Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Resenha - Q2K - Queensryche

Por Márcio Carreiro
Em 26/09/99

Depois de dois anos de espera, aqui estamos nós, com o novo álbum do Queensryche nas mãos. E que agradável surpresa ver que a banda continua em grande fase a despeito de (ou graças a) todas as mudanças.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

É inegável que, apesar de serem ótimos trabalhos, Promised Land e Hear In The Now Frontier não conseguiram manter o nível dos outros álbuns da banda. Q2K, o Queensryche do ano 2000 (que Geoff definiu magistralmente com sendo "just another day"), traz a banda de volta àquele nível. Para não ficar me repetindo, vou falar logo: todas as músicas, eu disse TODAS, são excelentes.

O disco é aberto por Falling Down, perfeita para dar o impacto inicial. Bateria marcante, guitarras bem distorcidas (no sentido cru da palavra, se é que existe um sentido cru para essa palavra...) e solando juntas e alternadamente como nos velhos tempos. Faz o efeito que uma primeira música precisa: joga a expectativa do disco prá cima.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A segunda é Sacred Ground, que para mim dispensa comentários. Os riffs de guitarra são maravilhosos, o andamento, as harmonias, os backing vocals, letras...tudo é excepcional nessa que está entre as melhores do álbum, que segue com One Life, que traz outro clima: ela já é mais arrastada, com a levada da batera no surdo e caixa e refrão muito bem estruturado.

Quarta música e mais um parágrafo: When The Rain Comes... é, assim como Sacred Ground, Liquid Sky e The Right Side Of My Mind, uma música altamente especial. É simplesmente linda, irretocável. Mais uma vez os backing vocals se fazem presentes, mas o forte da música é o conjunto. How Could I Know, a quinta, traz um andamento mais animado, refrão pegajoso (no bom sentido) e bem estruturado e linha de baixo arrojada; simples mas excelente (já estou me repetindo...).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Beside You, assim como When The Rain Comes, tem o andamento mais lento. A introdução é especialmente bela, ouçam com carinho.

Liquid Sky é a próxima e é uma daquelas. Baixo solto (EdBass está inspirado em todo o disco), levada de arrepiar, riffs, vocais, backings e tudo (de novo) perfeito. A letra, segundo o próprio Geoff Tate, fala sobre nada...

Chegamos então ao primeiro single do Q2K: Breakdown. Uma porrada na moleira. Chega ao cúmulo da famosa batida "um por um". Mais uma vez o baixo merece menção honrosa :)

BurningMan é mais uma música rápida e traz o destaque, desta vez, para a bateria: Mr. Rockenfield desenterra, não sei de onde, uma marcação no mínimo criativa para essa música. O andamento e as guitarras lembram um U2 bem melhorado. Talvez essa seja a letra proporcionalmente mais curta que a banda já fez. E chega mais uma maravilha da humanidade: Wot Kinda Man. Vocais no melhor "estilo megafone" e o andamento mais dançante (???) do disco. Isso mesmo, é daquelas que dá vontade de sair pulando pela casa.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A última (já ?) é aquilo... The Right Side Of My Mind é incomentável. Me arrepiou até a alma a primeira vez que ouvi. É mais uma música perfeita dessa que é uma das mais perfeitas bandas da atualidade. Há muito (hummmm...uns dois anos ?) não ouvia Geoff cantar tanto e com tanta vontade. A música termina e fica o gostinho de quero mais... Como eles resolveram, sabe-se lá porquê, deixar de fora a tal décima segunda música só nos resta a opção de começar tudo de novo. E com muito prazer, obrigado !


Outras resenhas de Q2K - Queensryche

Resenha - Q2K - Queensryche

Resenha - Q2K - Queensryche

Resenha - Q2K - Queensryche

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemTodd La Torre chama John Dolmayan de imbecil após comentários sobre guerra e Covid

Dream Theater: "As I Am" foi inspirada em tour "irritante" ao lado do Queensryche

Geoff Tate diz que Queensryche recusou quantias "obscenas" de dinheiro por reunião

De A a Z, confira playlist com 26 bandas de rock and roll e heavy metal formadas nos EUA

Geoff Tate fará shows no Brasil em 2022; confira datas e locais das apresentações

Queensryche: ao contrário do vocalista atual, Geoff Tate parou de fumar quando era jovem

imagemQueensryche: vocalista não esconde mais seus cigarros e não liga para os críticos


Queensryche: Geoff Tate elogia La Torre e diz que foi estranho o ver cantar com a banda