Resenha - A Passion Play - Jethro Tull

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Magno
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Voltamos ao ano de 1972. O Jethro Tull havia laçado uma obra fantástica (Thick as a Brick), um disco conceitual que continha uma única e maravilhosa música, que foi aclamado por crítica e público. No ano seguinte, resolveram lançar outro disco conceitual e com só uma música (A Passion Play). Assim, o que parecia possível se tornou realidade, já que a banda conseguiu fazer outra obra-prima tão boa quanto a anterior.

Metallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in RioDuff McKagan: "Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Não liguem para o fato de que a maioria da crítica desceu a lenha, afinal, o Jethro, junto com o Uriah Heep, sempre foi um dos alvos preferidos da crítica, e o que importa é que os fãs, tanto na época como nos dias de hoje, aclamaram e aclamam A Passion Play, juntamente com Thick as a Brick, como um de seus melhores discos, principalmente para aqueles que curtem a fase mais progressiva da banda. Na verdade, A Passion Play é o disco mais progressivo do Jethro Tull e, comparando com Thick as a Brick, é mais trabalhado e menos pesado.

Outra novidade é a utilização de saxofones de forma muito bem colocada, dando um toque ainda mais progressivo e jazzístico à música. Outro aspecto a ser notado é que, quanto mais escutamos este disco, mais gostamos dele, pois trata-se de uma música com mais variações do que Thick as a Brick, por exemplo, e, desta forma, sempre descobrimos algo novo e maravilhoso. Até os críticos, que antes metiam o pau no disco, hoje o vêem com outros olhos, pois não se trata de um disco de fácil assimilação que gere paixões logo na primeira audição.

Outro aspecto muito interessante que vale ressaltar é o que a música narra. Trata-se da história de uma pessoa que morre, conhece o céu, o inferno e o purgatório, e depois percebe que prefere mesmo é ficar aqui pela Terra. O fim da história depende da interpretação que cada um dá a ela. Enfim, uma música maravilhosa que ainda faz as pessoas pensarem, algo muito raro de ser encontrado nos dias de hoje.

Trata-se de um disco perfeito para os fãs de progressivo, de música complexa e trabalhada e que faz pensar. Se você se enquadra neste perfil, vá em frente e compre o cd, pois trata-se de um clássico a ser incluído em qualquer discografia básica dos fãs deste estilo musical.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Jethro Tull"


Metal Medieval: confira 10 bandas de temáticas medievaisMetal Medieval
Confira 10 bandas de temáticas medievais

Iron Maiden: Steve Harris fala da influência do Jethro TullIron Maiden
Steve Harris fala da influência do Jethro Tull

Jethro Tull: Não somos uma banda de RockJethro Tull
"Não somos uma banda de Rock"


Metallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in RioMetallica
As extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio

Duff McKagan: Justin Bieber é um roqueiro de verdade!Duff McKagan
"Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"

Metallica: a lista de exigências da banda em 1983Metallica
A lista de exigências da banda em 1983

Slayer: Raining Blood é brutal, mesmo com a bateria da BarbieSlayer
"Raining Blood" é brutal, mesmo com a bateria da Barbie

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

Músicas imortais: One, um dos maiores momentos da historia do metalMúsicas imortais
"One", um dos maiores momentos da historia do metal

Metallica e Megadeth: e se eles trocassem de vocalistas entre si?Metallica e Megadeth
E se eles trocassem de vocalistas entre si?


Sobre Alexandre Magno

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336