Black Metal: a avant garde do Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ivison Poleto dos Santos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Controverso desde o nascimento, na minha opinião em 1982 com o álbum "Black Metal" do Venom, e isto também já motivo para controvérsia, pois alguns dizem que se é para considerar o Venom, deve-se considerar o Mercyful Fate também. Outros já acham que o Bathory com o autointitulado "Bathory" é o primeiro álbum de black metal pela sua sonoridade. Alguns outros já acham que a primazia cabe às bandas suecas e norueguesas que surgiram no início dos anos 1990. Como se vê, só isso daria incontáveis e inflamadas discussões.

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StonePiadas sobre músicos

Mas a questão primordial aqui não é essa. Acompanho o estilo desde 1985, pois um amigo era um entusiasta do gênero e mostrava sempre que podia, é claro com os nossos protestos, os lançamentos da época. Foi com ele que conheci o Slayer (na época ainda podia ser definido como black/thrash), Venom, Voivod, Possessed, Sepultura (ele tinha o famoso split com o Overdose, do qual eu só gravei o Overdose), e muitas outras. A postura das bandas de black metal dessa época era ser as mais rápidas, distorcidas, cruas e ferozes possível. Em uma entrevista nos anos 1980 à revista Metal o Sarcófago admitia que o que faziam era um hardcore com letras satânicas. Atitude saudável, devo confessar, porém aquela crueza muitas vezes se confundia com não saber o que fazer com os instrumentos. E, cá entre nós, o Metal é, e sempre foi, antes de tudo um movimento musical. Fãs e músicos exigem um determinado nível de destreza com os instrumentos. Pelo menos alguém na banda deve ser bom, ou guitarrista (quase sempre), ou o vocalista (também frequente), ou o baterista (sempre destaque nas bandas de metal extremo pela velocidade) e, de vez em quando, o baixista. Além disso, para os ouvidos humanos, a velocidade torna as músicas muito parecidas. Com essa consciência, as bandas passaram a inovar, mais notadamente quando foi lançado "Heartwork" do Carcass que deu uma aliviada na velocidade e agressividade instrumental, porém mantendo os vocais típicos do metal extremo.

Venho acompanhando à distância as mudanças no gênero dos anos 1990 e, mais de perto, a partir 2016 quando comecei a fazer resenhas profissionalmente. Como disse, nunca foi exatamente um fã do estilo, portanto posso fazer uma análise mais fria e imparcial. Curiosamente, minha matéria de estreia aqui foi sobre metal extremo. Veja no link abaixo. E a minha opinião não mudou desde então. Aliás, mudou sim, venho considerando o black metal a avant garde do Metal.

Opinião: Por que eu me rendi ao metal extremo?

Mas por que avant garde?

O black metal sempre se colocou como um gênero extremo. Muitas bandas abandonaram de vez o satanismo predominante nos primórdios. Porém, não abandonaram o anticristianismo, o que são duas coisas bem diferentes. A postura pagã é uma das predominantes nas bandas atuais com retorno a ritos e religiões pré-cristãs, principalmente europeias.

Com fim da busca pela velocidade da luz, as bandas tiveram que variar não somente na cadência, mas também nas estruturas musicais para continuar recriando o caos sonoro sem tornar a música intragável. A saída foi a utilização de dissonâncias e estruturas harmônicas e melódicas pouco usuais inspiradas basicamente na música clássica. Salvo poucas exceções, o black metal rompeu definitivamente com as tradições do blues, gênero que utiliza estruturas não convencionais, e do jazz, também famoso pelas experimentações. Uma outra fonte fértil tem sido as influências retiradas das músicas tradicionais folclóricas com a incorporação de instrumentos antigos e, alguns, em desuso. Restaram apenas duas referências incólumes: os vocais guturais e a transgressão. No entanto, os vocais guturais são agora permeados por vozes dos mais diferentes tipos desde as vozes esganiçadas como que bruxas até vozes quase angelicais retiradas da música clássica e gritos e urros saídos das profundezas dos sete círculos do inferno. O céu, ou melhor, o inferno é o limite para as experimentações.

As bandas mais novas também têm rompido com aquilo que é mais caro aos fãs de Metal que são os solos de guitarra. É possível ouvir álbuns e mais álbuns sem notar um mero solo de guitarra. Mais uma vez a intenção é fugir do convencional.

Houve também uma clara opção por riffs hipnóticos e repetitivos para criar tanto uma sonoridade doentia e uma aproximação do chamado rock progressivo, porém o que se tira deste progressivo são as estruturas harmônicas mais complexas para criar estranheza. Teclados, outrora desprezados e execrados, foram incorporados definitivamente das mais diversas formas. É possível ouvir pianos, cravos, teclados com sonoridade daqueles de crianças e, até pasmem, aqueles muitos usados nos anos 1980 por bandas de tecnopop. Tudo isso com a intenção de dar aquele desconforto aos ouvidos, mas nunca ao ponto de fazer o ouvinte desistir.

Para mim, o grande trunfo é a composição de músicas que exploram as mais diversas emoções humanas, mas notadamente, é claro, estamos falando de black metal, da dor, do desespero, da angústia, da frustração, da rebeldia e tantas outras que são socialmente consideradas negativas e evitadas, mas que fazem parte da vida humana. O black metal é uma gritante - foi sem a intenção -demonstração do espírito humano sem frescuras, sem censuras. Nada daquela alegriazinha plástica e artificial imposta a todos os seres humanos pela indústria cultural que vem nos agredindo há anos com uma música, para dizer o mínimo, sem graça e sem gosto.

Black metal é a representação mundana da atualidade.

Enfim, dentro dos limites (eles ainda existem) vale tudo no black metal moderno desde que choque.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Matérias

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Piadas sobre músicosPiadas sobre músicos

Rock: as dez lendas mais macabras do gêneroRock
As dez lendas mais macabras do gênero

Música Brasileira: Quais os discos mais vendidos da história?Música Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

Playback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceuPlayback.FM
Saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceu

Tom Morello: revelando planos de Chris Cornell com o AudioslaveTom Morello
Revelando planos de Chris Cornell com o Audioslave

Venom: a treta de Cronos com Henry RollinsVenom
A treta de Cronos com Henry Rollins


Sobre Ivison Poleto dos Santos

Veterano das guerras metálicas. Pesquisador, escritor, resenhista, músico frustrado (por isso tudo o anterior). Ao contrário da opinião comum, acho que o melhor do Metal ainda está por vir e que existem grandes bandas novas por aí. Só procurar. No meu caso elas vêm até mim.

Mais matérias de Ivison Poleto dos Santos no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336