Rage Against the Machine: a banda mais legal do planeta?

Resenha - Rage Against the Machine - Rage Against the Machine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fábio Visnadi
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Rage Against the Machine é a banda mais legal do planeta. Isso sem levar em conta os méritos artístico-musicais, que somam ainda mais ao grupo de Los Angeles. A verdade é que o grupo liderado por Zack De La Rocha e Tom Morello representa um ponto de ligação entre os mais variados gostos e tribos. O quarteto californiano consegue agradar gregos e troianos sem qualquer intuito de fazer média ou se auto-afirmar constantemente (como o faz D2 em sua carreira solo). Dos headbangers aos alternativos estudantes de ciências sociais. Dos rappers aos simples fãs de rock. Num período musical conturbado, porém não menos digno, a banda consegue se destacar por sua originalidade, sinceridade e atitude. Atitude essa, diferente daquele estereótipo do roqueiro rebelde sem causa. Com letras engajadas politicamente e movimentos ativistas, sem nunca soar filantrópico e demagogo como Bono Vox e seus amigos. Pregando uma revolução.
191 acessosRob Scallon: todas as músicas do RATM em três minutos5000 acessosSlipknot: Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreira

Revolução essa que não se reflete apenas nas letras, mas também no som. Com um groove impressionante, lançaram seu primeiro álbum de estúdio em 1992. Como já foi dito antes, o debut do quarteto é como um “coquetel molotov de rock, rap, funk e punk”. Essas palavras descrevem perfeitamente o que se esperar quando se escuta o grupo. Com o baixo saliente de Tim Commerford, que remete ao baixo enfatizado em muitos artistas de hip hop e funk; o vocal rappeado de Zack de La Rocha, que se encaixa perfeitamente no contexto da pregação de uma revolução, como os líderes de movimentos sindicais ou grandes oradores da política contemporânea, a bateria de Brad Wilk, simples, mas eficiente e a guitarra de Tom Morello, o grande destaque na parte musical da banda, com efeitos de guitarra, tapping e muita influência de DJ’s; o Rage Against conseguiu unir a parte sociológica da arte a parte estética.

Contudo, há quem diga que a obra dos californianos seja panfletária. Bobagem, o Rage Against the Machine é inteligente o suficiente para saber expor seus pontos de vista abrindo espaços para discussão e reflexão, não tentando em momento algum moldar a opinião do ouvinte com pontos de vista maniqueístas. O discurso nesse caso é embasado e nunca raso. Todos eles tem um forte passado político, oriundos da influência de seus pais. Zack de La Rocha era filho de uma professora de antropologia e de um artista político. A mãe de Tom Morello era a mentora de um grupo contra a censura na música e seu pai era membro de um exército de guerrilheiros conhecidos como Mau Mau que libertou a Quênia do imperialismo britânico. O próprio Tom Morello se graduou em Harvard, a mais bem-conceituada universidade do mundo, em ciências sociais. Commerford e Wilk não tiveram influências políticas vindas de seus pais, mas no caso do último, essa falta de influência, e pelo contrário, a ganância de seu pai pelo capital foi o que o incentivou a seguir uma orientação política adversa de seu progenitor.

Talvez por isso, a analogia do coquetel molotov seja tão bem aplicada a banda em questão. Não só o som passa a impressionante sensação de um mundo em fúria, como também as letras pregam uma justiça social diferente dos moldes sugeridos pelos artistas mais recatados. “Bombtrack”, talvez a maior demonstração dessa fúria, grita que latifundiários e prostitutas poderosas (nesse caso, as pessoas que prostituem seus ideais e princípios por dinheiro), assim como seus ternos e propriedades de luxo serão queimados. Faixa inicial, Bombtrack, com o perdão de trocadilho, prepara o rastro da bomba para aquela que se tornaria a mais antológica de todas as músicas da banda. “Killing in the Name”. Ao contrário do que muitos pensam, a faixa não trata de questões religiosas, mas sim de uma discussão sobre o racismo nas instituições e na polícia norte-americana, da qual alguns membros fazem parte da Klu Klux Klan, o que justifica a matança pelo benefício dos brancos. Justamente essa controvérsia sobre o real sentido da canção demonstra que a mesma não apresenta um conteúdo panfletário, gerando as mais diversas interpretações. Seguida por “Take the Power Back” que fala sobre a educação voltada para o capitalismo e a manipulação da mídia, os Rage gritam que eles tem que retomar o poder e recuperar o tempo perdido com a cultura que foi perdida no meio dessa sujeira toda.

