho e deve causar alvoroço em todo planeta.

Quanto às viúvas da formação original do SEPULTURA: o choro é livre.

“Warlord” 3:05
“Torture” 1:51
“Lynch Mob” 2:31
“Killing Inside” 3:28
“Thrasher” 2:49
“I Speak Hate” 3:10
“Target” 2:36
“Genghis Khan” 4:23
“Burn Waco” 2:52
“Rasputin” 3:22
“Blunt Force Trauma” 3:58

twitter: @aliterasom
twitter do autor: @dcostajunior

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Blunt Force Trauma - Cavalera Conspiracy

5000 acessosCavalera Conspiracy: Mais Sepultura do que eles próprios5000 acessosCavalera Conspiracy: "Blunt Force Trauma" é um discaço3268 acessosCavalera Conspiracy: Groove Metal com uma pegada agressiva3592 acessosCavalera Conspiracy: Ainda não mata a ansiedade dos bangers

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de março de 2011

Dave GrohlDave Grohl
Álbum do Sepultura foi guia para Foo Fighters por 10 anos

294 acessosPra conhecer: Death Metal latino americano910 acessosSepultura: Visões Mórbidas Previram Próspero Futuro1373 acessosSepultura: show no Rock in Rio terá participação da Família Lima0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

Max CavaleraMax Cavalera
Entrevista com Danilo Gentili disponível na íntegra

SepulturaSepultura
A participação no Jô Soares em 1989

SepulturaSepultura
O que aconteceria se Max não tivesse saído em 1996?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"0 acessosTodas as matérias sobre "Soulfly"0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"

VinilVinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

HeadbangerHeadbanger
Mostre que você é true em qualquer oportunidade

Sgt. PeppersSgt. Peppers
Tudo sobre o mais importante álbum da história do rock

5000 acessosGuns N' Roses x Nirvana: o que ocorreu em 1992?5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich Nietzsche5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?5000 acessosLynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"5000 acessosNikki Sixx: Scott morreu no "meu ônibus e estava dormindo na mesma cama que eu"5000 acessosJoão Gordo: "Velho, o rock está morrendo!"

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior é blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colabora com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Twitter: @diariodopierrot.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online