Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemA banda de rock que impressionou Paulo Ricardo e o fez ver grandeza do estilo em São Paulo

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemLars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemNoel Gallagher relembra o dia em que foi ao show de uma banda cover de Oasis

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemGene Simmons admite que "Ace estava certo" sobre o Kiss no começo dos anos 80

imagemApós incidente, Axl Rose anuncia mudança nos shows do Guns N' Roses

imagemBeatles: Ringo Starr conta como foi o seu último encontro com John Lennon

imagemVeja Sandy cantando Metallica na TV Globo em programa de Marcos Mion

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Carlinhos Brown: vaias e garrafadas no Rock in Rio 2001 foram ato de racismo, diz ele

Por Igor Miranda
Postado em 22 de novembro de 2021

Vinte anos depois da fatídica apresentação no festival Rock in Rio 2001, o cantor Carlinhos Brown compartilhou algumas reflexões sobre o evento em entrevista ao jornal "Folha de S. Paulo". Na ocasião, o artista foi alvo de vaias e garrafadas, entre outras demonstrações de rejeição, ao abrir um dia de shows de Guns N' Roses, Oasis e Papa Roach.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em sua visão, Brown interpreta o episódio como "um dos primeiros cancelamentos" e diz que dentro de uma reação desse tipo, "tem racismo, preconceito contra o gênero, contra a música". Além disso, o músico entende que era um "artista muito frágil" naquele período.

"Precisamos de tempo para observar o que são as coisas. E o cancelamento talvez seja a síntese (daquilo). E dentro do cancelamento tem tudo. Tem racismo, preconceito contra o gênero, contra a música. Eu era um artista muito mais frágil naquele momento, com expectativas gigantes jogadas naquele momento. Eu já estava com música estourada, já tinha criado, com meus amigos, o axé music. Mas eu era frágil com inocências antropofagistas. Me vestia como índio, eu não queria me vestir como o cara do rock n' roll", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Também conforme apontado por Carlinhos, o criador do Rock in Rio, Roberto Medina, buscou provocar o público ao colocá-lo em um dia destinado ao rock. A edição de 2001 foi marcada por boicote de grandes bandas brasileiras, como Skank, Charlie Brown Jr, Raimundos e Jota Quest, entre outras, contra os baixos cachês e horários pouco privilegiados no line-up.

"Que bom que houve aquele choque porque a gente sabia que, no Rock in Rio, a palavra rock, suas quatro letras, era maior que Rio. Mas a gente também estava dizendo que o Rio é enorme. A música brasileira precisava ser mostrada", disse ele, que se ofereceu para fazer aquele mesmo show em uma edição futura do Rock in Rio.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ainda durante a entrevista, Carlinhos Brown disse que gêneros musicais considerados "periféricos" por terem raízes africanas também são alvo de preconceito. "O nosso funk precisou de um neologismo para ser aceito. Porque, na verdade, é a macumba que se eletronizou. Quando olho o funk, eu vejo o candomblé eletrônico", declarou.

A entrevista completa com Carlinhos Brown pode ser lida no site do jornal "Folha de S. Paulo".

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Carlinhos Brown anuncia álbum com Rita Lee, Tarja Turunen, Bittencourt e Eloy Casagrande

Bittencourt lembra quando Baron comeu pipoca cenográfica de Carlinhos Brown

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Carlinhos Brown: vaias e garrafadas no Rock in Rio 2001 foram ato de racismo, diz ele

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregos

Bruce Dickinson: ele revela os três vocalistas que nunca vai conseguir superar


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.