Resenha - Ragnarok - Tyr

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Tyr é o único conjunto de Heavy Metal que vem das ilhas Feroe (território autônomo da Dinamarca, localizado acima do Reino Unido) cuja música tem conseguido ultrapassar as fronteiras de seu pequeno arquipélago. Formado em 1998 e tendo atualmente como membros Heri Joensen (voz e guitarra), Terji Skibenaes (guitarra), Gunnar H. Thomsen (baixo) e Kari Streymoy (bateria), este pessoal já vinha causando certa expectativa desde seu último disco, "Eric The Red" (03), que obteve uma recepção bastante positiva por parte dos headbangers europeus.

Sign of the horns: o sinal do DemônioMick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

O conceito de "Ragnarok" tem como foco o crepúsculo dos deuses nórdicos e a derradeira batalha em Asgard. Dito isto e somando-se à belíssima concepção gráfica, fica claro que o termo melhor aplicável à proposta do Tyr é o assim chamado Viking Metal. E o quarteto progrediu sensivelmente, com idéias muito boas para as canções, mesmo que as mesmas precisem de certo tempo para que o disco seja devidamente digerido.

Os arranjos estão bem mais trabalhados - em especial a parte das guitarras, onde Heri se mostra um quase virtuoso - que seus antecessores, mantendo a distorção sem abrir mão de melodias épicas bem sacadas entrelaçadas a boas doses de doom e elementos folclóricos de seu país. As vocalizações são bem simples e agradáveis, cantadas tanto em inglês quanto em feroense, a língua nativa dos músicos, e o bacana disso tudo é que, no geral, sua música consegue ter algumas características que são imediatamente reconhecíveis como somente suas, ou seja, estão definindo seu próprio estilo.

Em meio a 11 canções intercaladas com cinco instrumentais bem encaixados, sobressaem-se as lentas e poderosas "The Hammer Of Thor" e principalmente "Brother's Bane", faixas majestosas com refrãos geniais que remetem diretamente à mitologia viking. Mas quem leva o grande prêmio mesmo é "Wings Of Time", pois apresenta as melhores guitarras de todo o disco e traz ainda uma mescla de cânticos vikings com linhas vocais em inglês, com excelente resultado.

O disco possui ainda inúmeros momentos onde cada ouvinte encontrará o seu preferido, mas tendo como ponto em comum "Grímur Á Midalnesi", que é uma bonita canção popular Feroense composta em 1966, e a própria "Ragnarok", que transborda solenidade, sendo mais progressiva e melancólica em comparação com o restante das faixas.

Um trabalho muito bem feito e um grande passo adiante. O Tyr é uma banda para se acompanhar no futuro, e quem conhece seus trabalhos anteriores poderá se surpreender positivamente, pelo menos assim que assimilar a idéia de "Ragnarok". Quanto aos leitores quem ainda não tiveram a oportunidade de escutar esta boa banda, suponho que este seja o disco ideal para se iniciar.

Tyr - Ragnarok
(2006 / Napalm Records - importado)

01. The Beginning
02. The Hammer Of Thor
03. Envy
04. Brother's Bane
05. The Burning
06. The Ride To Hel
07. Torsteins Kvaedi
08. Grímur Á Midalnesi
09. Wings Of Time
10. The Rage Of The Skullgaffer
11. The Hunt
12. Victory
13. Lord Of Lies
14. Gjallarhornid
15. Ragnarok
16. The End

Homepage: www.tyr.net




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tyr"


Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São PauloMick Jagger
Em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Epica: foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?Epica
Foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?

Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasIndústria
Atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

Stoner Rock: Um guia básico para o estiloStoner Rock
Um guia básico para o estilo

Guns N' Roses: cachaça, 250 toalhas brancas e massagistas em BrasíliaGuns N' Roses
Cachaça, 250 toalhas brancas e massagistas em Brasília

Feeling: Existe no rock/metal moderno? 7 músicas que comprovamFeeling
Existe no rock/metal moderno? 7 músicas que comprovam


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336