Resenha - Invisible Circles - After Forever

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar Correções  

10


A expectativa por esse terceiro álbum da banda After Forever era muito grande, e ao colocar "Invisible Circles" para rodar, percebe-se que a espera era proporcional à qualidade do álbum. A banda não fugiu do estilo que os consagrou, fazendo um Gothic Metal de muito bom gosto, com peso e com uma temática interessante: o álbum – conceitual - conta a história de um casal que tem uma filha de 14 anos indesejada, que detesta os pais, e vai presenciando diálogos e discussões entre os dois. No encarte do disco, é possível ler os trechos do diário da adolescente, aonde ela vai contando fatos que ilustram as composições.

publicidade

"Childhood in Minor" é a introdução de pouco mais de um minuto. Uma melodia do tipo "caixinha de música" vai tocando, enquanto ao fundo escuta-se vozes e gritos de crianças brincando. "Beautyfull Emptiness" já é emendada à introdução com um riff muito pesado, acompanhado de um coro de vozes. Impossível falar de um disco do After Forever sem elogiar a voz fantástica de Floor Jansen, por pelo menos uma vez. O vocal da moça apesar de soprano carrega cacoetes "metálicos", demonstrando uma grande versatilidade. Durante o álbum inteiro ocorrem os diálogos entre Floor e o guitarrista Sander Gommans, que faz a voz gutural. "Between Love and Fire" é a faixa mais interessante do álbum. Os riffs são muito bem feitos, os diálogos são envolventes e a ponte e o refrão são extremamente bem feitos, daqueles marcantes mesmo, que ficam na cabeça por um bom tempo.

publicidade

Por se tratar de um disco conceitual, o ouvinte mais distraído pode não perceber a mudanças das faixas, pois são praticamente emendadas uma nas outras, as composições são homogêneas, carregando em comum o peso. Aliás, peso e agressividade são evidentes neste álbum, diferentemente dos discos anteriores que não tinham esse "teor" em 100% do tempo. A única quebra de clima fica por conta da balada "Eccentric", que conta apenas com o vocal impecável de Floor e um piano. Os trabalhos da orquestra de cordas e dos coros vocais estão perfeitos, não é nada exagerado. Impecável também estão os músicos que compõe a cozinha da banda, Luuk Van Gerven (baixo) e Andre Borgman (bateria), numa sincronia perfeita, com destaque para o ótimo trabalho de Andre na pesadíssima "Blind Pain".

publicidade

"Invisible Circles" é um disco para ser ouvido e apreciado, que já nasceu com cara de "álbum referência" nesse estilo. Vale a pena correr atrás desse novo trabalho do After Forever e conferir o que Floor Jansen e cia. têm para oferecer. Duvido que não agrade!

Gravadora: Hellion Records

publicidade


Outras resenhas de Invisible Circles - After Forever

Resenha - Invisible Circles - After Forever




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


After Forever: Floor Jansen se sente traída por relançamentosAfter Forever
Floor Jansen se sente traída por relançamentos

Nightwish: Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da bandaNightwish
Floor e a dificuldade em lidar com lado suave da banda


Separados no nascimento: Geddy Lee e Marquito do RatinhoSeparados no nascimento
Geddy Lee e Marquito do Ratinho

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin