Resenha - Trey Anastasio - Trey Anastasio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O vocalista/guitarrista do cultuado Phish lança pela primeira vez seu trabalho solo (ele havia lançado recentemente o "Oysterhead", com Les Claypool e Stewart Copeland) e consegue sucesso em mais um projeto musical. É impressionante a riqueza da música de Trey, com uma variação de estilos surpreendente, composições primorosas, com arranjos fantásticos e melodias de ficar de boca aberta. Logicamente que para todos os fãs do Phish, que está de "férias" por tempo indeterminado, esse álbum é uma surpresa e tanto.

Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenSupergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Ouvindo as três primeiras faixas ("Alive Again", "Clayman Review" e "Push on'til the Day" respectivamente) já dá para sentir o quanto o álbum é eclético, mas chegando ao fim do CD é surpreendente notar como há uma variação tão grande de estilos, que se mantém de algum jeito completamente encaixados entre si, proporcionando uma audição pra lá de instigante.

Trey está dando uma aula no seu instrumento e durante as 12 faixas que compõem o disco seguem repetidas partes instrumentais, sempre com grande destaque para a guitarra.

Falar nas melhores faixas é até besteira pois o disco é excelente do começo ao fim. É só ouvir rockaços como "Night Speaks to a Woman" e "Money, Love and Change" e saber o porquê de Trey Anastasio ser um dos músicos mais respeitados do planeta.

É ligar o aparelho de som, botar no máximo e ouvir rock 'n' roll da melhor qualidade, feito por uma das pessoas que mais entende do assunto no mundo. Quem dera existissem mais músicos assim.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Trey Anastasio"


Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenFotos de Infância
Yngwie Malmsteen

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Fotos de Infância: Cliff Burton, do MetallicaFotos de Infância
Cliff Burton, do Metallica

Yes: os álbuns da banda, do pior para o melhorYes
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

Journey: Steve Perry era um fenômeno humano, diz baixista do StyxJourney
"Steve Perry era um fenômeno humano", diz baixista do Styx


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.