Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemA faixa do clássico "Exile on Main St." que os Stones só tocaram uma vez ao vivo

imagemComo Bono Vox e o U2 influenciaram um dos discos mais importantes do Sepultura


Stamp

Resenha - AC/DC - In The Beginning

Por Marcos A. M. Cruz
Em 04/02/06

Conversando outro dia destes, aventou-se aqui entre a equipe do Whiplash! a possibilidade de serem feitas resenhas de bootlegs, e ficou decidido que sim, seria interessante, mas como ninguém postou nada até o momento, aqui vou eu dar o pontapé inicial...

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Antes de tudo, é preciso deixar claro que os critérios para a avaliação de um bootleg são diferentes de um disco oficial, pois o que conta aqui é principalmente o ineditismo da coisa, haja visto muito material interessantíssimo ser encontrado somente em edições extra-oficiais, até pelo fato de muitas vezes a qualidade da gravação não ser das melhores.

É o que infelizmente ocorre aqui neste "In The Beginning", dois LPs recém-lançados (dizem que a tiragem é de apenas 200 cópias) retratando uma apresentação do AC/DC no Hampton Court Hotel de Sydney no mês de março de 1974, ou seja, três meses após sua estréia ao vivo, ocorrida na virada do Ano Novo, e que chegou a ser alardeado por parte da imprensa como um lançamento "oficial", mas que devido à péssima qualidade sonora funciona apenas como um registro histórico, que interessará somente aos arqueólogos roqueiros ou aos fanáticos pelo banda.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Na época o AC/DC era formado pelos irmãos Angus e Malcolm Young nas guitarras, Neil Smith no baixo, Noel Tylor na bateria e Dave Evans no vocal, sendo que dos arquivos deste último é que foi extraída esta gravação, e em seu site oficial há inclusive uma foto desta formação, registrada no mesmíssimo mês.

Dave, que está na ativa até hoje, chegou a gravar com o AC/DC um compacto raríssimo, lançado poucos meses após este show e até hoje não relançado (oficialmente) em edição digital, trazendo as canções "Can I Sit Next To You Girl" e "Rocking In The Parlour".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Curiosamente "Can I Sit..." não consta do repertório deste show, que traz um AC/DC bem diferente daquele que passaria para a posteridade, por dois motivos: em primeiro lugar pela presença de Dave, que possui um vocal que não têm nada a ver com o de Bon Scott e Brian Johnson; em segundo, Angus, apesar de já usar o famoso uniforme colegial, ainda não havia lapidado o estilo que o tornaria famoso, e seus solos estão bem mais contidos do que estamos acostumados a ouvir.

Por outro lado, é interessante ouvir o AC/DC levando basicamente covers, principalmente de canções dos Stones, além da versão embrionária de "Soul Stripper", uma das poucas faixas que já trazem um bocado da rifferama que caracterizaria o som do grupo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Porém, conforme já disse, infelizmente a qualidade do registro não é boa, pois se trata de uma gravação amadora feita provavelmente por alguém na platéia (comenta-se que teria sido o próprio Dave Evans, mas esta informação pode não ser verídica), sendo que muitas músicas estão cortadas, o baixo está praticamente soterrado pela bateria e guitarras, e o vocal em um tom mais baixo que os instrumentos, sendo quase impossível entender o que Dave canta.

Duas versões deste show estão circulando: uma com a gravação original, supostamente copiada diretamente dos arquivos de Dave, que inclusive está disponível em um site de torrents - mas atenção: estes arquivos estão em formato .flac e ocupam 490MB, e para fazer o download é necessário ser cadastrado no site.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A outra versão é oriunda do CDR que vêm junto com os LPs, que se diz "remasterizado", e de fato o som é um pouco mais alto e nítido, além dos "cortes" nas músicas terem sido amenizados (em alguns casos, foram aplicados pequenos "fade in/out"), porém fica claro que não se trata de uma remasterização propriamente dita, mas sim uma reequalização com algum software, coisa que muitos "colecionadores" abominam totalmente, mas aí fica a critério de cada um.... algumas faixas em MP3 desta versão podem ser conferidas no acdc-archives.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixas:

- Soul Stripper
- No Particular Place To Go
- Stay For A While
- Carol
- It's All Over Now
- Jumpin' Jack Flash
- Rock & Roll Singer
- medley: Blue Suede Shoes > Shake Rattle & Roll > Tutti Frutti
- Rockin' In The Parlour
- Bye Bye Johnny
- Lucille
- All Right Now
- Baby Please Don't Go
- Honky Tonk Women

Duração: 1:16:55

Formação:
Angus Young (guitarra)
Malcolm Young (guitarra)
Dave Evans (vocal)
Neil Smith (baixo)
Noel Tylor (bateria)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Accept encerra um ciclo com "Too Mean to Die"




Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz.