Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


PRB

Resenha - At Sixes and Sevens - Sirenia

Por Rafael Carnovale
Em 27/07/02

Nota: 9

Após deixar o Tristania em 2001, Morten Veland, guitarrista, vocalista e compositor da banda resolveu montar seu próprio projeto. Enquanto o Tristania lançava o excelente "World of Glass", Veland compunha o que viria a ser seu novo projeto: O Sirenia. Uma continuação do que o Tristania fez em "Beyond the Veil", mas com uma aproximação muito maior ao heavy tradicional e com um clima bem menos deprê que sua banda original.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"At Sixes and Sevens" é antes de tudo um cd de gothic-metal. Estão presentes todos os elementos do estilo: o clima atmosférico, a alternância de vocais limpos e urrados, com vocais femininos, e o uso de teclados e cordas para aumentar o clima das músicas. Mas o que faz o Sirenia para ser diferente nesse ponto?

A primeira música "Meridian", já dá pistas diretas de tal fato: riffs cortantes de guitarra, entre coros e teclados, levam a música a um pique bem heavy tradicional, próximo ao que fazem atualmente bandas como Children of Bodom e In Flames. Morten está cantando como nunca, e o fato de usar 3 vocalistas masculinos e uma vocalista de extremo talento (Fabienne Gondamin), permite à banda soar extremamente diversificada, sem se prender a uma fórmula quanto aos vocais. O mesmo se repete em "Sister Nightfall" e "Onthe Wayne", que possuem ótimas levadas, e a habilidade no uso dos teclados e vozes as fazem verdadeiramente empolgantes. Ao vivo soará matador.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Essa é a tônica do cd. Apesar de encontrarmos uma faixa bem mais diferenciada, como a balada "In Sumerian Haze", o cd prima por faixas de gothic com uma pegada bem metal, sendo inovador nesse estilo, embora o próprio Tristania tenha feito experimentos nesse sentido em "World of Glass".

Destaque para as magníficas "In a Manica" e "Lethargica", que de tão heavy que soam, chegam a parecer fora do contexto gótico. Veland pareceu querer resgatar os primórdios do Death e do Doom, fazendo aproximações perfeitas entre esses estilos, o metal tradicional e o lado mais gótico.

Um ótimo cd, que se diferencia dos demais pela diversidade de estilos aliada a uma qualidade inquestionável. Recomendável! Agora sim um cd real de GOTHIC AND METAL!

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Formação:
Morten Veland – Guitarras, Vocais
Pete Johansen – Violinos
Fabienne Gondamin – Vocais femininos
Kristian Gundersen – Teclado e Vocais
Jan Kenneth Barkved – Vocais Limpos
Hans Henrik - Teclado

Material Cedido pela:
Hellion Records
http://www.hellionrecords.com

Licenciado pela Napalm Records.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Symphonic Metal: As dez cantoras mais influentes e impressionantes



Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.