Strokes: A primeira faixa do melhor álbum de 2011?

Resenha - Under Cover of Darkness - Strokes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar Correções  

publicidade

8


Vou ser bem sincero com vocês. Nunca entendi muito o hype em torno do Strokes. A banda sempre soou repetitiva aos meus ouvidos, curiosos por descobrir o porque de tamanha falação a respeito do conjunto.

Lollapalooza: co-fundador da franquia acredita que festival só voltará em 2022

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Por isso, fui com o pé atrás conferir a tão esperada nova música dos caras, disponibilizada para download no site oficial do grupo na última quarta-feira. "Under Cover of Darkness" é o primeiro single do aguardado "Angles", quarto álbum do Strokes e primeiro disco da banda em cinco anos, que chegará às lojas dia 22 de março.

É inegável que o grupo de Julian Casablancas tem uma das identidades sonoras mais fortes do rock atual. Basta escutar meio segundo de "Under Cover of Darkness" para identificar a cara do quinteto. Estão lá as indefectíveis melodias de guitarra acompanhadas pela bateria reta de Fabrizio Moretti, e foi justamente isso que me fez não simpatizar com a faixa em um primeiro momento. Mas as audições seguintes revelaram um fato incontestável: "Under Cover of Darkness" é uma grande canção!

Dona de um apelo pop que demanda a cumplicidade do ouvinte para desbravar todo o seu potencial, "Under Cover of Darkness" tem na riqueza melódica das guitarras o seu ponto forte. A dupla Albert Hammond Jr. e Nick Valensi brilha intensamente nos quase quatro minutos da faixa, tanto pelas melodias que arrancam de seus instrumentos quanto pelas texturas tradicionais à sonoridade do Strokes. E tem, claro, o solo, que é de uma beleza arrepiante, transportando o ouvinte por um mundo mais colorido e interessante.

Ainda que a voz de Casablancas soe nitidamente menos potente em "Under Cover of Darkness", o cantor do Strokes continua sendo um grande intérprete. A ponte antes do refrão, onde entra a parte da letra com "don´t go that away ...", é daqueles momentos que qualquer banda daria um rim para compor um dia. Outro fator que chama a atenção é a inserção de coros vocais reforçando as melodias, o que torna certos pontos da faixa ainda mais fortes.

A primeira faixa do melhor álbum de 2011? Ainda é cedo para afirmar, mas, sem dúvida alguma, estamos diante de uma das grandes canções do ano. Alguém duvida?


adWhipDin adWhipDin adWhipDin