Resenha - Pink Bubbles Go Ape (Expanded Edition) - Helloween

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar Correções  

8


Após os dois consagrados discos da saga "Keeper Of The Seven Keys", e com a difícil missão de não apenas sucedê-los mas também tendo que substituir o guitarrista Kai Hansen, que havia saído para formar o Gamma Ray, o Helloween levou cerca de 3 anos para compor e gravar seu novo disco, que até hoje gera polêmica entre os fãs e é agora relançado com vários extras.

Helloween: banda divulga vídeo de "How Many Tears" ao vivo no Wacken 2018

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1985

A virada dos anos 80 para os 90 não foi das mais simples para o Helloween. Mudaram de gravadora, da original Noise Records para a gigante EMI. Substituíram o guitarrista fundador (e eventual vocalista) Kai Hansen, ainda por cima um de seus principais compositores, por Roland Grapow. E ainda houve grande confusão na escolha do produtor do disco: o guitarrista Michael Weikath queria o retorno do dinamarquês Tommy Hansen (do Pretty Maids), enquanto que a gravadora preferiu um produtor profissional, Chris Tsangarides.

Com tudo isso resolvido, a banda entrou no estúdio. Além de Weikath e Grapow nas guitarras, completavam o time o vocalista Michael Kiske, o baixista Markus Grosskopf e o baterista Ingo Schwichtenberg. Weikath não parecia estar num bom momento, logo não contribuiu muito na composição do material novo. Sua música "Heavy Metal Hamsters", por exemplo, foi originalmente imaginada para um lado B de um single, até por fazer brincadeira com eles próprios (Helloween), e citar clássicos do rock (por exemplo, o riff inicial é chupado de "Rat Bat Blue", do Deep Purple). O produtor Tsangarides foi quem os convenceu a incluir a música no disco.

Há músicas bem no estilão clássico do Helloween, como a excelente "Kids Of The Century" e também "Mankind", por exemplo. Mas o que se vê nesse disco era uma mudança de rumo da banda, com um som mais direto e mais comercial, tentando atingir mais sucesso ainda que nos álbuns predecessores (o que acabou não ocorrendo, muito pelo contrário).

É fácil de se notar em músicas como "Back On The Streets" e "Number One" que a proposta era de fato outra, algo como um mix de hard rock com heavy metal, e não o speed metal melódico de outrora. Mesmo assim, algumas músicas se destacam, tais como as já citadas "Kids Of The Century" e "Mankind", bem como "Goin’ Home", de Kiske, que possui ótimos solos de guitarra e até de baixo, e "Someone’s Crying" e "The Chance", ambas de Grapow, intrigantemente similares (até certo ponto) ao material antigo da banda. Em "Someone’s Crying" é digna de nota a bateria caótica (no bom sentido) de Schwichtenberg. Fechando o disco, uma inusitada balada de Kiske, "Your Turn", uma boa música mas certamente uma forte indicação de que o grupo seguiria novos caminhos no disco a seguir.

De qualquer forma, trata-se de um disco muito bom, não no mesmo nível dos 2 anteriores mas ainda mantendo o pique, em especial se levarmos em consideração os problemas pelos quais o grupo passou nos anos anteriores. Como destaque também, o amadurecimento de Michael Kiske como vocalista e como compositor de mão cheia, bem como o reconhecimento do acerto na escolha de Grapow para as 6 cordas.

O material extra incluído neste lançamento é mais uma vez bem apropriado, basicamente todos os lados B dos singles lançados para promoção do LP original. Entre as músicas nitidamente "metidas a engraçadinhas", havia no entanto uma saudável exceção: a ótima instrumental "Les Hambourgeois Walkways", uma irônica referência a "Parisienne Walkways", de Gary Moore e Phil Lynott (Thin Lizzy), esta pertencente ao disco "Back On The Streets", de Moore, curiosamente produzido por... Chris Tsangarides! Coincidência?

O novo encarte de 12 páginas, como habitual, inclui entrevista com Michael Weikath, com ótimos comentários sobre o que ocorria na época do disco, bem como letras, fotos, etc. Mais uma bola dentro da Sanctuary, recomendado!

Tracklist:
1. Pink Bubbles Go Ape
2. Kids Of The Century
3. Back On The Streets
4. Number One
5. Heavy Metal Hamsters
6. Goin' Home
7. Someone's Crying
8. Mankind
9. I'm Doin' Fine, Crazy Man
10. The Chance
11. Your Turn

Bonus Tracks:

12. Blue Suede Shoes ("Kids Of The Century" Single B-Side)
13. Shit And Lobster ("Kids Of The Century" Single B-Side)
14. Les Hambourgeois Walkways ("Number One" Single B-Side)
15. You Run With The Pack ("Number One" Single B-Side)

Site oficial: http://www.treasurechest.de/




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Helloween: banda divulga vídeo de How Many Tears ao vivo no Wacken 2018Helloween
Banda divulga vídeo de "How Many Tears" ao vivo no Wacken 2018

Helloween: e se Bruce Dickinson fosse o vocalista em I Want Out?Helloween
E se Bruce Dickinson fosse o vocalista em "I Want Out"?

Iron Maiden: por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate? Nicko respondeIron Maiden
Por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate? Nicko responde

Lista: vocalistas que mudaram a história de suas bandas para sempreLista
Vocalistas que mudaram a história de suas bandas para sempre

O Mapa do Metal: Grandes bandas de Heavy Metal da AlemanhaO Mapa do Metal
Grandes bandas de Heavy Metal da Alemanha

Helloween: banda divulga vídeo de Dr. Stein ao vivo em São PauloHelloween
Banda divulga vídeo de "Dr. Stein" ao vivo em São Paulo


Helloween: do que Michael Kiske se arrepende?Helloween
Do que Michael Kiske se arrepende?

Helloween: Michael Kiske não é mais totalmente contra uma reuniãoHelloween
Michael Kiske não é mais totalmente contra uma reunião


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1985Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1985

Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposBateristas
Os 30 melhores de todos os tempos


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin