Poisonblack: honrando com folgas o termo "heavy"

Resenha - A Dead Heavy Day - Poisonblack

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Desde que estreou em disco no ano de 2003, o Poisonblack vem rachando as opiniões da crítica especializada. Não importa, pois seu terceiro álbum, "A Dead Heavy Day", independente do possível ceticismo acerca do trabalho, tem muitos elementos para novamente cair no agrado dos velhos fãs e, melhor, possivelmente atrair novos interessados pelo grupo ao redor do globo.

Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldPower Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.com

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com "A Dead Heavy Day" o conjunto se afasta um pouco dos limites do Gothic Metal e outra vez segue investindo em estruturas mais pesadas, com maior ênfase nas guitarras. E, mesmo sendo do conhecimento de todos que a proposta de Ville Laihiala sempre foi elaborar algo distinto do saudoso Sentenced, inegavelmente há várias características aqui, que, conscientemente ou não, continuam resgatando algo da atmosfera de sua ex-banda.

Laihiala continua explorando sua voz de forma angustiada ao lado de ocasiões mais introspectivas, e com certeza é o ponto-chave na sonoridade do Poisonblack - mas é claro que isso não exime a força dos riffs constantemente bem trabalhados, uma seção rítmica muito atuante e refrões tão atraentes. Os teclados? Estão lá, mas geralmente em segundo plano e dando apenas uma tônica mais melancólica às composições.

E a sinergia destes fatores comprova que os finlandeses estão funcionando como uma banda perfeitamente lubrificada, tanto que o repertório se sustenta completamente. Além da grudenta "Bear The Cross" (ô refrãozinho!) que foi o merecido primeiro single, há vários outros destaques, tendo nas saturadas "Diane" e "Me Myself And I" as óbvias faixas pesadas e, principalmente, a emocional "Only You Can Tear Me Apart", que começa lenta e vai crescendo gradualmente, se revelando uma boa síntese da proposta do CD.

Mas, estranha observação: por mais incongruente que possa parecer, as canções são previsíveis, mas ainda assim não comprometem os pouco mais de 56 minutos de audição, que se tornam realmente gratificantes para quem admira a carreira de Laihiala. "A Dead Heavy Day" é o mais forte álbum do Poisonblack e honra com folgas o termo 'heavy' de seu título. Esta versão é importada e com um preço bem salgado, mas merece uma conferida!

Formação:
Ville Laihiala - voz e guitarra
Janne Markus - guitarra
Marco Sneck - teclados
Antti Remes - baixo
Tarmo Kanerva - bateria

Poisonblack - A Dead Heavy Day
(2008 / Century Media Records - importado)

01. Introuder
02. Diane
03. Left Behind
04. Bear The Cross
05. A Dead Heavy Day
06. Me Myself And I
07. X
08. Human-Compost
09. The Days Between
10. Hatelove
11. Low Life
12. Only You Can Tear Me Apart

Homepage: www.poisonblackbrasil.tk




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Poison Black"


Guitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar WorldGuitarra
Os melhores solos da história segundo a Guitar World

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336