Resenha - Beethoven's Last Night - Trans-Siberian Orchestra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar Correções  

9


Este é um projeto que todos que gostam de boa música deveriam ao menos ouvir. Produzido e composto em sua grande maioria (sem contar com as partes clássicas, todas de Beethoven e Mozart) por ninguém menos que Paul O’Neill, também produtor e compositor de grande parte do material do Savatage, o disco, que é o terceiro da Trans- Siberian Orchestra e com certeza o melhor de todos, é uma obra prima em todos os detalhes.

publicidade

A história se passa em Viena, na noite em que Beethoven morreu. Conta como se, nas suas últimas horas de vida, o próprio demônio (aqui interpretado por Jon Oliva, Savatage) tivesse aparecido para ele e tentasse entrar em um acordo, não ficando com sua alma caso Beethoven entregasse seu último trabalho, a décima sinfonia . A partir daí o maestro começa a relembrar sua vida inteira para ver se poderia mudar alguma coisa e não acabar com um fim tão trágico, mas se vê em apuros quando descobre que qualquer coisa que desejasse mudar poderia ter conseqüências desastrosas em sua carreira musical. O diabo acaba se dando mal no final, mas vale a pena ler o encarte todo do CD para saber como a história se apresenta até Ludwig morrer.

publicidade

Musicalmente o álbum é uma mescla de música clássica com rock, fazendo bem o estilão dos últimos trabalhos do Savatage, porém mais leve e com melodias mais suaves (mesmo assim mais pesado que os outros dois CDs anteriores). São baladas lindas, com grandes riffs e excelentes vocais, executados por talentosos cantores que compõem o "cast" da obra, onde cada um representa um personagem que participa da história contada, além de vários coros e instrumentistas, incluindo todos os integrantes do Savatage.

publicidade

Vale a pena ressaltar algumas perfomances, como na emocionante I’ll Keep Your Secrets, onde o amor da vida de Beethoven , Theresa (aqui interpretada magistralmente por Patti Russo) , dá uma aula de vocal, além das "medleys" instrumentais com várias partes clássicas , tudo muito bem encaixado e tocado. E na não menos que perfeita Mephistopheles’ Return, além de ser uma das faixas mais pesadas, há os característicos vocais utilizados nos últimos discos do Savatage, onde vão se encaixando uma voz em cima da outra, com melodias diferentes e sempre com grandes resultados, mostrando a grande influência que Paul O’Neill tem nas composições dessa banda.

publicidade

Com certeza um dos melhores lançamentos de um ano que ainda promete muito. BASTANTE ACONSELHADO.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Axl Rose: vocalista do Trans-Siberian ensina a cantar como eleAxl Rose
Vocalista do Trans-Siberian ensina a cantar como ele

Ronnie James Dio: Vocalista do Trans Siberian Orchestra ensina a cantar como eleRonnie James Dio
Vocalista do Trans Siberian Orchestra ensina a cantar como ele


Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Deep Purple: David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974Deep Purple
David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin