Resenha - Dois - Legião Urbana

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Antunes Ariede
Enviar correções  |  Ver Acessos

Ano: 1986

A Legião Urbana estourou nacionalmente em fins de 1984, com um disco nitidamente calcado em raízes punk e new wave. Porém a consagração viria mesmo com o segundo disco da banda, DOIS, lançado em 1986, em meio a um Brasil que se acostumava com a Nova República e com o Plano Cruzado.

O disco abre com uma gravação ao vivo do trecho final da música "Será", porém as semelhanças com o primeiro disco não serão muitas, a começar pelo clima folk da maioria das canções e mesmo pelo tom gráfico do álbum.

Enem 2019: prova do 1° dia tem Legião Urbana na capa, Cazuza e até MadonnaRoadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os tempos

"Daniel na cova dos leões", cujo título é metafórico, é a segunda "entregada" de Renato Russo sobre sua opção sexual; já em "Soldados", do primeiro LP, ele indiretamente mostrava o que se tornaria explícito em "Meninos e meninas" de 1989: sua homossexualidade. "Daniel...", uma das poucas parcerias com o baixista Renato Rocha, mostra claramente os conflitos de Renato: "Aquele gosto amargo do seu corpo[...]De amargo então, salgado ficou doce", para fechar no deslumbrante final onde fica nítida luta entre o que ele queria ser e o que a sociedade esperava que ele fosse: "Mas tão certo quanto o erro de ser barco a motor e insistir em usar os remos". Vale lembrar que esta canção é de 1985 e foi mixada por Russo (há depoimentos de que durante os intervalos da gravação do primeiro LP, Renato já ensaiava os arranjos de "Daniel...").

"Quase sem querer" é um dos hits deste disco, letra triste, melancólica e poética, tudo misturado num arranjo folk inesquecível. O refrão grava-se automaticamente na cabeça já na primeira audição.

"Acrilic on Canvas" possui um arranjo semelhante aos feitos pela gravadora Factory, que produziu, entre outros, Joy Division e New Order. A letra é obscura e mesmo mórbida, porém o ritmo dançante contagia e alivia um pouco o clima dark da canção.

Ao final do lado A temos vários hits em seqüência, "Eduardo e Mônica" foi feita em 1982 e é baseada na história real do antigo produtor executivo da Legião, Rafael Borges, e sua ex-esposa; Renato compôs esta canção na sua época de "Trovador Solitário" e toca todos os instrumentos da música.

"Central do Brasil", que possui apenas arranjo instrumental, cria um clima triste e esquisito meio a la "final-de-tarde-chuvoso-sozinho-em-casa" que dá o tom para a melhor música do disco (na minha opinião): "Tempo Perdido". Com introdução que lembra a guitarra de "The Headmaster ritual" do disco "Meat is murder" dos Smiths e letra semelhante a um antigo sucesso do Aborto Elétrico, "1977", esta canção escancara a depressão e a crise existencial pela qual passava Renato na época; a voz de Russo novamente lembra Morrissey (a maneira que Renato dançava no palco era nitidamente influenciada pelo líder dos Smiths e mesmo parecida com Ian Curtis), a letra é tristíssima e o final clássico. Logo depois há outro instrumental onde é tocado "Tempo Perdido" só com violões; detalhe: algumas versões do vinil não trazem esta versão, economia de faixas? Esquecimento? Sabe Deus.

"Metrópole" abre o lado B lembrando os bons tempos do punk, a letra foi amenizada, pois a original era mórbida e suicida (há sites que disponibilizam praticamente todas as letras do Aborto Elétrico e mesmo as versões em mp3). "Música Urbana 2" possui um tom obscuro e lembra os tempos de Renato pelas ruas e madrugadas de Brasília, aliás, qualquer um que curte ou curtia sair a noite com amigos vai se identificar nesta canção; o número "2" é devido ao fato de o Capital Inicial ter lançado uma música homônima no seu primeiro LP de 1986, com participação de Renato na composição da letra.

"Andréa Doria" (que conforme este mesmo site já divulgou, é o nome de um navio) é outra música triste, onde é tratado o tema da separação. Renato está incisivo: "Mas percebo agora que o teu sorriso vem diferente, quase parecendo te ferir", para concluir de maneira resignada e melancólica: "Nada mais vai me ferir. É que eu já me acostumei, com a estrada que eu segui com minha própria lei". Talvez seja a segunda música mais deprê do disco. Por fim, "Índios" (com aspas mesmo) fecha o disco e um ciclo; o teclado vai subindo juntamente com a voz de Renato, dando a impressão de que um coro inteiro de "índios" canta junto; o refrão figura entre os mais bonitos e depressivos já compostos por Renato e o final, só com violão e um efeito "vento passando pela cidade", é perfeito.

Após este disco a Legião lançaria "Que pais é este" retomando a linha punk e depois enveredaria por caminhos religiosos e introspectivos. Portanto, "DOIS" torna-se um disco que fecha o ciclo juvenil e inocente da banda, apontando para novos caminhos e novas possibilidades. Além disto, é o disco com mais hits juntos que já ouvi, praticamente todo o álbum é perfeito, coeso e estranho, a começar pela capa e o encarte (no CD a foto do encarte é outra, onde dá pra identificar o rapaz: Marcelo Bonfá) que lembram o clima mórbido de "Closer" (último disco do Joy Division). Pra finalizar fica a questão: o DOIS do título refere-se ao número do Lp, ao casal da capa do encarte ou a nenhum dos dois?

Referências utilizadas: algumas revistas Bizz e ShowBizz, o livreto da lata "Por enquanto" e o livro "Conversações com Renato Russo" (coletânea de entrevistas).


Outras resenhas de Dois - Legião Urbana

Legião Urbana: Um dos mais belos discos do rock nacionalLegião Urbana
Um dos mais belos discos do rock nacional




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Legião Urbana"


Enem 2019: prova do 1° dia tem Legião Urbana na capa, Cazuza e até MadonnaEm 26/10/1989: Legião Urbana lançava o álbum As Quatro Estações

Em 11/10/1996: morria Renato Russo, um dos maiores artistas de uma geraçãoEm 11/10/1996
Morria Renato Russo, um dos maiores artistas de uma geração

Capital Inicial: Melhor banda de rock do Brasil é Legião Urbana, diz Dinho Ouro PretoCapital Inicial
"Melhor banda de rock do Brasil é Legião Urbana", diz Dinho Ouro Preto

Em 11/10/1996: Morre Renato Russo, da banda Legião UrbanaEm 11/10/1996
Morre Renato Russo, da banda Legião Urbana

Fatos Desconhecidos: em vídeo, o último dia de Renato RussoFatos Desconhecidos
Em vídeo, o último dia de Renato Russo


Roadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os temposRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsThe Voice
Candidato faz power metal cantado em português


Sobre Maurício Antunes Ariede

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336