Matérias Mais Lidas

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemIron Maiden apresenta Eddie em versão samurai ao vivo; veja vídeo oficial


Stamp

Resenha - Paradise Lost - Aztec Jade

Por Fabrício Boppré
Em 25/11/00

Nota: 8

A Aztec Jade é uma banda americana que pratica um prog metal um pouco menos afetado, quero dizer, não existem verdadeiramente aqueles momentos progressivos no meio de suas músicas, como gosta de fazer o Dream Theater, por exemplo. A banda prima pela técnica de seus instrumentistas e por composições quebradas e com um certo nível de complexidade em alguns momentos, seguindo a linha do material antigo de bandas como Queensryche e Fates Warning. Mas é notável também a pretensão do conjunto em deixar seu som mais acessível, mais equilibrado e com mais melodia, tornando-se assim injusto rotulá-la como simplesmente uma banda de prog metal. Em alguns momentos o Aztec flerta com o metal melódico, e, devido ao trabalho de guitarras mais sujas e descompromissadas em certas partes, desanda para o bom e velho hard rock sem firulas.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Feitas essas divagações para situar o leitor quanto ao tipo de música que o Aztec produz (e os tão discutidos rótulos servem unicamente para isso), podemos analisar a música propriamente dita. "Paradise Lost", lançado pelo selo italiano Adrenaline Records, contém os dois primeiros trabalhos da banda, o EP "Modern Prophet", de 1995, e o álbum "Frame Of Mind", de 1997, além de uma nova faixa. São 17 faixas no total, geralmente curtas e bem acabadas, com a banda mostrando entrosamento e habilidades individuais em seus respectivos instrumentos. As melodias não possuem lá muita originalidade e a produção não é exatamente perfeita, mas consegue equilibrar bem os instrumentos. Teclados, a cargo de Tim Becker, são usados em todas as músicas, naquele mesmo esquema tradicional de fundo-atmosférico. O guitarrista Matt Howenstein sabe o que faz, e em faixas como "Mad Not Crazy" e "Desperate Land", deixa claro que uma de suas principais influências é John Petrucci. Constrói outros excelentes solos também em faixas como "Soul Inside Of Me" e "Modern Prophet". O baterista Rick Miller também está à vontade e não deixa a peteca cair, destacando-se em alguns momentos, como na quebrada faixa de abertura, "Regatta Fugue Part I". O vocal de Leon Ozug é limpo e segue a linha de André Mattos e de outros, como a do vocalista do Time Machine. Em alguns momentos Leon abusa da técnica, forçando e trabalhando demais a voz, acabando por soar nada natural. De qualquer maneira, deve agradar aos fãs do estilo, que muitas vezes dão mais valor a técnica do que propriamente ao feeling. Por fim, o baixista Brian Kowalski é discreto e mantém seu instrumento na média, estruturando bem as canções e não aparecendo muito.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

As faixas que se destacam são as empolgantes "Mad Not Crazy" e "Requiem" (essa última é muito boa, a melhor do disco), a climática "Atlantis", a sinistra e bela "Nosferatu", e "Gates of Babylon" (nada a ver com a música homônima do Rainbow). Os músicos são bons e esforçados, as composições possuem bons momentos (alguns são realmente muito inspirados), mas aparentemente falta alguma coisa para que o grupo decole e se torne referência no estilo. Mas tem potencial, e o público do prog metal deve conhecer o quinteto imediatamente.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash