Peter Frampton: ainda fazendo um rock maduro e vigoroso

Resenha - Thank You Mr. Churchill - Peter Frampton

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Cavalcanti
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Após dividir a liderança do Humble Pie - uma das mais marcantes e comercialmente injustiçadas bandas de blues rock do mundo -, o vocalista/guitarrista Peter Frampton investiu em uma carreira solo que resultou em um meteórico período de "vacas gordas" para o mundo da música (alguém pensou no clássico álbum ao vivo "Frampton Comes Alive", de 1976?).

Instrumental, dicas de hoje: feras brasileiras e FramptonMorbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 2010, após lançar álbuns quase tão bons quanto os da sua antiga banda - ainda que tais trabalhos apresentem uma sonoridade mais voltada ao 'classic rock' e ao soft rock -, o Sr. Frampton entrega "Thank You Mr. Churchill", mostrando que ainda sabe tocar um rock maduro e vigoroso, ao mesmo tempo. De fato, isso já pode ser notado logo na curiosa faixa-título, que abre o álbum com uma temática bastante biográfica.

Falando em vigor, tal característica estava em falta nos álbuns anteriores, os quais pecavam pelo excesso de violões e baladas. Aqui, temos apenas flertes com esta vertente, através da linda e criativa "Vaudeville Nanna and the Banjolele", da melancólica - e quase sussurrada - "Black Ice", e da eclética e instrumental "Suite: Liberte" - que se divide na parte acústica "Megumi", e no blues "Huria Watu".

Mas espere um pouco... estávamos falando de rock, não? Pois bem, o competente guitarrista nos brinda com as vibrantes "Solution" (uma das melhores músicas do ano, fácil fácil) e "Road to the Sun" (que poderia ser também um ótimo single, se não fosse pela duvidosa presença do seu filho Julian Frampton nos vocais), além do agradável pop/rock "I'm Due a You".

Destaque também para a levada arrastada e pesada de "Asleep at the Wheel", a qual combina muito bem com a temática da música. Destaque ainda maior para a semi-acústica e sombria "Restraint", que consegue ser um dos rocks mais brilhantes e "pesados" do álbum. Sem deixar a peteca cair, Frampton ainda entrega o ótimo hard rock "I Want It Back" e o funk rock dançante "Invisible Man".

Em uma certa mescla de sub-gêneros, temos como resultado em "Thank You Mr. Churchill" uma espécie de "rock clássico dos dias atuais", uma sonoridade que cai como uma luva para Peter Frampton - tanto o vocalista quanto o guitarrista. Ao final deste que certamente ficará marcado como um dos seus melhores trabalhos, podemos apenas dizer: Thank you, Mr. Frampton!

Músicas:
1. Thank You Mr. Churchill
2. Solution
3. Road to the Sun (feat. Julian Frampton)
4. I'm Due a You
5. Vaudeville Nanna and the Banjolele
6. Asleep at the Wheel
7. Suite: Liberte - A. Megumi B. Huria Watu
8. Restraint
9. I Want it Back
10. Invisible Man
11. Black Ice




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Peter Frampton"


Instrumental, dicas de hoje: feras brasileiras e Frampton

Peter Frampton: encerrando último show da carreira com cover dos BeatlesPeter Frampton
Encerrando último show da carreira com cover dos Beatles

Hard Rock: as bandas que deram origem aos heróis do gêneroHard Rock
As bandas que deram origem aos heróis do gênero

Scorpions: o que ouvimos no Tokyo Tapes foi gravado no Frampton Comes AliveScorpions
O que ouvimos no Tokyo Tapes foi gravado no Frampton Comes Alive


Morbid Angel: banda satânica, eu jamais voltaria, diz SandovalMorbid Angel
"banda satânica, eu jamais voltaria", diz Sandoval

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1989Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1989


Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336