Resenha - Score; An Epic Journey - Epica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Qualquer um que conheça os discos “The Phantom Agony” (03) e “Consign To Oblivion” (05), do holandês Epica, percebe a forte influência que as trilhas sonoras exercem em sua música. Então nada mais natural que surgisse a oportunidade de compor para um filme produzido em seu país, e este se chama “Joyride”. Os arranjos ficaram principalmente aos cuidados de Mark Jansen (guitarra e voz) e Yves Huts (baixo), e o álbum acabou por levar o sugestivo título “The Score – An Epic Journey”, sendo liberado logo depois do lançamento de seu segundo registro.
618 acessosEpica: EP The Solace System será lançado em setembro5000 acessosLuxúria: uma lista de alguns dos clipes mais sexys da história

Admitindo que tivessem como objetivo atingir o nível dos mestres do gênero, Danny Elfman (Batman, Homens de Preto, Homem Aranha) e Hans Zimmer (O Rei Leão, O Último Samurai, Gladiador), o Epica compôs um trabalho praticamente todo orquestrado e sem guitarras, baixo ou bateria. O álbum traz mais canções do que se ouve durante o filme, sendo que “Trois Vieges” (aqui sem a presença de Roy Khan, do Kamelot), “Solitary Ground” e a belíssima “Quietus”, já apareciam originalmente em “Consign To Oblivion”, e se caracterizam por serem as únicas que contam com a voz de Simone Simons.

Talvez a melhor palavra que defina “The Score” é “viagem”, em função de todos os elementos sinfônicos e bombásticos que tendem a manter a atenção do telespectador/ouvinte. São tantos detalhes em suas estruturas que invariavelmente evocam imagens com suas melodias ora épicas, ora sinistras, ou introspectivas e melancólicas.

Mesmo com a total isenção de seu conhecido Gothic Metal, é inegável que “The Score” traz muitos traços de Epica. Mark, Yves e demais envolvidos fizeram um trabalho diferente e muito bonito, mas com certeza haverá as naturais reclamações de que este disco não deveria sair sob o nome Epica. É até compreensível, mas e daí? A banda não parece estar muito preocupada com isso...

Epica - The Score – An Epic Journey
(2005 / Transmission Records – 2006 Hellion Records – nacional)

01. Vengeance Is Mine
02. Unholy Trinity
03. The Valley
04. Caught In A Web
05. Insomnia
06. Under The Aegis
07. Trois Vierges (Solo Version)
08. Mystica
09. Valley Of Sins
10. Empty Gaze
11. The Alleged Paradigm
12. Supremacy
13. Beyond The Depth
14. Epitome
15. Inevitable Embrace
16. Angel Of Death
17. The Ultimate Return
18. Trois Vierges (Reprise)
19. Solitary Ground (Single Version)
20. Quietus (Score Version)

Homepage: www.epica.nl

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Simone SimmonsSimone Simmons
"Tenho cérebro, não sou apenas peitos e bunda"

618 acessosEpica: EP The Solace System será lançado em setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Epica"

Simone SimonsSimone Simons
Musa elege atrizes para interpretá-la no cinema

Musas do MetalMusas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Simone Simons muito antes da fama

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Epica"

LuxúriaLuxúria
Uma lista de alguns dos clipes mais sexys da história

DécadasDécadas
Você percebe que ouve Heavy Metal há muito tempo...

Lars UlrichLars Ulrich
"Eu era o maior fã do Iron Maiden"

5000 acessosSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?5000 acessosKiss: "Rock and roll é um trabalho para otários!"5000 acessosRob Halford: Uma resposta educada a comentários de Dickinson5000 acessosGrunge: Restou apenas um herói5000 acessosBilly Corgan: Weiland, Staley e Cobain, as vozes de nossa geração5000 acessosCannibal Corpse: Saiba como é dentro de um circle pit

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online