Resenha - Call To Arms - C4

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


A carreira de Michael Angelo estava num marasmo de dar dó. Financeiramente talvez não, pois CDs e vídeos eram lançados com freqüência e o marketing em cima do cara é gigantesco. O problema é que nada mudava, e ficava aquele lance cansativo e azucrinante. Nem o próprio sobrenome ele sabia (Batio ou Angelo?).

Iron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na bandaPearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

Numa alegria do acaso, o guitarrista teve a luz de perceber o talento e carisma do vocalista Dan Lenegar, e chamá-lo para formar uma banda, no caso, esta da qual tratamos, o C4. Para acompanhá-los foram convocados o baixista Bill Kopecky e o baterista John Mrozek, ambos também bem competentes.

O material para o debute intitulado "Call To Arms" proveio de composições antigas de Angelo, da época de Holland, Nitro, entre outros. Porém, tudo adaptado aos vocais agressivos e nada histéricos do excelente Lenegar. Seria dose ouvir, por exemplo, um Jim Gillette cantando essas músicas.

O álbum apresenta uma boa regularidade, com momentos agradáveis superando bobagens semipops como "Crazy Love". Referências contundentes ao hard rock de qualidade dos anos oitenta, se evidenciam em "Gotta Run", "Call To Arms", "High Life" (com citação à fantástica "No Boundaries" no solo) e "I Want It".

Todavia, o nome do grupo não se justificaria sem a explosão do riff magnífico de "Basics Of The Bullet", a única verdadeira obra-prima do disco. Pra quem não sabe, C4 é uma mistura plástica explosiva composta por 91% RDX e 9% de aditivos plastificantes, e possuindo poder de detonação suficiente para gerar ondas de compressão capazes de iniciar a fissão nuclear de uma bomba de urânio-235.

Sem dúvida, o efeito de Michael Angelo & cia ainda não foi tão devastador e abrangente quanto o da arma que os nomeia. Contudo, "Basics Of The Bullet" dá a deixa de que isso pode acontecer e arrebentar em trabalhos futuros.

Material cedido por:

Rock Brigade / Laser Company Records - http://www.lasercompany.com.br
Rua Madre de Deus 432 - CEP: 03119-000
São Paulo / SP - BRASIL
Tel.: (0xx11) 6605-6011
Fax: (0xx11) 6096-2288
Email: lasercompany@lasercompany.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "C4"


Iron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na bandaIron Maiden
Bruce diz não haver muito diálogo na banda

Pearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desistePearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

Pra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metalPra convencer
Dez álbuns de metal para quem não gosta de metal

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

Slash: Adele é uma injeção no braço da indústriaSlash
"Adele é uma injeção no braço da indústria"

Ozzy Osbourne: quem manda no Black Sabbath é o Tony IommiOzzy Osbourne
Quem manda no Black Sabbath é o Tony Iommi


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.