Resenha - Invisible Circles - After Forever

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Pessoalmente, sempre gostei muito do som do After Forever. A pegada deles sempre foi mais voltada para as vertentes mais tradicionais do heavy metal, e, apesar de sempre terem contado com uma mini-orquestra, corais e coisas assim, nunca desviaram o seu som de algo muito próximo daquilo que faziam no início da carreira, quando eram comuns os covers de bandas de NWOBHM, que, notadamente, são grandes influências deste grupo holandês.

Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraMetallica: os segredos de "Enter Sandman"

Floor Jansen, embora apresente ainda mais punch metálico nesse CD, possui momentos de rara beleza, como na incrível maratona vocal que é "Sins of Idealism" ou quando dialoga com Sander Gommans na genial "Between Love and Fire" (dê uma boa sacada na letra dessa música. Vale a pena). Aliás, as passagens cantadas pelo também guitarrista do grupo aumentaram significativamente, mostrando que o After Forever optou por seguir um caminho diferente da maioria das bandas de gothic metal e, em vez de suavizar o seu som, tornou-o ainda mais pesado, sem abrir mão do bom gosto e da melodia (ouça "Eccentric" e os belíssimos corais de "Victim of Choices") que sempre caracterizaram o trabalho da banda.

Diferentemente da maioria das cantoras que surgiram no meio metálico nos últimos tempos, Floor Jansen não se esquece que, antes de qualquer coisa, ela está cantando heavy metal. Isso é importante para não tornar chatos e derivativos os momentos mais melodiosos do disco, como é o caso das lindas "Digital Deceit" e ""Reflections" . Com o auxílio dos jovens e talentosos músicos da banda, ela consegue transmitir as mais variadas emoções sem jamais soar auto-indulgente ou melancólica em excesso. Embora todos os músicos estejam em excelente forma (destaque especial para o baixista Luuk van Gerven e para o baterista André Borgman) é principalmente por causa de Floor Jansen que este pode ser facilmente considerado o melhor disco da meteórica e brilhante carreira do After Forever.

De longe, esse é um dos melhores discos do estilo e vai demorar muito para alguém conseguir superar o grupo em termos de qualidade instrumental, criatividade, cuidado com todos os itens extramusicais que envolvem o disco e, principalmente, intensidade. Quem é fã do estilo, vai encontrar todos os elementos característicos apresentados de modo inovador. Quem ainda não se rendeu à sonoridade do After Forever, pode ouvir sem temores. É quase impossível não gostar de primeira.


Outras resenhas de Invisible Circles - After Forever

Resenha - Invisible Circles - After Forever




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "After Forever"


Nightwish: Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da bandaNightwish
Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da banda

Nightwish: Encontros com fãs são luxo, não obrigação, diz FloorNightwish
"Encontros com fãs são luxo, não obrigação", diz Floor

Metal sinfônico: os 10 melhores segundo o TeamRockMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock


Roadrunner: os dez melhores vídeo-clipes da gravadoraRoadrunner
Os dez melhores vídeo-clipes da gravadora

Metallica: os segredos de Enter SandmanMetallica
Os segredos de "Enter Sandman"

Metallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritasMetallica
Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

Sounds Entertainment: as 100 melhores músicas do Heavy MetalSounds Entertainment
As 100 melhores músicas do Heavy Metal

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Slipknot: tatuador de Corey Taylor está angustiado e quer terminar rabisco inacabadoSlipknot
Tatuador de Corey Taylor está angustiado e quer terminar rabisco inacabado

Exodus: o Metallica é, de longe, a maior banda de Metal do mundoExodus
O Metallica é, de longe, a maior banda de Metal do mundo


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336