Resenha - Hell To Pay - Dokken

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Chamem o médico porque o Dokken está dando sérios sinais de vida. Depois de lançamentos apagados em estúdio e de um ao vivo tirado do fundo do poço - não foi da cartola, infelizmente -, o grupo retorna de fato à ativa com "Hell To Pay" e uma nova formação.

KXM: supertrio de hard rock alternativo lança novo álbum Circle of DollsRob Halford: "Ninguém escolhe ser Gay"

A voz de Don Dokken deve ter passado por um excelente tratamento, pois volta a brilhar numa sonoridade bem clássica da banda. Parece que os conflitos internos estavam mais em jogo do que a competência em si. As relações desgastadas quase levaram o conjunto ao colapso total. Todavia, o vocalista e o baterista, Mick Brown, seguiram juntos e, ao lado de Jon Levin nas guitarras e Barry Sparks no baixo, conseguem colocar o Dokken nos trilhos.

Tecnicamente Jeff Pilson pouca falta faz. É provável que em termos de energia e, mesmo backing vocals, alguns problemas apareçam para Sparks, mas, por enquanto, ele deu conta do recado. Da mesma maneira o faz o novo guitarrista. Por sinal, já o quinto do Dokken. E veio carregado de responsabilidade, pois tem como predecessores ninguém menos que George Lynch, Reb Beach, John Norum e Alex DeRosso.

A proximidade do som da guitarra de Levin àquilo que Lynch apresentava em "Tooth And Nail" (1984) é um fator fundamental para o sucesso do disco. Soa já familiar e assim mesmo muito próprio, cheio de estilo. Excelentes timbres, solos competentes. Grande revelação!

Em destaque aparecem climas dark, em levadas não muito aceleradas, caso de "The Last Goodbye", "Haunted", "Still I'm Sad". Cadência acertada. De qualquer maneira, "I Surrender" parece-me a melhor do álbum, distinguindo-se por um acréscimo razoável de vibração e velocidade. Não se distancia tanto das outras neste sentido, mas a pequena variação já é suficiente para deixá-la em relevo. Além dessas, vale lembrar "Letter To Home", trazendo novamente o lado do Dokken imensamente inspirado pelos Beatles.

Bom trabalho também de mixagem (Wyn Davis / Brian Daugherty), masterização (Eddy Schreyer) e produção, pelo próprio Don Dokken. Resta saber se este é aquele o último suspiro de uma velha vida, ou o início de uma nova. Torçamos para a segunda opção. Neste ritmo, está muito bom!

Site Oficial - http://www.dokken.net

Don Dokken (Vocais)
Jon Levin (Guitarras)
Barry Sparks (Baixo)
Mick Brown (Bateria)

Material cedido por:
Century Media Records - http://www.centurymedia.com.br
Caixa Postal 1240 São Paulo SP 01059-970 BRASIL
Telefone: (0xx11) 3097-8117 / +55-11-3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195 / +55-11-3816-1195
Email: brasil@centurymedia.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dokken"


KXM: supertrio de hard rock alternativo lança novo álbum Circle of Dolls

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Ozzy Osbourne: George Lynch chorou após ser dispensado da bandaOzzy Osbourne
George Lynch chorou após ser dispensado da banda

Anos 90: bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãsAnos 90
Bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãs


Rob Halford: Ninguém escolhe ser GayRob Halford
"Ninguém escolhe ser Gay"

Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em NurembergMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

Silverchair: a história por trás da capa de Freak ShowSilverchair
A história por trás da capa de Freak Show

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaramDemonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter

Metallica: os melhores anos ainda estão à nossa frente, afirma LarsMetallica
"os melhores anos ainda estão à nossa frente", afirma Lars

Iron Maiden: todas as músicas da banda, da pior para a melhorIron Maiden
Todas as músicas da banda, da pior para a melhor


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336