Resenha - Enter The Gate - Narnia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Heck
Enviar Correções  

9


Este quinto registro do Narnia gerou bastante expectativa, devido ser o primeiro disco lançado após o surgimento do excelente projeto Divine Fire, em que Christian Rivel, vocalista, e outros integrantes da banda, obtiveram resultados surpreendentes em todos os aspectos. Esperava-se fortes influências deste projeto, o que não aconteceu. Mas o que rolou foi um álbum diferente do esperado, em que os suecos se superaram mais uma vez.

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Nirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain

Lançado primeiramente no Japão, em março/2006 e no mês seguinte na Europa, "Enter de Gate" é um disco atípico. Por mais que os integrantes tenham dito antes do lançamento que seria o trabalho mais pesado do Narnia, este é justamente o trabalho mais progressivo e com as melhores "lentas" já compostas por eles, como por exemplo, "Take me home" e "The Man from Nazareth", que roubam a cena do disco, por soarem diferentes de tudo que o grupo já gravou.

Mas antes das influências de progressivo, na primeira faixa, "Into The Game", que está no topo em rádios da Europa, caminham pelo hard/metal ao estilo Audiovision (outro projeto de Rivel). Também trilham pelo power metal em "People of the bloodred cross", rica em riffs e backing vocals muito bons. Ainda destaco "Enter the Gate", que traz uma levada diferenciada e "Aiming Higher", que tem uma introdução que lembra bastante a música "Long Live the King".

"Enter the Gate" vem recheado de boas composições, bom gosto e agressividade na medida certa, porém, não existem aqueles milhares de riffs espalhados pelo disco como nos dois primeiros álbuns, nem soa com a atmosfera neoclássica que consagrou a banda no "Long Live The King". O que ouvirmos agora é o resultado das diversas influências dos integrantes, dando lugar ao próprio estilo do Narnia.

O ambiente criado pelos teclados é original e deliciosa de se ouvir em algumas introduções, como na música "Show all the world" e nos pianos de "The Man from Nazareth". Nas guitarras, Carljohan Grimmark continua se distanciando de suas influências de Malmsteen, mas impondo sua peculiaridade com seus solos impossíveis. Andreas Olsson, baixista, tem uma atuação discreta, e na bateria, Andreas Johansson, é bastante técnico em seu instrumento. Christian Rivel nos vocais dispensa maiores comentários. Seu ponto positivo foi não explorar os agudos, onde algumas vezes soa forçado. Mats Levén (ex-Malmsteen, At Vance) participa como convidado nas vozes de apoio.

Com nove músicas que exploram diferentes ambientes, Narnia consegue trazer mais um ótimo disco, sem se distanciar de suas características. O trabalho não chama a atenção na primeira audição, por isso, ouça bastante antes de opinar e provavelmente você irá concordar comigo. Long Live The King!


Christians Voice

O impagável anti-rockO impagável anti-rock

White Metal Top 100White Metal Top 100

Christian's Voice: Amos, pioneiros do underground cristão nacionalChristian's Voice
Amos, pioneiros do underground cristão nacional

Christian's Voice: Ônix 8, pioneirismo no harcore melódico na cena cristãChristian's Voice
Ônix 8, pioneirismo no harcore melódico na cena cristã

Roger Franco: Muito além do Ministério Paixão Fogo e GlóriaRoger Franco
Muito além do Ministério Paixão Fogo e Glória

Todas as matérias sobre "Christians Voice"



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Nirvana: Krist Novoselic comenta o suicídio de CobainNirvana
Krist Novoselic comenta o suicídio de Cobain


Sobre Márcio Heck

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin