Resenha - Land Of The Free - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Quase sete anos após ter sido lançado, a Century Media trouxe ao Brasil o clássico "Land Of The Free", do grupo alemão Gamma Ray. Tal disco é um marco na história do Heavy Metal, pois a partir desse álbum, Kai Hansen assumiu o posto de vocalista, deixado por Ralf Scheepers. Além de contar com Kai Hansen nos vocais e na guitarra, a banda na ocasião, ainda contava com Dirk Schlächter na guitarra, Jan Rubach no baixo e Thomas Nack na bateria.

Guns N' Roses: a história da saída de cada integranteLemmy Kilmister: "Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

"Land Of The Free" é o típico álbum que podemos chamar de indispensável, pois conseguiu reunir todos os ingredientes necessários para se formar um clássico: uma banda totalmente entrosada (mesmo com a mudança no vocal), composições muito criativas e uma produção impecável do mestre Charlie Bauerfeind (que já produziu Helloween, Freedom Call, Blind Guardian, Angra, Viper, entre outros) ao lado de Hansen e Schlächter. Além disso, a banda ainda contou com participações especiais de ícones do Metal, como Hansi Kürsh (Blind Guardian) e Michael Kiske (ex-Helloween).

O grande desafio para o Gamma Ray, ao lançar o "Land Of The Free", seria fazer um trabalho tão bom quanto os anteriores, porém, desta vez, sem o excelente vocal de Ralf Scheepers... E logo de início, na faixa de abertura, Kai Hansen mostrou que teve êxito ao assumir o microfone do Gamma Ray, mesmo tendo um vocal mais limitado do que o de Ralf.

Todas as composições do disco são de altíssima qualidade, porém, o destaque do álbum fica por conta da faixa de abertura, "Rebellion In Dreamland", que além de ter um refrão marcante, tem passagens muito bem elaboradas, com diversas vozes e solos alucinantes. "Men On A Mission" e "Fairytale", que vêm praticamente emendadas uma a outra, são autênticas obras do power melódico, que deixam qualquer 'banger' em estado de choque. A faixa título, "Land Of The Free" é outro momento positivo do disco; Kai Hansen provou de uma vez por todas, ser um dos compositores mais criativos no gênero, ao criar esse clássico.

A belíssima balada "Farewell", composta por Dirk Schlächter, não ficou deslocada no meio de tantas canções pesadas e manteve a tradição do Gamma Ray de sempre ter alguma música "mais leve" em seus álbuns. "Time To Break Free" é sem dúvida uma das músicas que mais agrada aos fãs do velho Helloween, pois tem a participação do vocalista Michael Kiske. A música não chega a soar como o Helloween da época dos Keepers, mas vale pelo simples fato de se ouvir novamente Michi ao lado de Kai.

"Land Of The Free" é daqueles discos que não podem faltar na coleção de quem gosta do bom e velho Heavy Metal. Se você ainda não tem esse álbum na sua prateleira, as suas chances de adquiri-lo ficaram mais fáceis, pois finalmente esse clássico está sendo lançado no Brasil, pela Century Media.


Outras resenhas de Land Of The Free - Gamma Ray

Gamma Ray: "Land of the Free", chegou sua hora




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gamma Ray"


Futebol e Música: A Seleção Alemã do Heavy MetalFutebol e Música
A Seleção Alemã do Heavy Metal

Para entender: o que é power metal?Para entender
O que é power metal?

Power Metal: 10 álbuns essenciais segundo About.comPower Metal
10 álbuns essenciais segundo About.com


Guns N' Roses: a história da saída de cada integranteGuns N' Roses
A história da saída de cada integrante

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

Anos 80: bandas nacionais que o tempo esqueceuAnos 80
Bandas nacionais que o tempo esqueceu

Câncer na língua: entenda a doença de Bruce DickinsonCâncer na língua
Entenda a doença de Bruce Dickinson

Heart: a agressão que congelou a banda e separou as irmãs WilsonHeart
A agressão que congelou a banda e separou as irmãs Wilson

Shows: curtir música ao vivo te ajuda a viver por mais tempo, diz estudoShows
Curtir música ao vivo te ajuda a viver por mais tempo, diz estudo


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336