Resenha - Astronomy - Dragonland

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em meio a tantas bandas de Power Metal Melódico cujas músicas nada mais são do que reciclagens de gosto duvidoso, o Dragonland mostra que tem algo de bom a oferecer. Ouvindo “Astronomy”, seu quarto álbum, fica a certeza de que estes suecos conseguirão ainda mais atenção dos amantes do gênero, considerando que muitos já apreciaram o bom “Starfall” (04), que inclusive foi disponibilizado ao mercado brasileiro via Century Media.
5000 acessosMuito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmea5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta

Não abandonando completamente, mas se afastando ainda mais das sinfonias do início de sua carreira, o Dragonland vem investindo cada vez mais em uma mescla de estilos com arranjos tão sofisticados e variados que beiram o progressivo. A maturidade das canções comprova o controle deste sexteto em combinar refrãos memoráveis com bonitas melodias das guitarras pesadas, às vezes bem velozes, tendo como resultado um disco cuja audição flui de forma muito agradável.

Entre as boas faixas, destacam-se a bonita ”Cassiopeia”, cuja alternância de vozes masculinas e femininas ficou totalmente satisfatória e, ainda sobre duo de vozes, a otimista e acessível “Too Late For Sorrow” também agrada. Inesperadamente, o vocalista Heidegert literalmente rosna e grita de forma brutal, mas sem comprometer as melodias da excelente “Antimatter”. A mescla de metal e música clássica se mostra em “The Scrolls Of Geometria Divina” e nas incríveis guitarras e teclados de “Beethoven's Nightmare”.

Mas o ápice do álbum fica para seu fechamento. A trilogia “The Old House On The Hill” é a mais ousada e com momentos instrumentais que são dignos do termo progressivo. Arranjos orquestrados, melancolia se intercalando com momentos obscuros, com várias passagens que poderiam facilmente constar em trilhas destes filmes de fantasia.

Com uma excelente produção que realça a nitidez dos instrumentos, “Astronomy” ganha pontos em sua busca por inovação num gênero onde tal feito é realmente difícil. Confesso que sempre considerei o Dragonland apenas mais um conjunto entre tantos outros, mas várias destas novas canções me fizeram prestar mais atenção em seu nome. Aos amantes de metal melódico e variado: vale uma boa conferida!

Formação:
Jonas Heidegert - voz
Nicklas Magnusson - guitarra
Olof Mörck - guitarra
Christer Pedersen - baixo
Elias Holmlid - teclados
Jesse Lidskog - bateria

Dragonland – Astronomy
(2006 / Century Media Records – importado)

01. Supernova
02. Cassiopeia
03. Contact
04. Astronomy
05. Antimatter
06. The Book Of Shadows Part IV: The Scrolls Of Geometria Divina
07. Beethoven's Nightmare
08. Too Late For Sorrow
09. Direction: Perfection
10. The Old House On The Hill
Parte 1 - A Death In The Family
Parte 2 - The Thing In The Cellar
Parte 3 - The Ring Of Edward Waldon

Homepage: www.dragonland.se

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dragon Land"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dragon Land"

InstrumentosInstrumentos
Muito antes do Led Zeppelin, a origem da guitarra gêmea

Heavy MetalHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

AngraAngra
Rafael Bittencourt solta desabafo sobre apresentação no Carnaval

5000 acessosMetallica: corrigindo a injustiça contra Jason Newsted5000 acessosKiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 20085000 acessosMegadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo5000 acessosLeoni, ex-Kid Abelha: "Roger sempre foi liberal, mas o Lobão gosta é de polêmica"5000 acessosMotorhead: a dieta que mantinha Lemmy jovem e viçoso5000 acessosKurt Cobain: empresário rezou que morte tivesse sido assassinato

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online