Resenha - Eden Hele - Praeda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6


O Praeda não diverge muito em relação ao que ouvimos no considerado black metal melódico. Isto é, caso você queira considerá-los assim. Os franceses têm passagens brilhantes instrumentais, mas parecem ter dificuldades ao adequá-las aos vocais.

Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseBeavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?

Que eles estão tentando acertar o pé seguindo o passo de bandas como Cradle Of Filth, disso não tenha dúvidas. Contudo, obtêm mais sucesso e aí sim, são bons de fato, no uso dos teclados e guitarras criando climas horripilantes (no bom sentido, digo). A atmosfera dark reina como nas instrumentais "Eden I" e "Eden IV".

A vaca vai pro brejo quando surgem os vocais e as letras em francês, o que, bem, não faz muita diferença mesmo, não dá pra entender de qualquer jeito. A produção fraca peca e o instrumental vira um terror barulhento infindável. Só os teclados tomam frenteira. Será que o líder do conjunto é o tecladista? Oh! Que dúvida, não?

Se fosse na época de Celtic Frost ou Hellhammer, e vindo como precursores, o pessoal do Praeda se daria bem. Porém, já se foram duas décadas e isso não só soa pouco original, como mal, exceto nas faixas basicamente instrumentais e climáticas.

Material cedido por:
Sacral Productions
Email: sacral.productions@libertysurft.fr
BP.11 01660 Mezeriat
Tel.Fax.Rep.: 00 33 04 7425-2699



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Praeda"


Guns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl RoseGuns N' Roses
Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl Rose

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.