Resenha - Acústico MTV - Lenine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos


Cercado de expectativas, o mais roqueiro dos artistas da MPB - e o mais MPB dos roqueiros - Lenine aceitou o convite da MTV Brasil para, no auge de sua carreira, gravar pelo selo da emissora.

Cradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religiãoDinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"

A grande pergunta era se um ao vivo, acústico, nos moldes da MTV - mesmo que ele tivesse carta branca para a maioria das decisões - conseguiria se tornar válido, principalmente depois de um outro ao vivo (In Cité), praticamente também acústico, em um formato muito mais inovador do que a tão batida orquestra dos últimos dez acústicos da casa.

Lenine surpreende com convidados desconhecidos do grande publico (a harpista Cristina Braga, que embeleza ainda mais a já linda "Paciência) ou inesperados (Igor Cavalera - ex-Sepultura - em "Dos Olhos Negros"), algumas faixas inéditas em lançamentos oficiais e um apanhado de musicas de todas as fases da sua carreira, incluindo o maravilhoso "Olho de Peixe" e passando por clássicos dos discos "O Dia Em Que Faremos Contato" e "Na Pressão".

E o resultado? Bem, digamos que tudo que Lenine fez em sua carreira está bastante acima da média (mesmo levando o referencial para os níveis mais altos da música brasileira) e com esse acústico não seria e não é diferente. Mas as expectativas não são superadas em sua plenitude. Os arranjos da orquestra, na grande maioria das músicas, deixam as composições mais comuns. Tira o som tão próprio que Lenine foi moldando durante anos, e seu grande diferencial periga sumir dentro de arranjos desnecessários em uma música já rica o suficiente.

Acertos? Sim, principalmente quando se correram os maiores riscos. É o caso de "A Ponte", que ganhou um arranjo diferente e se tornou um dos grandes destaques do show, ou com o chileno Victor Astorga, que toca seu oboé em "O Último Pôr do Sol".

Se as antigas acabam decepcionando, as novas como "O Atirador" ou "Miedo", parceria de Lenine com Pedro Guerra, com a participação da cantora mexicana Julieta Venegas, mostram que o pernambucano continua compondo muito bem. Nada que um CD de estúdio com músicas inéditas não resolva. Até porque a proposta deve mesmo ter sido irrecusável. Pelo menos a MTV vai passar música boa por algum tempo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lenine"


Cradle Of Filth: Dani Filth explica seu conceito de religiãoCradle Of Filth
Dani Filth explica seu conceito de religião

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adClioIL