Resenha - A Bigger Bang - Rolling Stones

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Anderson Nascimento
Enviar correções  |  Ver Acessos


Quando "Rough Justice" começa a tocar, um profundo alívio toma conta dos ouvintes: são os Rolling Stones que todos gostamos e que todos queremos, e o resultado final da audição do disco é exatamente essa.

Guns, Red Hot, Stones, Green Day e George Clinton: Um encontro histórico em 2012Black Sabbath: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Não há experimentalismos, busca por modismos, nem mesmo músicas para "encher lingüiça". Os Stones não precisam mais disso, e após quase uma década sem lançar um disco de inéditas, os Stones escolheram muito bem as dezesseis músicas do álbum.

Esperei uma semana para escrever a essa resenha, com medo de me deixar levar pela emoção e empolgação de estar ouvindo um novo disco dos Stones. Mas confesso que mesmo passando uma semana da primeira audição, a empolgação e emoção foram as mesmas.

Como não se sentir transportado para o álbum setentista "Some Girls", ao ouvir a primeira música do álbum? Como não derramar lágrimas no decorrer do primeiro single "Streets of Love"? Esses são apenas alguns dos muitos atrativos do álbum, que sem medo de errar, é o melhor desde "Tattoo You" de 1983.

Além de Rocks arrasadores que chegam perto dos grandes clássicos dos Stones, como é o caso de "Rough Justice", "Oh No, Not You Again" ou "She Saw me Coming", a banda ainda relembra suas raízes ao destilar o groove-funkão-setentista "Rain Fall Down", ou no caso do blues "Back of My Hand", onde nós temos a impressão de que o próprio Robert Johnson dá as caras, com direito a um sotaque forjado de Mick Jagger e tudo.

As músicas trazem melodias fáceis de serem cantadas, e mesmo após a segunda audição, elas acabam nos parecendo velhos hits da banda.

É legal também ver composições mais politizadas, como é o escracho público que eles aprontaram em "Sweet Neocon".

Não há contras nesse disco, a voz de Mick Jagger está melhor que nunca, as guitarras de Keith são de arrepiar, a cozinha com o sereno Chalie Watts e Ron Wood está perfeitamente sincronizada.

Os Stones chegaram a um ponto nunca alcançado por nenhuma outra banda, e mesmo assim, ainda tem o frescor de uma banda em seu início, apresentando um disco maravilhoso como esse, que possivelmente será apontado como o disco de Rock do ano.


Outras resenhas de A Bigger Bang - Rolling Stones

Resenha - A Bigger Bang - Rolling Stones




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rolling Stones"


Guns, Red Hot, Stones, Green Day e George Clinton: Um encontro histórico em 2012Lucy Boynton: depois de Mary Austin, ela fará Marianne Faithfull no cinema

Keith Richards: em vídeo, as transformações em sua aparência de 1962 a 2019Keith Richards
Em vídeo, as transformações em sua aparência de 1962 a 2019

Keith Richards: ele quase fez participação hilária no filme Zumbilândia 2Keith Richards
Ele quase fez participação hilária no filme Zumbilândia 2

God Save The Queen: 5 vezes em que rockstars britânicos peitaram a monarquia

Rolling Stones: 5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicasRolling Stones
5 vezes em que a banda se posicionou politicamente em suas músicas

Rolling Stones: show feito na Argentina em 1998 será lançado em CD e DVD

Mick Jagger: criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientaisMick Jagger
Criticando Trump e Bolsonaro por falta de políticas ambientais

Ultimate Classic Rock: nomes originais de álbuns clássicosUltimate Classic Rock
Nomes originais de álbuns clássicos

Aerosmith: Tyler conta como comparação com Mick Jagger o feriuAerosmith
Tyler conta como comparação com Mick Jagger o feriu

1978: 70 discos de rock e metal lançados há 40 anos1978
70 discos de rock e metal lançados há 40 anos


Black Sabbath: Perguntas e respostas e curiosidades diversasBlack Sabbath
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Os Simpsons: bandas de Rock na versão amarelaOs Simpsons
Bandas de Rock na versão amarela

Heavy Metal: cristãos podem aprender muito com o gêneroHeavy Metal
"cristãos podem aprender muito com o gênero"

Simplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

Meet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportamMeet & Greet
Como os roqueiros de verdade se comportam

Indústria Fonográfica: as picaretagens das bandas mais velhasIndústria Fonográfica
As picaretagens das bandas mais velhas

Rockstars: filhos de roqueiros seguindo os passos dos paisRockstars
Filhos de roqueiros seguindo os passos dos pais


Sobre Anderson Nascimento

Anderson Nascimento é Analista de Sistema e Professor Universitário de profissão, tendo cursado Pós-Graduação em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas na PUC-RJ. Sua grande paixão é a música, começou a colecionar discos ainda na época do vinil, em 1986, com o álbum Abbey Road dos Beatles. Esse foi o primeiro passo para esse hobby que viria a se tornar tão importante em sua vida. Entre as várias atividades no meio musical, Anderson é compositor e integrou a banda de rock Projeto:Paradoxo entre 1996 e 2004. Anderson é um ávido colecionador de discos e também escreveu sobre música em vários veículos de comunicação.

Mais matérias de Anderson Nascimento no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336