Enfim, as discussões apresentadas pelo Rage Against the Machine são muitas, passando longe dos simples ideais do jovem esquerdista ingênuo de dezesseis anos de idade. Não se trata de uma banda revoltada com o capitalismo, já que eles mesmo fazem partes desse sistema e não abrem mão do dinheiro conquistado com seus shows e venda de discos. Se trata de uma discussão sobre determinados pontos a serem mudados. Como em “Wake Up”, a supressão do FBI sobre os movimentos negros, ou o reacionismo do sonho americano em “Know Your Enemy”, canção anti-autoritarista e anti-militarista. Não são pregações esquerdistas, e sim uma luta pelo humanitarianismo e pela igualdade dos direitos, que tem que funcionar em qualquer sistema socio-econômico do mundo.

Uma pena que as ideias propostas pela banda atinjam apenas parte de seus fãs. A outra parcela entusiasmada apenas pela sonoridade ou pelo status da banda. Apesar disso, esses são necessários para a disseminação da ideologia ou até mesmo para a sustentação da banda. Sustentação que se mantém firme. Apesar de um certo hiato, o grupo demonstrou que seu som e seu discurso mantém-se atuais, durante apresentação no festival brasileiro realizado em Itu, o SWU. A primeira vez que o quarteto pisa em solo latino. Passagem notada pela distribuição de ingressos aos integrantes do movimento sem-terra e manifestações no palco, demontrando que o ativismo do grupo não se restringe apenas a música e sim aos atos. Dizem que as ideias mais fortes sobrevivem, e o Rage Against demonstrou que as ideias deles sobreviverão por muito tempo.

Tracklist:

1. Bombtrack
2. Killing in the Name
3. Take the Power Back
4. Settle for Nothing
5. Bullet in the Head
6. Know Your Enemy
7. Wake Up
8. Fistful of Steel
9. Township Rebellion
10. Freedom

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Rage Against the Machine - Rage Against the Machine

4338 acessosResenha - Rage Against The Machine - Rage Against The Machine5000 acessosTradução - Rage Against The Machine - Rage Against The Machine

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Tom MorelloTom Morello
Pink Floyd, Metal, Cornell, Temer, disco e muito mais

191 acessosRob Scallon: todas as músicas do RATM em três minutos335 acessosRage Against The Machine: livro explica as letras da banda218 acessosProphets of Rage: review do enérgico show em Londres230 acessosProphets of Rage: em vídeo, Gastão Moreira entrevista a banda431 acessosRATM e Audioslave: jovens fazem covers e Tom Morello aprova0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Rage Against The Machine"

AudioslaveAudioslave
Morello esclarece história do teste de Layne Staley

Álbuns HomônimosÁlbuns Homônimos
Algumas pérolas que levam o mesmo nome da banda

RATMRATM
Baixista pede desculpas por ter inspirado a merda do Limp Bizkit

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Rage Against The Machine"

SlipknotSlipknot
Demissão de Joey foi a decisão mais difícil da carreira

Collectors RoomCollectors Room
Coleção de Metallica com 16 versões apenas do "Ride"

Em 10/08/1993Em 10/08/1993
Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

5000 acessosMetal: por que os metalheads vivem presos no passado?5000 acessosMúsicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio Blog5000 acessosOccult Rock: dez novas ótimas bandas para você conhecer5000 acessosGame of Thrones: a inspiração do Blind Guardian e Hammerfall5000 acessosAbbath: mais uma sessão de fotos impagáveis, agora na Austrália5000 acessosFaith No More: roupa umbandista para contrariar fãs tradicionais

Sobre Fábio Visnadi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online