Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Stamp

Resenha - Audioslave - Audioslave

Por Bruno Romani
Em 12/12/02

Nota: 7

Projeto duradouro ou não, a verdade é que o desfecho de uma longa novela pôde ser comemorado por fãs do mundo inteiro no dia 19/11, data em que o o álbum de estréia do AUDIOSLAVE chegou as lojas do mundo inteiro (o Brasil uma vez mais ficou de fora…). Para os mais desavisados, Audioslave é o nome dado ao projeto que envolve Chris Cornell, ex-vocalista da potência grunge Soundgarden, e os ex-integrantes do Rage Against the Machine, um dos poucos destaques da era pós-grunge e que teve seu fim precocemente decretado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resultado dessa união de forças não poderia ser mais previsível, e ao mesmo tempo tão aguardado. Se ignorado os vocais, a sonoridade da banda é a mesma que consagrou o RATM: baixo e bateria bem sincronizados e um guitarrista que vale por três. Em contrapartida, se ignoradas as limitações de Brad Wilk e as esquisitices de Morello, é possível crer que o Soundgarden ressuscitou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Canções como "Show me How to Live," "What You Are," "Set it Off," e "Light My Way" são o resultado perfeito do casamento entre a alma do Soundgarden e o "corpo físico" do RATM. O que assusta, todavia, é que devido a tamanha previsibilidade, o disco acaba se tornando monótono. Por vários momentos, o ouvinte é tomado pelo pensamento de que algo está faltando, seja isso a maneira exuberante de comandar a bateria de Matt Cameron ou o vocal explosivo de Zack de la Rocha.

O fato que poderia ser interessante nesse álbum, mas que acaba não sendo, é conferir o RATM tocando músicas melódicas e ouvir Chris Cornell cantando sobre uma base instrumental mais simples. Baladas no estilo "Black Hole Sun" ou "Feel on Black days" aparecem mais do que alguém pudesse imaginar. Ao que parece, a banda optou pelo caminho das baladas na tentativa de evitar um desgaste desnecessário. Entre essas destacam-se "Like a Stone," "Shadow on the Sun" e o blues "Getaway Car."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Existe ainda outra mudança, além da vocal, para os fãs de RATM. As composições que agora estão por conta de Chris Cornell, tratam de temas mais profundos e pessoais. Morte e solidão, assuntos obrigatórios nos discos do Soundgarden, são temática constante no disco do Audioslave. Bandas baratas que gostam de tratar desses temas, como o Creed ou Nickelback, devem estar morrendo de inveja numa hora dessas.

Apesar dos contra-tempos, não devemos nos esquecer de que essa banda é formada por músicos competentíssimos e criativos, e que portanto já não têm mais nada a provar. Infelizmente, o disco é apenas bom, o que pode levar muitos a pensar que tamanha expectativa não valeu a pena, mas valeu sim. O fato de termos de volta a ativa Chris Cornell e o RATM já vale por si só. A música dessas figuras, queiram ou não, é melhor do que muita coisa que está no mercado atualmente.


Outras resenhas de Audioslave - Audioslave

Resenha - Audioslave - Audioslave

Resenha - Audioslave - Audioslave

Resenha - Audioslave - Audioslave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Chris Cornell: sogra critica Eddie Vedder por não ir ao funeral



Sobre Bruno Romani

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Bruno Romani.