Gorefest: tradição do Death Metal com aditivos

Resenha - Rise To Ruin - Gorefest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Lá pela segunda metade da década de 1990 o Gorefest conseguiu chocar os adeptos do Death Metal quando liberou dois álbuns de Death'n'Roll. É, isso existe! Confirmem com o excelente "Soul Survivor, de 96, por exemplo. Parte da crítica e público malharam impiedosamente esta fase e assim um dos maiores nomes da música extrema da Holanda acabou por se separar, assim permanecendo por sete anos. Este tempo parece ter feito com que seus músicos colocassem as idéias nos seus devidos lugares, o que foi verificado com "La Muerte" (05), bom registro que marcou o retorno da banda ao cenário e ao estilo que a consagrou.

Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?"Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilam

E com "Rise To Ruin" o Gorefest decididamente regressou para ficar. O novo disco foi produzido pelo próprio grupo e musicalmente segue com boas doses do padrão exibido em seus três primeiros álbuns, além de, obviamente, a natural evolução pela qual a maioria dos músicos sofre. Vocais cavernosos, instrumental repleto de detalhes, variação em seus arranjos e uma brutalidade incansável que vez ou outra é entremeada com alguns arranjos mais melódicos, que, já adianto, não desvalorizam em nada a faceta extrema do gênero.

Assim sendo, a transição das passagens velozes, cadenciadas, arrastadas e até mesmo 'mezzo' climáticas são sabiamente estruturadas de forma a tornar a audição extremamente dinâmica, mas permanecendo a sensação geral de que tudo é bastante direto. Este é o grande lance no CD, que ficam representados por faixas incríveis como a abertura "Revolt", "Rise To Ruin", "A Question Of Terror", "Babylon's Whores", "A Grim Charade" (que beleza de solo!) e "The End Of It All".

Um excelente trabalho que apresenta Jacob Bredahl (Hatesphere) cantando em duas canções; e a versão nacional conta ainda com duas faixas-bônus. São aproximadamente 57 minutos que mostram muito da tradição do Death Metal, mas com o aditivo de que seus músicos não temem em explorarem novos e requintados territórios sem manchar o furioso núcleo de sua proposta.

Formação:
Jan-Chris De Koeijer - voz e baixo
Boudewijn Bonebakker - guitarra
Frank Harthoorn - guitarra
Ed Warby - bateria

Gorefest - Rise To Ruin
(2007 - Nuclear Blast / Laser Company - nacional)

01. Revolt
02. Rise To Ruin
03. The War On Stupidity
04. A Question Of Terror
05. Babylon's Whores
06. Speak When Spoken To
07. A Grim Charade
08. Murder Brigade
09. The End Of It All
10. Surrealism (faixa bônus)
11. Dehumanization (faixa bônus)

Homepage: www.gorefest.nl/


Outras resenhas de Rise To Ruin - Gorefest

Gorefest: novos bons ares à carreira do grupo


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gorefest"


Joe Satriani: por que ele não entrou no Deep Purple?Joe Satriani
Por que ele não entrou no Deep Purple?

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin