The Force: vivem do passado e não dão a mínima

Resenha - Old School Metal Onslaught - Force

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos


Inglaterra, 1976, surge o The Clash. Praticamente nas mesmas época e região, inicia-se um fortíssimo movimento chamado de NWOBHM (New Wave Of British Heavy Metal). Auburn, Estados Unidos, 1982, o Manowar debuta com "Battle Hymns". Califórnia, 1983, o Metallica estrea com "Kill 'Em All", lança "Ride The Lightning" um ano depois, e impulsiona a explosão do Thrash Metal. Paraguai, 2007, nasce o The Force, filho bastardo de um encontro surubótico das bandas supracitadas.

Ivete Sangalo: "Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda Lima

Você acha que eles se sentem ofendidos com isso? De maneira alguma. Logo na primeira faixa, "Thrash Til We Die", o grupo, oriundo do findado Overlord, manda recado àqueles que disseram, dizem, e dirão que eles vivem do passado. Eles vivem mesmo, e não vão dar a mínima aos que se opuserem a isso.

A proposta dos paraguaios - de contrato assinado com a gravadora brasileira Kill Again Records - é declarada no título da Demo, "Old School Metal Onslaught", e se mostra razoavelmente eficaz.

Exceto pelo tema principal de "Heathen's Attack", totalmente extraído da NWOBHM, o que nossos vizinhos fazem é simples: Thrash Metal da velha guarda com letras à la Manowar e um vocal que pode até buscar inspirações em seus ídolos do Metal da década de oitenta, mas que soa como Joe Strummer.

Afora a dedicação a tudo que começou a ser praticado há vinte, vinte e cinco atrás, o The Force não apresenta qualquer direcionamento que consiga organizar suas idéias, tampouco demonstra estar totalmente acertado em qualquer vertente pela qual se aventure.

O quarteto compõe dentro daquilo que se propõe e se sai bem. Além disso, tem potencial, falha pouco nas execuções e até supera audíveis dificuldades de gravação e limitações de equipamentos e instrumentos que utiliza. Precisa melhorar para um CD completo? Muito. Todavia, ainda que, por vezes, tropece nas próprias pernas, a banda agrada e diverte nestes quinze minutos de sua primeira Demo.

Formação:
Mike Martínez (vocais e guitarra)
Sebass Román (baixo)
César Ferreira (bateria)
Carlos Carvalho (bateria)

The Force - Old School Metal Onslaught
01. Thrash Til We Die
02. Storm Of Steel
03. Evil Word
04. Heathen's Attack

Contatos: theforce_band@hotmail.com
Site Oficial: www.myspace.com/theforcethrash




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Force"


Ivete Sangalo: Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e RushIvete Sangalo
"Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"

Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336