Resenha - Angel Of Retribution - Judas Priest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


Vamos tentar esquecer, por alguns instantes, a inegável importância do Judas Priest para que o heavy metal adquirisse os contornos que hoje apresenta. Vamos tentar deixar de lado o fato de que este quinteto britânico é um dos maiores responsáveis pelo fato de sites como o Whiplash possuir tantos leitores e que, graças ao Judas Priest, o heavy metal atingiu a maturidade nos anos 80, transformando-se num estilo multifacetado, mas com uma identidade própria e com todas as características que conhecemos tão de perto. Vamos tentar nos concentrar apenas em pouco mais de cinqüenta minutos de música, distribuídos em dez faixas e compreende-los, antes de tudo, como uma honesta tentativa de ressurgimento de uma banda cuja folha de serviços prestados à música pesada dispensa quaisquer comentários adicionais.

Judas Priest: "Superar Firepower será bastante difícil", afirma HalfordBruce: "Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

Parece impossível fazer uma resenha isenta deste álbum. Em primeiro lugar, porque o Judas Priest é considerada uma das bandas cuja imagem e espírito melhor definem o heavy metal. Quando eu penso em roupas de couro, motocicletas e guitarras, imediatamente me vem à cabeça a imagem do K.K Downing curvando-se para trás e arrancando ruídos infernais de uma guitarra Flying V. Ou, quem sabe ainda, o Rob Halford entrando no palco em cima de uma motocicleta e cantando Hell Bent for Leather com todos na platéia boquiabertos, apesar da previsibilidade daquilo tudo. Enfim, o Judas Priest não apenas oferece uma perfeita tradução visual do que é o heavy metal, como também o personifica de modo insuperável.

Mas o Judas estava devendo um disco condizente com esta imagem tão bem construída ao longo dessas três décadas de carreira. Até mesmo o mais inveterado fã há de concordar que a discografia do grupo é, no mínimo, irregular, apresentando trabalhos absolutamente indispensáveis e outros em que prevalecem outros elementos (como o apelo comercial, por exemplo) em detrimento do heavy metal puro, simples e competente que o consagrou.

Desculpem este fã, que esqueceu algumas das preciosas regras de concisão do texto jornalístico, mas essa resenha vai ser longa.

Angel of Retribution não é apenas um grande disco. É um marco na carreira do quinteto britânico. Parece que a banda resolveu pinçar de cada um dos seus grandes discos um elemento de destaque e costura-los de modo a oferecer um disco inovador, mas que jamais abandona a velha pegada da banda. A faixa de abertura é "Judas Rising", uma música extremamente rápida, com direito àqueles maravilhosos agudos de Halford e àqueles riffs maravilhosos que só poderiam ter saídos dos dedos de KK Downing e Glenn Tipton. Engraçado é que eu não conseguia tirar da cabeça, enquanto ouvia essa música pela primeira vez, o pensamento incômodo de que ela provavelmente soaria ainda mais agressiva com Tim Owens.

Mas qualquer dúvida quanto à voz certa para o Judas desaparece quando começa "Deal with the Devil". É uma música que poderia muito bem estar no Ram it Down, mas que consegue ter uma cara própria. Novamente, muita velocidade e um refrão martelante. Rob está mais contido aqui, mas dá show de interpretação. "Revolution" é a faixa de trabalho, por isso mesmo tem um apelo mais comercial. Plágio? Custo a crer nisto, mas que ela é diferente de tudo o que o Judas costumava fazer isto é inegável. Quem não tem preconceitos contra o Turbo (1986) não vai ter problemas aqui. Ela tem aquela pegada mais cadenciada, mas que não prescinde de guitarras fantásticas. "Worth Fighting For" nos remete imediatamente àquelas músicas que o Judas andou fazendo para comerciais de cigarros. Eu senti muita falta de músicas assim, mais cadenciadas, mas com um 'punch' energético comum nesse tipo de música.

"Demonizer" infelizmente não está sendo executada nos shows da tour (pelo menos isso não aconteceu nos shows que tive notícia até o momento em que redigia este texto) o que é uma pena. Energética e com uma levada de bateria arrepiante, é uma das melhores do álbum. "Wheels of Fire" é daquelas músicas para se ouvir batendo cabeça ao som da caixa da bateria de Scott Travis. O riff de guitarra é uma navalha e os vocais de Halford, que, de modo geral, optou por tons mais baixos não apenas aqui, mas em diversos momentos do disco, soam melhores que nunca. "Angel" é uma típica heavy ballad, com uma interpretação magistral de Halford.

