Resenha - Anthology 1994-1999 - Yngwie Malmsteen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

9


Coletâneas normalmente agradam aos fãs, que podem ouvir suas músicas prediletas em um único cd. Da mesma forma, também podem desagradar, pois muitos sentem a falta de uma ou outra música. "Anthology 1994-1999" não é uma exceção. Ao ler o track list, senti falta de algumas músicas, como "Playing With Fire" e "Leonardo", que em minha opinião não poderiam ficar de fora de um álbum como este. Porém, isso é uma questão de gosto. Não há como agradar a gregos e troianos.

publicidade

A primeira faixa do álbum é inédita e se chama "Gimme! Gimme! Gimme!". Trata-se de um cover do Abba. Isso mesmo. Yngwie Malmsteen tocando Abba! E para aqueles que pensavam que o resultado seria algo ridículo, a resposta está neste novo lançamento. Malmsteen soube colocar peso na guitarra, intercalando a música do Abba com os toques de hard rock/metal neo-clássico já bem famosos em suas composições. Contou também com a maravilhosa atuação de Mark Boals, apresentando, mais uma vez, uma técnica espetacular e um vocal poderoso.
Na seqüência, quatro músicas do álbum "The Seventh Sign": "Never Die", "Brothers", "The Seventh Sign" e "Crash And Burn"; duas do "Magnum Opus": "Vengeance" e "Fire In The Sky"; três tiradas de "Facing The Animal": "Like An Angel – For April", "My Resurrection" e "Another Time"; duas do ao vivo no Brasil: "Rising Force" e "I’ll See The Light, Tonight"; duas de "Alchemy": "Wield My Sword" e "Hangar 18, Area 51"; e finalizando com mais duas instrumentais inéditas, "Flamenco Diablo" e "Amadeus Quattro Valvole". Por sinal, duas excelentes composições, que confirmam a volta de Malmsteen aos bons tempos de "Rising Force", "Marching Out", etc.
Uma coletânea indispensável para qualquer fã do guitarrista sueco. Vale a pena conferir.

publicidade

Site Oficial: http://www.yngwie.org




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: não daria certo se fossem três Yngwie Malmsteens na guitarraIron Maiden
Não daria certo se fossem três Yngwie Malmsteens na guitarra

Brian May: Bohemian Rhapsody com orquestra de guitarras de Vai, Malmsteen e maisBrian May
"Bohemian Rhapsody" com orquestra de guitarras de Vai, Malmsteen e mais

Jeff Scott Soto: você não trabalha com Yngwie Malmsteen; você trabalha para YngwieJeff Scott Soto
"você não trabalha com Yngwie Malmsteen; você trabalha para Yngwie"

B-sides: O piti no restaurante com Yngwie MalmsteenB-sides
O piti no restaurante com Yngwie Malmsteen


Guitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista BurnnGuitarristas
Os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn

Young Guitar: os 100 maiores guitarristas do hard/heavy segundo a revistaYoung Guitar
Os 100 maiores guitarristas do hard/heavy segundo a revista


Separados no nascimento: Dave Mustaine e Mika HakkinenSeparados no nascimento
Dave Mustaine e Mika Hakkinen

Black Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill WardBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin