Iced Earth: incômoda aura burocrática em parte do álbum

Resenha - Crucible Of Man; Something Wicked Part II - Iced Earth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


O ambicioso "Framing Armageddon (Something Wicked Part I)", lançado no ano passado, foi o reflexo de uma incômoda fase que já vinha se estendendo há tempos para o Iced Earth, em especial pela rejeição de parte do público em relação ao esforçado Tim Owens. Tanto que não é novidade para ninguém que, depois de liberado o álbum, o pobre Owens foi demitido e quem preencheu seu posto foi o amado ex-vocalista Matt Barlow.

Mesmo com a questionável decisão em se mudar a voz para a sequência de um disco conceitual, "The Crucible Of Man" segue com uma abordagem bem semelhante à primeira parte, seja com o uso de elementos orquestrados, seja com coros nos refrões ou em outras passagens das composições. Os esforços do guitarrista carrasco (ops!) Jon Schaffer geraram boas canções, mas ainda assim permanece uma incômoda aura burocrática dispersa sobre parte do repertório.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E olha que houve uma melhoria em vários pontos... Esta continuação está mais direta e pesada, com melhores solos (convenhamos, a primeira parte se mostrou pífia neste sentido, certo?) e, por mais que Owens tenha feito um excelente trabalho, é inegável que o carismático Matt Barlow seja a voz correta para o Iced Earth. Seu estilo permanece praticamente inalterado desde que ele deixou o conjunto, e a forma como mescla linhas agressivas e melodiosas o transforma em parte vital na sonoridade da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Há quatro grandes canções em "The Crucible Of Man": "I Walk Alone", "Crucify The King", "Divide And Devour" (temos uma boa veia Thrash aqui, enfim!), além da bonita balada "A Gift Or A Curse". Na seqüência, também se destacam "Sacrificial Kingdoms" e "Harbinger Of Fate", com sinos sendo um incremento e tanto à composição.

Enfim, se o leitor apreciou "Framing Armageddon", com certeza não terá o que reclamar de "The Crucible Of Man", pois é uma continuação sensata, ainda que incomparável com o que a banda liberou em sua fase áurea. Para aqueles que não abrem mão da linha mais Thrash mesclada ao Power Metal adotada no passado, bom... Será necessário esperar pelo próximo álbum de inéditas, torcendo para que a dupla Schaffer e Barlow venha focada em algo fundamentalmente pesado, com aqueles riffs ganchudos e melodias apaixonantemente épicas, que tantos vêm sentindo falta! Enquanto isso...

Formação:
Matt Barlow - voz
Jon Schaffer - guitarra
Troy Seele - guitarra
Freddie Vidales - baixo
Brent Smedley - bateria

Iced Earth - The Crucible Of Man - Something Wicked Part II
(2008 - Steamhammer/SPV / Hellion Records – nacional)

01. In Sacred Flames
02. Behold The Wicked Child
03. Minions Of The Watch 2:06
04. The Revealing
05. A Gift Or A Curse
06. Crown Of The Fallen
07. The Dimension Gauntlet
08. I Walk Alone
09. Harbinger Of Fate
10. Crucify The King
11. Sacrificial Kingdoms
12. Something Wicked (Part 3)
13. Divide And Devour
14. Come What May
15. Epilogue

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Homepage: www.icedearth.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iced Earth: primeiro disco será lançado em edição remasterizada; ouça prévia

Iced Earth: comemorando 30 anos com versão remixada e remasterizada do 1º discoIced Earth
Comemorando 30 anos com versão remixada e remasterizada do 1º disco


Iced Earth: Jon Schaffer fala sobre troca de vocalistasIced Earth
Jon Schaffer fala sobre troca de vocalistas

Iced Earth: Schaffer responde por que a banda não se tornou grandeIced Earth
Schaffer responde por que a banda não se tornou grande


Batom, laquê...: Como formar uma banda de Hard Rock em 69 liçõesBatom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 CliHo Cli336