"Hellrider" é um dos pontos fortes não apenas do disco como também dos shows da nova tour. As sucessivas camadas de guitarras sujas da abertura são logo substituídas por um riff inacreditável e pela levada precisa de Ian Hill e Scott Travis. Para gritar junto com Halford no início ao fim. "Eulogy" é outra balada, desta vez mais trabalhada, do ponto de vista instrumental, o que acabou resultando na música mais atípica do disco. Por fim, a longa "Lochness" que alterna climas épicos e guitarras hipnóticas. Halford é insuperável na sua interpretação. Parece que a música é mais longa do que deveria, mas as longas transições instrumentais são belíssimas e indispensáveis.

O Judas não mudou muito. Está mais moderno, mais pesado parece ter encontrado o caminho certo. Eu sempre tenho a sensação que o heavy metal é exatamente isso que o Judas vem fazendo desde os primórdios da década de 70 e que qualquer coisa além disso soa deslocado e acaba desandando. Não houve necessidade de vocais femininos, teclados ou abstrações. Apenas uma dupla de guitarristas inspirados, um baixista preciso, um baterista veloz e um vocalista não apenas talentoso, mas capaz de diversificar sua voz sem soar auto-indulgente ou chato. Desculpem-me, mas não acho que precise mais que isso. O heavy metal só precisa de duas palavras para ser corretamente compreendido: Judas Priest.


Outras resenhas de Angel Of Retribution - Judas Priest

Resenha - Angel Of Retribution - Judas PriestResenha - Angel of Retribution - Judas Priest




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Judas Priest"


Judas Priest: Superar Firepower será bastante difícil, afirma HalfordJudas Priest
"Superar Firepower será bastante difícil", afirma Halford

Rob Halford: vocalista do Judas Priest lança álbum natalino gravado em famíliaRob Halford
Vocalista do Judas Priest lança álbum natalino gravado em família

Judas Priest: quais integrantes entrariam para o Rock and Roll Hall of FameJudas Priest
Quais integrantes entrariam para o Rock and Roll Hall of Fame

Judas Priest: Rob Halford celebra segunda indicação ao Rock and Roll Hall of FameJudas Priest
Rob Halford celebra segunda indicação ao Rock and Roll Hall of Fame

Músicas imortais: Breaking The Law, um dos maiores clássicos do heavy metalMúsicas imortais
"Breaking The Law", um dos maiores clássicos do heavy metal

Rock Hall of Fame: Judas Priest, Motörhead, Soundgarden e outros concorrem para 2020Rock Hall of Fame
Judas Priest, Motörhead, Soundgarden e outros concorrem para 2020

Em 09/10/1978: Judas Priest lançava o álbum Killing MachineDrowned feat. Kell Hell: ouça versão de "Hell Patrol", do Judas PriestMetallica: vídeo pro-shot tocando "The Green Manalishi" na versão do Judas PriestEntrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metalRegis Tadeu: Judas Priest, tudo que você não sabe sobre a banda

Grandes covers: cinco versões para PainkillerGrandes covers
Cinco versões para "Painkiller"

Grandes covers: cinco versões para "Breaking The Law"

Judas Priest: K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concertoJudas Priest
K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concerto

Ugly Kid Joe: Whitfield Crane foi convidado para o Judas PriestUgly Kid Joe
Whitfield Crane foi convidado para o Judas Priest

Rock e Metal: Algumas das melhores duplas de guitarristasRock e Metal
Algumas das melhores duplas de guitarristas

Judas Priest: o álbum preferido do vocalista Rob HalfordJudas Priest
O álbum preferido do vocalista Rob Halford

Rob Halford: contra a censura, mas a favor de controleRob Halford
Contra a censura, mas a favor de controle


Bruce: Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!Bruce
"Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

Separados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Separados no nascimento
Sou só eu, ou eles são parecidos?

Hard Rock: As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1Hard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

No alto do castelo: As diferenças entre os diferentes estilos de rockNo alto do castelo
As diferenças entre os diferentes estilos de rock

Mascotes de bandas: GigWise elege os 14 mais famososMascotes de bandas
GigWise elege os 14 mais famosos

Slayer: não é fácil tocar as coisas do Lombardo, diz BostaphSlayer
Não é fácil tocar as coisas do Lombardo, diz Bostaph

Iron Maiden: veja Bruce tocando o piano em Empire Of The CloudsIron Maiden
Veja Bruce tocando o piano em "Empire Of The Clouds"


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336