Resenha - Vanitas - Macbeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar Correções  

8


Foi em 1998 que no Brasil chegava o primeiro álbum desta banda, o mediano Romantic Tragedy's Crescendo, que marcava de vez a presença do metal gótico no mundo e no Brasil. Mas após 3 anos "em branco", é lançado o álbum "Vanitas", que coloca novamente o nome do Macbeth em foco dentro desta competitiva cena gótica atual.

A banda atualmente é formada por Andréas (vocal masculino), Morena (vocal feminino), Fabrizio (bateria), Alex e Luca (guitarras), Andréa (teclados) e Sem (baixo). Macbeth é uma banda italiana, um pouco diferente das demais góticas como Lacuna Coil ou Edenbridge, pois apostam quase completamente nos vocais masculinos bem rasgados e melancólicos como, por exemplo, o Moonspell. A voz da vocalista Morena apenas serve como um apoio em algumas músicas mas em outras oportunidades a voz dela é colocada em todas as partes mais cadenciadas das músicas. Este "Vanitas" apresenta esses dois opostos: músicas rápidas e empolgantes com um vocal bem rasgado ou músicas calmas e melódicas com a beleza de uma voz feminina. Exatamente um bom álbum para quem gosta de um tipo ou do outro, mas especialmente para quem curte estes dois lados do gótico.

publicidade

O álbum abre com a introdução "13 November" que, ao meu ver, está muita bem composta para a entrada da próxima música "Crepuscularia" que, esta sim, é uma ótima música. "Crepuscularia" segue na linha do "gótico rasgado" citado anteriormente, sendo na minha opinião uma das melhores músicas deste CD. As próximas "Lady Lily White" e "Fables" andam regulares, soando com mais partes no teclado e com uma presença muito maior da voz feminina. Isto sim que é uma coisa que não merece destaque pois não adiciona nada de novo no som da banda. Já "Moisa" é uma música acústica, apenas tocada em violão e só cantada por Morena. Uma bonita música. "El Diablo y La Luna" é outra grande música, bem agressiva e com partes realmente impressionantes. A melhor do CD! Vanitas segue com duas músicas razoáveis: "Pure Treasure" e "Green Orchestra" que são, com certeza, as mais melancólicas deste álbum. Terminando o CD estão "Romanzo Nero" (uma balada em italiano, muito interessante), "Maeresis Dea" (retornando à influência mais agressiva" e "Hall of Scarlets" (que soa como uma finalização do trabalho).

publicidade

Por fim, fica a impressão de inovação pelas vozes rasgadas e trechos em italiano, o que faz de "Vanitas" um bom álbum para quem deseja conhecer algo diferente do gótico atual.

e-mail oficial: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre "Zero the Hero" e "Paradise City"

Pink Floyd: tudo sobre Another Brick in the WallPink Floyd
Tudo sobre "Another Brick in the Wall"


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin