Resenha - Busted Stuff - Dave Matthews Band

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar Correções  

10


Em 2001 saía do forno "Everyday", depois de um período de depressões e problemas pessoais para Dave Matthews, culminando no "engavetamento" de um CD que estava praticamente pronto, que iria se tornar as "Lillywhite Sessions".

publicidade

"Everyday" se mostrava muito mais comercial e acessível do que os outros álbuns da DMB, produzido por Glenn Ballard, conhecidamente POP. Muitos fãs não gostaram do lançamento e se perguntavam por que as sessões gravadas com o produtor Steve Lillywhite tinham sido guardadas, já que pérolas como "Grey Street" e "Raven" estavam no seu set list e eram bastante conhecidas pelos fãs da banda, que vinha tocando essas músicas constantemente nos shows.

publicidade

O inesperado (ou esperado... ) aconteceu: as agora famosas "Lillywhite Sessions" vazaram na internet e movimentaram os fãs da banda por bastante tempo. Infelizmente elas nunca foram lançadas oficialmente.

2002 chega e a DMB anuncia mais um lançamento: "Busted Stuff". Dessa vez nada de Glenn Ballard ou mesmo Steve Lillywhite, o CD seria produzido pela própria banda junto com o engenheiro de som Steve Harris. Para delírio dos fãs o disco ia conter a grande maioria das músicas das "Lillywhite Sessions" (ficaram de fora somente "JTR", "Monkey Man" e "Sweet Up and Down") e mais duas inéditas.

publicidade

Compre "Busted Stuff", ponha o CD no seu som e deixe rolar. É a Dave Matthews Band fazendo seu melhor: música. Nada mais, nada menos.

"Busted Stuff" (que dá nome ao CD) abre o disco bem pra cima, seguida de "Grey Street", que emociona não só pela melodia, mas também pela interpretação de Dave Matthews, sem contar com a letra, que é linda.

"Where Are You Going", o primeiro single, se mostra a mais acessível do CD, mas é com "You Never Know" que a Dave Matthews Band mostra todo seu potencial: quebradas de ritmos, melodias instigantes , uma aula de bateria de Carter Beauford e um esculacho de Stefan Lessard no baixo. Mais uma letra magistral.

publicidade

"Captain" se mostra em uma versão muito diferente da que foi gravada nas "Lillywhite Sessions", com Dave Matthews tocando guitarra, um ritmo mais suingado, e maravilhosas incursões do saxofone de Leroi Moore. Outro ponto alto do disco.

Quando achamos que já está bom demais e que o nível não deve se manter até o final do CD, "Raven" mostra exatamente o contrário, com letras completamente reescritas, uma parede de som se ergue e desta vez os destaques ficam para o violino de Boyd Tinsley e os vocais de Matthews, que parece se superar a cada CD.

publicidade

A balada "Grace is Gone" mantém o clima ("one drink to remember and another to forget"... e Dave continua com suas letras...) e abre espaço para "Kit Kat Jam", que na sua versão original tinha vocais, mas nesta versão ficou totalmente instrumental, com diversos solos de violino e sax. A banda é o destaque, mais uma vez Dave Matthews tocando guitarra e Carter Beauford destruindo tudo na bateria.

publicidade

Talvez a mais depressiva de "Busted Stuff", "Diggin a Ditch", foi escrita por Matthews em uma época não muito feliz de sua vida. "Big Eyed Fish" tem uma letra engraçada, mas que é também bastante depressiva e marca uma das melhores linhas vocais que Dave Matthews já compôs.

Para fechar o CD nada melhor que "Bartender", a música mais épica já escrita pela DMB, que (se você estiver vivo até aqui) vai fazer qualquer pessoa que goste de música se emocionar. Uma obra-prima. Pesada, tensa, com uma letra neurótica e arranjos de dar arrepios.

publicidade

Este é "Busted Stuff". A volta da Dave Matthews Band para suas raízes, fazendo uma música empolgante, original e sincera.

Site oficial: www.dmband.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bateristas: canhotos que tocam de forma diferenteBateristas
Canhotos que tocam de forma diferente

LA Weekly: as 20 piores bandas de todos os temposLA Weekly
As 20 piores bandas de todos os tempos


Separados no nascimento: Robert Plant e Patrícia PillarSeparados no nascimento
Robert Plant e Patrícia Pillar

Separados no nascimento: Eddie e Seu MadrugaSeparados no nascimento
Eddie e Seu Madruga


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin