Resenha - Blizzard Of Ozz - Ozzy Osbourne

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Denio Alves
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Hoje, ao receber de um amigo meu uma velha (mas conservadérrima) cópia da primeira bolacha solo de Ozzy Osbourne, delirei. Bicho, não importa que seja em vinil não, ainda sou daqueles meio puristas, sabe? Adoro o sonzão acústico de um bom acetato, aquele baixo trincando a parede na maior altura, e um chiadinho no fundo que, às vezes, é até nostálgico . . . O mais importante, no entanto, é lembrar como já foi bom o heavy metal, em seus tempos mais áureos. Antes de Metallica, Cogumelo Records, e isso tudo que catapultou o gênero para o mainstream, comercial e acessível digitalmente tal qual o conhecemos hoje, houve uma época em que o bom "rock pauleira" só era cometido por quem realmente entendia do riscado – gigantes como Iron Maiden, Saxon, AC/DC (com Bom Scott), Venom e outros perpetravam seus passos manchados de sangue e metal em obras-primas brutais como "Piece of Mind", "Highway to Hell", "At War with Satan" e outros discos inesquecíveis.
5000 acessosOzzy Osbourne: setlist e vídeos de primeiro show com Zakk Wylde5000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine

Neste contexto, ainda no comecinho dos anos 80, um veterano da coisa, que já havia passado por um bocado de pó, peso e magia negra nos seventies, vocalista egresso de um dos pais do gênero, o Black Sabbath, apresentou o seu primeiro trabalho solo. Com a difícil tarefa de tentar se desligar do extenso e brilhante trabalho que havia feito anteriormente, desvinculando a sua imagem do velho sabá negro de Iommi & cia., Ozzy Osbourne deu uma guinada radical em sua carreira com este Blizzard . . . Para se entender o sucesso de tal empreitada, no entanto, devemos recorrer a um nome marcante que foi, antes de tudo, o principal responsável por este êxito: o jovem Randy Rhoads. Um guitarrista virtuosíssimo, de técnica inacreditável e dono de uma criatividade ímpar no ramo, Rhoads viria a ter uma curta carreira com Ozzy, mas definitiva no sentido de consolidar o mestre em sua nova carreira, além de influenciá-lo consideravelmente.

Todo o conceito deste LP foi trabalhado pelo cantor com a sua nova banda, que ainda incluía uma cozinha violentíssima: Bob Daisley (baixo) e Lee Kerslake (bateria), além dos admiravelmente soturnos e geniais teclados de Don Airey (já conhecido pelo trabalho em alguns discos do Sabbath – Sabotage, Never Say Die etc.). Neste projeto, evidentemente o prematuro talento de Rhoads se sobressai, com longos solos viajantes e apurados, inspiradíssimos para alguém tão novo como ele, mas que já demonstravam uma maestria e uma sapiência no instrumento como poucos viriam a ter. A limpidez e a fluência da guitarra de Rhoads estava prestes a conceder-lhe o legítimo título de “novo Hendrix”, em 1982, após o lançamento do segundo solo de Ozzy (Diary of a Madman), quando este veio a morrer fatalmente em um acidente de avião bimotor na fazenda em que Ozzy e sua equipe descansavam após um show – fato que ainda hoje emociona o vocalista toda vez que ele o comenta.

A amizade de Ozzy e Rhoads (que até se pareciam bastante, de rosto) cravou de clássicos do metal esta estréia de Ozzy como artista solo – até hoje ele se vê obrigado a cantar torpedos como “Crazy Train” e “Mr. Crowley” em seus shows. O álbum começa medonho, com a irônica “I Don’t Know” e seu ritmo vertiginoso, que logo joga na cara do ouvinte o novo lance de Ozzy: o seu som viria a abandonar totalmente o estilo moroso e pesadão, sombrio, do Sabbath, para ir de encontro à velocidade e técnica, com sabor pop, de um Van Halen, por exemplo. Com a vitamina que o revigorava (Rhoads e a nova banda), Ozzy comete clássico após clássico: a insana “Crazy Train”, a lendária “Suicide Solution” – uma amarga declaração sobre os benefícios da morte, até hoje uma dor de cabeça que gerou processos judiciais contra Ozzy -, a épica “Revelation (Mother Earth)”, que é uma das mais belas músicas que o metal já gerou, e que por sinal se aproxima um pouco da estética macabra do som sabbathiano. Ainda tem o momento mais pop, a balada que viria a regularmente figurar nos discos do rei: “Goodbye to Romance”, que, revista hoje, até não é tão má – soa como uma valiosa tentativa de romper pra valer com o passado na sua ex-banda. Quem disse, aliás, que o Black Sabbath também não fazia baladonas (“Changes”, “You Won’t Change Me”)?

Mas a obra-prima mesmo deste disco, que fica para a eternidade, é a música de Ozzy que mais legiões (ops! Sem trocadilhos!) de fãs tem atraído desde então: a ode repleta de tinturas barrocas e de música clássica ao mestre do ocultismo Aleister Crowley, simplesmente “Mr. Crowley”. Após uma atmosférica e aterradora introdução no órgão por Don Airey, Ozzy canta os dramas existenciais do maior bruxo de todos os tempos com um despojamento raro de se ver em canções dedicadas a mitos de nossa História. O crescendo melodramático deságua em um solo matador de Rhoads, lírico como jamais se ouviu, que faz Beethoven, Chopin, Mozart e outros se revirarem no caixão. É realmente de emocionar.

Após este disco, Ozzy ainda gravaria "Diary of a Madman", com esta clássica formação. O acidente a que me referi anteriormente, no entanto, deu um basta em tudo. Depois dele, o rei do metal teria que se recompor, gravar um ao vivo mais Sabbath do que tudo (Speak of the Devil), cair de boca no metal lamê de discos como Bark at the Moon e The Ultimate Sin, afundar o pé na jaca mais um monte de vezes, para só então ressurgir na cena para sua definitiva consagração junto à galera mundial do metal, com o megasucesso No More Tears. Mas aí, muitas lágrimas com certeza já tinham rolado, e agora o ex-pai do rock satânico é um respeitável senhor à beira da aposentadoria, mas que ainda chacoalha bem uma platéia, seja no seu próprio festival de heavy metal itinerante, o Ozzfest, seja em esporádicas reuniões do Black Sabbath original.

Aqueles tempos no entanto, como eu disse no início, foram inesquecíveis – e basta relembrá-los para ainda sentir toda a emoção da pauleira de verdade com uma audição, em volume estratosférico, deste Blizzard of Ozz!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Blizzard Of Ozz - Ozzy Osbourne

3122 acessosOzzy Osbourne: início da carreira solo de um ícone do Metal5000 acessosTradução - Blizzard Of Ozz - Ozzy Osbourne

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Setlist e vídeos de primeiro show com Zakk Wylde

2379 acessosOzzy Osbourne: em vídeo 3D, as mudanças em sua aparência0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ozzy Osbourne"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock

CinemaCinema
Filmes para quem ama Rock e Metal (Parte 5)

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Segundo a ciência, ele é um mutante

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

MegadethMegadeth
As 10 maiores tretas da história de Dave Mustaine

Metal RulesMetal Rules
Os 100 melhores discos da História do Metal

Classic RockClassic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80

5000 acessosOs roqueiros mais chatos das redes sociais5000 acessosMegadeth: O recadinho provocante da vocalista do Huntress5000 acessosShaman: baixista desabafa sobre cena brasileira5000 acessosNirvana: Bebê da capa de Nevermind planta tomates para viver5000 acessosCasamento homoafetivo: rockstars postam mensagens sobre decisão5000 acessosDavid Lee Roth: Cocaína, putaria e mais cocaína

Sobre Denio Alves

Denio Alves, natural de Valença-RJ, é crítico, escritor, ensaísta, diletante de poesia, ouvinte e praticante, nas horas vagas, de rock e todas as demais formas de música popular ou de vanguarda que do gênero advenham. Além de técnico em computação, professor de inglês e estudante de Direito, é também pesquisador cultural e artístico das demais mídias de expressão e comunicação, já havendo atuado como colaborador de diversos fanzines na década de 90 do século passado e fundador do célebre veículo alternativo Eram os Deuses Zineastas?. Participou ativamente, em Ituiutaba-MG, onde reside, do processo de formação e criação das bandas de garagem Bloody Garden e Essence, ao lado de Edgar Franco, Gazy Andraus e demais personalidades do underground do Triângulo Mineiro, como guitarrista, vocalista e compositor. Atualmente, participa da concepção de um novo projeto de expressão do RPB – Rock Popular Brasileiro, o Mondo Cane, além de colaborar periodicamente com artigos no site WHIPLASH.

Mais matérias de Denio Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online