Free: o segundo álbum, entre o blues e o hard rock

Resenha - Free - Free

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


"Fire and Water", lançado em 1970, é o disco mais conhecido do Free. Maior sucesso comercial do grupo, traz alguns dos maiores clássicos da banda, como a antológica "All Right Now", o hard clássico de "Fire and Water" e o pesadíssimo blues "Mr Big". Todo esse reconhecimento acaba, mesmo involuntariamente, ofuscando os outros trabalhos do grupo, fazendo com que os holofotes estejam focados em um único lugar. Por isso, escrever sobre um álbum como "Free", segundo registro do grupo inglês, acaba sendo uma obrigação.

287 acessosAlta Fidelidade: uma homenagem a Paul Rodgers5000 acessosAs regras do Death Metal

Após lançar o debut "Tons of Sobs" em novembro de 1968, Paul Rodgers, Paul Kossoff, Andy Fraser e Simon Kirke entraram em estúdio em abril de 1969 e começaram as gravações de seu segundo disco. A sonoridade de "Free" transita entre o blues de "Tons of Sobs" e o hard rock que marcaria seu próximo trabalho, o já citado "Fire and Water". Além disso, há em "Free" algumas pitadas de soul (principalmente nas interpretações de Paul Rodgers) e funk (na malícia da guitarra de Kossoff e no balanço da cozinha de Fraser e Kirke), o que coloca um tempero a mais na já muito bem azeitada música do grupo.

O trabalho abre com "I´ll Be Creepin´", um blues funk sacana e sensual. Primeiro e único single do disco (cujo lado B trazia "Sugar for Mr Morrison"), destaca-se pela linha segura do baixo de Andy Fraser e pela voz única de Rodgers, que canta com um sentimento que vem do fundo da alma. A cativante "Songs of Yesterday", um dos cavalos de batalha da banda, destaca-se pelo excepcional trabalho de guitarra de Paul Kossoff, repleto de classe e sentimento. A reflexiva "Living in the Sunshine" exterioriza as influências soul de Rodgers e, simultaneamente, mostra toda a sensibilidade de Kossoff ao violão.

O clima volta a esquentar com "Trouble on Double Time", um hard rock repleto de balanço onde o destaque é a interpretação de Paul Rodgers. O contraponto vem com "Mouthful of Grass", uma bela música instrumental, onde coros vocais surgem no arranjo acrescentando ainda mais harmonia à composição. Como curiosidade, vale citar que "Mouthful of Grass" foi lançada como b-side do single de "All Right Now" em maio de 1970, funcionando como perfeita antítese ao apogeu hard daquele que é o maior clássico do Free. O blues rock dá as caras na ótima "Woman", uma das mais consistentes músicas lançadas pelo grupo em toda a sua carreira, trazendo performances individuais absolutamente brilhantes de Rodgers, Kossoff, Fraser e Kirke.

A climática e hipnótica "Free Me", calcada no baixo de Andy Fraser, traz um ótimo arranjo onde os destaques são os backing vocals e o solo de Paul Kossoff, que lentamente entrega notas simples mas carregadas de emoção. "Broad Daylight" reúne o peso instrumental do grupo ao apelo soul da voz de Paul Rodgers, e traz mais um ótimo solo de Kossoff. Outra curiosidade: "Broad Daylight" foi o primeiro single lançado pelo Free, em março de 1969, sendo sucedido por "I´m Mover / Worry", faixas do disco de estréia da banda, "Tons of Sobs", de 1968.

"Free" encerra-se com a balada "Mourning Sad Morning", onde a interpretação única de Paul Rodgers ganha o acompanhamento de uma inusitada flauta doce tocada por Chris Wood (Traffic) que, ao lado dos inspirados backing vocals, fazem com que ela seja, ao mesmo tempo, uma das mais belas canções registradas pelo Free e uma das mais diferentes músicas que o grupo gravou.

O álbum ganhou uma excelente reedição remasterizada em 2001, que trouxe nada mais nada menos que dez faixas extras. Estão lá o primeiro compacto do grupo ("Broad Daylight / The Worm"); as versões do compacto "I'll Be Creepin' / Sugar for Mr. Morrison", onde "I´ll Be Creepin´" soa mais crua que a mixagem final presente no disco; "Songs of Yesterday" e "Broad Daylight" gravadas ao vivo nos estúdio da BBC, em Londres; "Mouthful of Grass (Solo Version)", onde temos apenas o violão de Paul Kossoff, deixando claro todo o talento e sensibilidade do falecido guitarrista; versões alternativas de "Woman" e "Mourning Sad Morning", além de "Trouble On Double Time" em um de seus primeiros registros, bem diferente da versão final que conhecemos, mostrando o quanto o grupo evoluiu seu arranjo até chegar naquele que julgaram ideal.

Historicamente, foi neste segundo trabalho que a parceria entre Paul Rodgers e Andy Fraser se consolidou. Os dois dominam a composição das faixas do disco, preparando o terreno para o que iriam fazer em "Fire and Water" e nos trabalhos seguintes do grupo.

"Free" é um ótimo disco daquilo que se convencionou chamar de blues rock, devidamente acrescido do peso do hard rock e de um muito bem-vindo tempero funk.

Clássico e obrigatório.

Faixas:
1. I'll Be Creepin'
2. Songs of Yesterday
3. Lying in the Sunshine
4. Trouble on Double Time
5. Mouthful of Grass
6. Woman
7. Free Me
8. Broad Daylight
9. Mourning Sad Morning
10. Broad Daylight (Single Version)
11. The Worm (Single Version)
12. I'll Be Creepin' (Single Version)
13. Sugar for Mr. Morrison (Single Version)
14. Broad Daylight (BBC Session)
15. Songs of Yesterday (BBC Session)
16. Mouthful of Grass (Solo Version)
17. Woman (Alternative Version)
18. Trouble on Bouble Time (Early Version)
19. Mourning Sad Morning (Alternative Version)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

287 acessosAlta Fidelidade: uma homenagem a Paul Rodgers0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Free"

Rock Hall Of FameRock Hall Of Fame
25 bandas que ainda precisam ser nomeadas

Total GuitarTotal Guitar
Os 20 melhores riffs de guitarra da história

FreeFree
"Fãs tinham pena de Kossoff" diz Kirke

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Free"


HumorHumor
Urros, raiva, dor, sangue! As regras do Death Metal!

NXZeroNXZero
"Nossa cena foi o último movimento de rock relevante"

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

5000 acessosIron Maiden: o pior momento de Bruce Dickinson no palco5000 acessosKeith Richards: as 10 vezes em que o guitarrista escapou da morte5000 acessosOs roqueiros mais chatos das redes sociais5000 acessosAudioslave: filmagem profissional de Serj Tankian cantando "Like a Stone"5000 acessosKorn: vocalista diz que Sepultura os copiou em Roots5000 acessosSlash: "nunca perdemos nossa integridade", diz guitarrista

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.