Resenha - Q2K - Queensryche

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Carreiro
Enviar correções  |  Ver Acessos


Depois de dois anos de espera, aqui estamos nós, com o novo álbum do Queensryche nas mãos. E que agradável surpresa ver que a banda continua em grande fase a despeito de (ou graças a) todas as mudanças.

Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaRock: A história dos primórdios aos anos 90

É inegável que, apesar de serem ótimos trabalhos, Promised Land e Hear In The Now Frontier não conseguiram manter o nível dos outros álbuns da banda. Q2K, o Queensryche do ano 2000 (que Geoff definiu magistralmente com sendo "just another day"), traz a banda de volta àquele nível. Para não ficar me repetindo, vou falar logo: todas as músicas, eu disse TODAS, são excelentes.

O disco é aberto por Falling Down, perfeita para dar o impacto inicial. Bateria marcante, guitarras bem distorcidas (no sentido cru da palavra, se é que existe um sentido cru para essa palavra...) e solando juntas e alternadamente como nos velhos tempos. Faz o efeito que uma primeira música precisa: joga a expectativa do disco prá cima.

A segunda é Sacred Ground, que para mim dispensa comentários. Os riffs de guitarra são maravilhosos, o andamento, as harmonias, os backing vocals, letras...tudo é excepcional nessa que está entre as melhores do álbum, que segue com One Life, que traz outro clima: ela já é mais arrastada, com a levada da batera no surdo e caixa e refrão muito bem estruturado.

Quarta música e mais um parágrafo: When The Rain Comes... é, assim como Sacred Ground, Liquid Sky e The Right Side Of My Mind, uma música altamente especial. É simplesmente linda, irretocável. Mais uma vez os backing vocals se fazem presentes, mas o forte da música é o conjunto. How Could I Know, a quinta, traz um andamento mais animado, refrão pegajoso (no bom sentido) e bem estruturado e linha de baixo arrojada; simples mas excelente (já estou me repetindo...).

Beside You, assim como When The Rain Comes, tem o andamento mais lento. A introdução é especialmente bela, ouçam com carinho.

Liquid Sky é a próxima e é uma daquelas. Baixo solto (EdBass está inspirado em todo o disco), levada de arrepiar, riffs, vocais, backings e tudo (de novo) perfeito. A letra, segundo o próprio Geoff Tate, fala sobre nada...

Chegamos então ao primeiro single do Q2K: Breakdown. Uma porrada na moleira. Chega ao cúmulo da famosa batida "um por um". Mais uma vez o baixo merece menção honrosa :)

BurningMan é mais uma música rápida e traz o destaque, desta vez, para a bateria: Mr. Rockenfield desenterra, não sei de onde, uma marcação no mínimo criativa para essa música. O andamento e as guitarras lembram um U2 bem melhorado. Talvez essa seja a letra proporcionalmente mais curta que a banda já fez. E chega mais uma maravilha da humanidade: Wot Kinda Man. Vocais no melhor "estilo megafone" e o andamento mais dançante (???) do disco. Isso mesmo, é daquelas que dá vontade de sair pulando pela casa.

A última (já ?) é aquilo... The Right Side Of My Mind é incomentável. Me arrepiou até a alma a primeira vez que ouvi. É mais uma música perfeita dessa que é uma das mais perfeitas bandas da atualidade. Há muito (hummmm...uns dois anos ?) não ouvia Geoff cantar tanto e com tanta vontade. A música termina e fica o gostinho de quero mais... Como eles resolveram, sabe-se lá porquê, deixar de fora a tal décima segunda música só nos resta a opção de começar tudo de novo. E com muito prazer, obrigado !


Outras resenhas de Q2K - Queensryche

Resenha - Q2K - QueensrycheResenha - Q2K - QueensrycheResenha - Q2K - Queensryche




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Queensryche"


Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o NoisecreepVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Queensryche e outros: lavação de roupa suja em públicoQueensryche e outros
Lavação de roupa suja em público

Angra: Minha ideia era ser menos power metal e mais QueensrycheAngra
"Minha ideia era ser menos power metal e mais Queensryche"


Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaMotivação
10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

Rock: A história dos primórdios aos anos 90Rock
A história dos primórdios aos anos 90

Joey Ramone: em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'RJoey Ramone
Em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'R

Cristina Scabbia: Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!Cristina Scabbia
"Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Atores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce WillisAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Jimmy Page: qual foi seu maior momento fora do Zeppelin?Jimmy Page
Qual foi seu maior momento fora do Zeppelin?

Iron Maiden: poster de Eddie está assustando criancinhas alemãsIron Maiden
Poster de Eddie está assustando criancinhas alemãs


Sobre Márcio Carreiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336