4th Frontier: Rock com Metal Melódico e música Pop

Resenha - A Quarta Fronteira - 4th Frontier

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não há dúvidas de que diversas tendências dentro do rock já se encontram saturadas. O metal melódico viu o seu ápice e encontrou a sua queda. Do mesmo modo, a galinha de ovos de ouro de nomes como EVANESCENCE chegou ao seu fim. Entretanto, ainda existem bandas que conseguem aproveitar o que muitas outras exploraram à exaustão. Os mineiros da 4TH FRONTIER chegam ao seu primeiro disco unindo o rock com um quê de metal melódico e música pop. A sonoridade dos caras mostra bons momentos em "A Quarta Fronteira".

Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo

Com mais de quatro anos de estrada, a 4TH FRONTIER consolidou o seu primeiro álbum, intitulado "A Quarta Fronteira", que chegou recentemente às lojas. A banda, que investe em uma sonoridade verdadeiramente rock n' roll, mas com um contorno forte da música pop (e consequentemente um apelo mais comercial), deve enfrentar certa resistência por parte do público. Não porque a banda não mostre qualidade técnica no seu registro. De certo modo, a ausência mais determinante na obra do quarteto é o impacto das suas músicas. A maioria das composições é rasteira, por mais que Mila Amorim (vocal), Daniel Christian (guitarra), Eder Monteiro (baixo) e Fabio Lebran (bateria) se esforcem para proporcionar uma boa impressão. Por mais que queiram andar pela mesma estrada que bandas como EVANESCENCE e PARAMORE construíram no passado, o caminho do 4TH FRONTIER deverá ser um pouco mais longo.

No entanto, certas características de "A Quarta Fronteira" chamam a atenção de imediato. A primeira delas (e mais evidente) é o uso do português como idioma. O grupo, que possui o mesmo repertório em inglês que será lançado em breve, mostra uma nítida preocupação em se diferenciar das suas duas maiores referências, sobretudo no mercado brasileiro. Por outro lado, acredito que a insistência em aproveitar as referências do pop/rock prejudicou a qualidade final do disco. A música de abertura, "Algemas", possui melodias que a aproximam dessa tendência, mas não consegue se sobressair, como muitas outras faixas do disco. No entanto, "Insanidade", com guitarras mais usadas pelo heavy metal, dá uma interessante roupagem pesada à proposta do quarteto mineiro.

A cadenciada "Em Busca do Amor" mostra muito bem que as referências do pop/rock funcionam a partir do momento em que a 4TH FRONTIER investe em intensidade emotiva. Do lado oposto, "A Quarta Fronteira" e "Fim da Estação" até possuem execuções impecáveis, mas estão distantes dos principais destaques do álbum. O disco, que iniciou com faixas interessantíssimas, perde um pouco do pique na sua continuidade. Na sequência, "Visão Digital" e "Veloz" novamente caem no senso comum do gênero mais íntimo ao pop/rock, sobretudo pela ausência do que a banda mostra com uma competência acima da média - o peso do heavy metal. Por mais que Mila Amorim possua uma voz incrível, "Destino" é outra faixa que deve passar em branco.

Do mesmo modo, não há como apontar "Mentiras" como um provável destaque de "A Quarta Fronteira". Em compensação, a intensidade e as características do metal retornam muito bem em "Fantasmas", que comprova de uma vez por todas que Mila Amorim é uma das cantoras mais competentes do underground brasileiro. O trabalho do 4TH FRONTIER se recupera na reta final do disco e a introdução com um quê de FOO FIGHTERS inicia uma das faixas mais bacanas do repertório. "Domínio" varia momentos mais cadenciados com outros mais intensos, com direito a muitos riffs metálicos e pesados. Por fim, "Novo Começo" é uma bonita balada construída a partir de violões, mas suspeito que a fórmula não proporcione um resultado de impacto.

No encerramento dessa resenha, quero deixar claro que as críticas a "A Quarta Fronteira", sobretudo sobre a falta de impacto das composições, só foram feitas porque a banda mostrou muita qualidade técnica. O debut da 4TH FRONTIER mostra uma banda muito competente e cuidadosa, o que proporcionou um excelente registro em estúdio. O quarteto mineiro certamente possui um futuro brilhante, mas acho que para se destacar aos demais nomes do gênero eles precisam elaborar com maior precisão as suas composições. De repente, o primeiro passo para isso seria investir em músicas mais longas e detalhadas. Embora isso se mostre necessário, a 4TH FRONTIER é uma interessantíssima indicação caso você queira conhecer uma banda nova (e de qualidade).

Site: www.4thfrontier.com.br

Track-list:

01. Algemas
02. Insanidade
03. Em Busca do Amor
04. A Quarta Fronteira
05. Fim da Estação
06. Visão Digital
07. Veloz
08. Destino
09. Mentiras
10. Fantasmas
11. Domínio
12. Novo Começo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "4th Frontier"


Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenEdu Falaschi
O fax com convite de seleção para o Iron Maiden

Simplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Heavy Metal: Os 11 melhores álbuns dos anos 2000 segundo o LoudwireScorpions: a história por trás da música "Wind of Change"O Matador!: "Don" Dave Lombardo surra as peles em "Painkiller"Metallica: as letras sexuais de Dave Mustaine assustavam a banda

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.