Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Stamp

Megadeth: Pena que o começo da banda chegou junto com seu final

Resenha - Killing Is My Business... And Business Is Good! - Megadeth

Por Rafael Carnovale
Em 11/04/02

Nota: 9

É ironia pura fazer a resenha desse cd, o primeirão do Megadeth, lançado em 1984, quando se anuncia o fim da banda. E principalmente após o lançamento de seu primeiro cd ao vivo (o duplo RUDE AWAKENING) e este relançamento, com um encarte recheado de fotos e notas dos membros da banda, e com uma capa nova, com Mr. Vic Rattlehead bem mais assustador. Mas este cd há muito merecia um relançamento digno, pois é um dos melhores, senão o melhor da banda. Mustaine acabara de ser despedido do Metallica, e queria a todo custo lançar uma banda que fizesse frente a Hetfield e cia. Então preparou esse debut, com uma formação muito habilidosa, da qual só restou o baixista Dave Elfeson, e com uma pegada tipicamente heavy/thrash dos anos 80. O cd abre com Last Rites/Loved to Death, uma doce introdução para uma pancadaria bem trash, próxima do que o Metallica fez em Kill em All, só que bem mais agressiva. Os vocais de Mustaine eram bem mais esganiçados, gritados, bem diferentes do estilo mais "melódico" que ele adotou em seus cd’s mais recentes. A música é altamente saudosista, uma porrada heavy com pegada agressiva, que mereceria ser ouvida mais vezes. Logo depois vem a faixa título, uma pedrada thrash mais cadenciada, altamente contagiante. Como era bom ouvir esses sons. Outro destaque fica para The Skull Beneath the Skin, uma pedrada bem heavy anos 80, aonde Mustaine despeja toda sua agressividade contida numa levada contagiante. Rattlehead é a história do famoso mascote da banda, e impõe mais velocidade ao cd, sendo uma das melhores. O nível do cd continua alto nas 2 faixas seguites, Chosen Ones, e a semi tranqüila Looking Down the Cross, com riffs cadenciados e muitas mudanças de andamento, característica que marca várias faixas do cd. As 2 últimas faixas não deixam nada a desejar, a famosa Mechanix, que teria inspirado a clássica The Four Hoursemen do Metallica, e realmente as duas têm similaridades, mas isso não tira o mérito da música, que é excelente, sendo junto com Rattlehead os destaques principais. O que seria o LP fecha com These Boots, que apesar do começo um tanto estranho mostra ser do mesmo pique de todas as faixas, embora pareça diferente pelas guitarras mais "brincalhonas". De bônus temos as demos de Last Rites/Loved to Death, Mechanix e The Skull Beneath the Skin, com uma gravação mais precária, e algumas diferenças no vocal e guitarras. A ressaltar o bom trabalho de guitarras da dupla Mustaine/Chirs Polland. Pena que o começo da banda chegou junto com seu final (ironia). Será?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Killing Is My Business... And Business Is Good! - Megadeth

Resenha - Killing Is My Business... And Business Is Good! - Megadeth

Resenha - Killing Is My Business... And Business Is Good! - Megadeth

Resenha - Killing Is My Business... And Business Is Good! - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.