Resenha - Rebuilding - Proloud

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

9


Em Junho de 1999, ao revisar o primeiro CD demo do Proloud, intitulado "Fickle", dentre tantos elogios, destaquei: "Uma ótima estréia e mais uma promissora banda italiana. Fiquem de olho (...)". Pois bem, o tempo passou e nada deles com material novo. Meu agouro caia no vazio. Chegamos a 2002, e finalmente eles ressurgem, com um álbum completo, respondendo e superando a todas as expectativas.

publicidade

Num ano dourado para o metal progressivo com maravilhosos lançamentos como "Six Degrees Of Inner Turbulence" (Dream Theater), "Snow" (Spock’s Beard) e "Remedy Lane" (Pain Of Salvation), eles conseguem se destacar e chamar atenção mesmo perante os grandes nomes. Facilmente entram como fortíssimos candidatos ao posto de revelação mor deste período.

publicidade

Pra dar início, há de se apontar o profissionalismo inacreditável do grupo. Os cartões que acompanham o disco, as ilustrações, o formato digipack e todos os mínimos detalhes foram apreciados de maneira assombrosa, dando a impressão de estarmos cara-a-cara a um conjunto consagrado, cheio da grana e acompanhado por milhares de fãs mundo afora.

publicidade

As já boas demonstrações ficaram ainda melhores nesse som com influências límpidas, mas de resultado abrangente, único e original. Uma convergência perfeita de Shadow Gallery / Dream Theater e Rush, finalizando com passagens de nível técnico alto, oriundas do estranhamento causado, às vezes, por Spastic Ink e Frank Zappa, e caminhando até a melodia cativante e bela do jazz de Allan Holdsworth ou John McLaughlin.

publicidade

É simplesmente inconcebível a existência de uma composição como "Leave It To Nature". Timbres magníficos em variações brilhantemente executadas. Por outro lado, contudo não obstante, é abissal o resultado de "Fickle", "To Be On Fire" e da instrumental "Gethsemane". Torna-se necessário tomar certo ar no meio de tanto dinamismo, velocidade e complexidade. Daí vêm duas belíssimas baladas, "Shooting Star" e "Rebuilding". Ambas bem estruturadas, com ótimo trabalho de cordas e dedilhados encantadores, em graus semelhantes ao de "The Trees" do Rush. Óbvio que sobram alguns chavões, porém pequenos e irrelevantes.

publicidade

Vamos torcer para que alguma gravadora traga material deles para o Brasil. Caso contrário, sei que é uma facada na alma, todavia, assim que sua situação aliviar e se o dólar tiver aquela "quedinha", compre importado mesmo, pois vale o dinheiro empregado. Só pelo trabalho gráfico o retorno deles será menor que o investimento feito, mesmo que milhões de cópias sejam vendidas, o que infelizmente, por ora, não vai acontecer.

publicidade

Site Oficial - http://welcome.to/proloud

Formação:
Giancarlo Mattei (Vocais)
Cristian Zezza (Guitarra)
Marco Donello (Teclados)
Michele Zanni (Baixo)
Emi Pierro (Bateria)

Material cedido por:
Sublime Label – http://www.sublimelabel.com
C.P. 5º
S. Vito Mo
Italy
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Lady Gaga e EddieSeparados no nascimento
Lady Gaga e Eddie

Spike: os sete piores solos de guitarraSpike
Os sete piores solos de guitarra


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin