Ocultan: vida inteligente além do satanismo descartável

Resenha - Atombe Unkuluntu - Ocultan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


É, passou-se um longo tempo desde que o paulistano Ocultan iniciou suas atividades... As mudanças de integrantes ainda são uma constante, mas o mentor Count Imperium é persistente e possui consciência do potencial do grupo, tanto que, a cada álbum lançado alcança-se um novo patamar no cenário underground Black Metal nacional.

Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoGigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000

Pois bem, esta escalada continuará com "Atombe Unkuluntu", que inclusive marca o retorno do próprio baterista Imperium à função de vocalista, posto já ocupado nos primórdios da trajetória do Ocultan. O trabalho das guitarras de Lady Of Blood está ótimo, com riffs pesadíssimos e sempre explorando e encaixando harmonias ao longo do repertório, além de a seção rítmica continuar a fazer uso de elementos do Death Metal.

Com um encarte apresentando as respectivas traduções de suas letras, algo muito característico e que faz toda a diferença em seu Black Metal é a forma como o conjunto trabalha seu conteúdo lírico, abordando o ocultismo, simbologia e história de personagens que deram origem às divindades africanas que posteriormente encontram terreno fértil aqui mesmo, no Brasil.

Apesar de toda a experiência e bagagem adquiridas ao longo dos anos proporcionarem uma coleção de canções bastante linear e que mereça cuidadosa atenção, algumas conseguem se distinguir, em especial o clima épico da própria faixa-título, o padrão tradicional de "Tata Caveira", além de a interpretação e todas as mudanças de ritmos de "Kakulo (Reign Of The Ancient Dead)".

O Ocultan mostra que existe vida inteligente além do mero satanismo descartável, tão freqüente na cena mundial. Chegando ao mercado nacional via Free Mind Records, "Atombe Unkuluntu" é mais um exemplo de como nosso exótico Brasil soube, há tempos, se desenvolver em termos de Heavy Metal, propiciando a melhor safra de bandas de sua história. Excelente disco!

Contato:
http://www.ocultan.com
http://www.myspace.com/darkf666

Formação:
Count Imperium - voz e bateria
Lady Of Blood - guitarra
Magnus Hellcaller - baixo

Ocultan - Atombe Unkuluntu
(2010 / Free Mind Records - nacional)

01. Kalunga Ngombe (intro)
02. Atombe Unkuluntu
03. Tata Caveira
04. Rites Of Dark Legions
05. Unguia Unketa Muki Azan Akodi
06. King Of The Night Tribes
07. O Triunfo da Escuridão
08. Kakulo (Reign Of The Ancient Dead)
09. Uanga Asueki (Outro)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco

Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin