Resenha - Art Of Devotion - Immortal Rites

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


Este é o segundo disco desta jovem banda alemã. Praticando um excelente death metal melódico e furioso, misturando o chamado "Gottemburg Sound" com influências mais antigas, como Napalm Death, o Immortal Rites é uma grata surpresa num cenário que está à beira da saturação. Esse disco tem todos os elementos típicos das bandas mais conhecidas do estilo, tipo At the Gates, Arch Enemy, etc. Guitarras pesadas e riffs velozes determinam a linha de todas as 10 faixas de Art of Devolution. A técnica dos músicos, especialmente de Dominic Haufe (G) e Phillip Frick (G/V) impressiona o ouvinte.

Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

Embora o estilo abraçado pelo Immortal Rites seja bastante recorrente, alguns elementos fazem com que a banda não soe derivativa e chata. Em primeiro lugar, a qualidade das letras é um detalhe que não pode deixar de ser comentado. Longe da temática escapista que caracteriza boa parte das bandas do cenário, o Immortal Rites opta por temas mais próximos da realidade cotidiana. Basta dar uma boa olhada em Fatal Exploited ou em United Scars Anthem.

Outro detalhe bastante interesante é a participação de Liv Kristine Espenaes na faixa Mirror Reflections. Sem dúvida, esta é a melhor e mais pesada faixa do disco. Com um clima meio "black metal", a participação "angelical" de Liv Kristine em nada tira o peso e a agressividade da música.

Para finalizar, não se pode deixar de lado a maravilhosa arte gráfica do digipack. Além da belíssima capa, o conjunto gráfico mostra uma banda voltada para o profissionalismo e muito preocupada com a imagem. Não é a banda mais original do mundo. Não tem grandes pretensões, não quer reinventar a roda, mas quer, sim, passar sua mensagem da melhor maneira possível. Resta-nos torcer para que algum selo se interesse em lançar este disco por aqui, para que mais pessoas tenham acesso ao que o Immortal Rites tem a dizer.

Line-up:
Phillip Frick - Guitarra, Vocal
Dominic Haufe - Guitarra
Ralf Hauber - Baixo
Sascha Lorenz - Bateria

http://www.immortalrites.de

Tracklist:
01. Eugenic (Intro)
02 Fatal Exploited
03. Dressed in Amazing Red
04. Digital God
05. United Scars Anthem
06. Mirror Reflections
07. Hallucinations Overture
08. The Utter Dark
09. Pathetic Patterns
10. The Cadaverizer
11. Weeping Tears (Bonus Track)
12. Tormenting Emotions (Bonus Track)

Material cedido por:
Morbid Records
http://www.morbidrecords.de



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Immortal Rites"


Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockQuatro filhos
Rockabilly, pop rock, prog rock e hard rock

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.