Resenha - Vanitas - Macbeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Foi em 1998 que no Brasil chegava o primeiro álbum desta banda, o mediano Romantic Tragedy's Crescendo, que marcava de vez a presença do metal gótico no mundo e no Brasil. Mas após 3 anos "em branco", é lançado o álbum "Vanitas", que coloca novamente o nome do Macbeth em foco dentro desta competitiva cena gótica atual.

Bizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James DioTop 500: as melhores de todos os tempos segundo a Rolling Stone

A banda atualmente é formada por Andréas (vocal masculino), Morena (vocal feminino), Fabrizio (bateria), Alex e Luca (guitarras), Andréa (teclados) e Sem (baixo). Macbeth é uma banda italiana, um pouco diferente das demais góticas como Lacuna Coil ou Edenbridge, pois apostam quase completamente nos vocais masculinos bem rasgados e melancólicos como, por exemplo, o Moonspell. A voz da vocalista Morena apenas serve como um apoio em algumas músicas mas em outras oportunidades a voz dela é colocada em todas as partes mais cadenciadas das músicas. Este "Vanitas" apresenta esses dois opostos: músicas rápidas e empolgantes com um vocal bem rasgado ou músicas calmas e melódicas com a beleza de uma voz feminina. Exatamente um bom álbum para quem gosta de um tipo ou do outro, mas especialmente para quem curte estes dois lados do gótico.

O álbum abre com a introdução "13 November" que, ao meu ver, está muita bem composta para a entrada da próxima música "Crepuscularia" que, esta sim, é uma ótima música. "Crepuscularia" segue na linha do "gótico rasgado" citado anteriormente, sendo na minha opinião uma das melhores músicas deste CD. As próximas "Lady Lily White" e "Fables" andam regulares, soando com mais partes no teclado e com uma presença muito maior da voz feminina. Isto sim que é uma coisa que não merece destaque pois não adiciona nada de novo no som da banda. Já "Moisa" é uma música acústica, apenas tocada em violão e só cantada por Morena. Uma bonita música. "El Diablo y La Luna" é outra grande música, bem agressiva e com partes realmente impressionantes. A melhor do CD! Vanitas segue com duas músicas razoáveis: "Pure Treasure" e "Green Orchestra" que são, com certeza, as mais melancólicas deste álbum. Terminando o CD estão "Romanzo Nero" (uma balada em italiano, muito interessante), "Maeresis Dea" (retornando à influência mais agressiva" e "Hall of Scarlets" (que soa como uma finalização do trabalho).

Por fim, fica a impressão de inovação pelas vozes rasgadas e trechos em italiano, o que faz de "Vanitas" um bom álbum para quem deseja conhecer algo diferente do gótico atual.

e-mail oficial: crepuscularia@yahoo.it




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Macbeth"


Bizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James DioBizarre Magazine
Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Top 500: as melhores de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Bruce Dickinson: deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldiaBruce Dickinson
Deixando o cabelo crescer novamente em ato de rebeldia

Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaAxl Rose
Como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Courtney Love: sex-tape com Cobain encontrada por diretor de documentárioCourtney Love
Sex-tape com Cobain encontrada por diretor de documentário

ZZ Top: os sagrados primeiros álbuns alterados em estúdioZZ Top
Os sagrados primeiros álbuns alterados em estúdio


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336